Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-01-22T19:03:15-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Novela coreana

GWI aumenta participação na Gafisa para mais de 50% e pode fazer oferta para fechar capital da empresa

Oferta pelas ações dos minoritários está prevista no estatuto da incorporadora, mas não está claro se a gestora do coreano Mu Hak You terá de cumprir o requisito. De todo modo, os analistas do Credit Suisse não veem muito potencial para os papéis da Gafisa mesmo com a oferta

22 de janeiro de 2019
15:32 - atualizado às 19:03
Gafisa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Depois de assumir a gestão da incorporadora Gafisa em setembro, a gestora GWI, do coreano Mu Hak You, aumentou a participação no capital da empresa para 50,17% das ações.

Com isso, a GWI pode ser obrigada a fazer uma oferta pelas ações dos minoritários na bolsa.

Em comunicado divulgado hoje, a Gafisa informou que a gestora "tomará todas as providencias previstas no Estatuto Social" depois de ter alcançado mais da metade das ações, mas não deu detalhes. Procurada, a companhia não comentou o assunto.

O estatuto da incorporadora estabelece que qualquer acionista que atingir mais de 50% do capital terá de realizar uma oferta pública de aquisição (OPA) das ações dos demais acionistas. O documento também determina um prazo de até 45 dias para a publicação do edital da oferta.

Mas o estatuto também traz uma exceção, quando o aumento da participação acontece de forma involuntária. Por exemplo, no caso de a empresa ter cancelado ações em tesouraria.

Em dezembro, a GWI tinha 49% do capital da Gafisa e a empresa promoveu o cancelamento de ações recentemente.

Caso a gestora venha a fazer a oferta, o preço por ação deverá corresponder, no mínimo, ao valor justo, apurado em um laudo de avaliação.

E agora?

As ações da Gafisa praticamente não reagiram ao anúncio de hoje e eram negociadas em queda de 1,74% no começo da tarde, a R$ 15,29.

Para os analistas do Credit Suisse, provavelmente a GWI terá de fazer uma oferta pelas ações, o que é positivo para os minoritários. Mas não por algum potencial de ganho para os papéis na bolsa.

Isso porque as ações da Gafisa são hoje negociadas abaixo do valor patrimonial e o balanço do quarto trimestre, que ainda não foi divulgado, costuma concentrar as maiores baixas (impairment) e provisões.

"Achamos difícil que uma avaliação independente mostre um valor significativamente maior que o atual preço da ação", escrevem os analistas do Credit, em relatório a clientes.

Ainda assim, diante do potencial de desvalorização, os analistas consideram que uma oferta pelas ações nos preços atuais pode ser uma boa.

O preço-alvo do banco suíço para as ações da Gafisa é de R$ 8,60, ou 44% abaixo das cotações atuais na bolsa.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies