Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-05T14:21:10-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Quem mexeu no meu CRI?

Acusada de desviar recursos, Gafisa diz que tem R$ 11 milhões a receber da Polo Capital

Comandada desde outubro pela gestora GWI, incorporadora é acusada de querer receber novamente por créditos imobiliários que já havia transferido à gestora

7 de fevereiro de 2019
15:42 - atualizado às 14:21
Cuidado Investidor em Perigo Gafisa
Cuidado Investidor em Perigo Gafisa - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Acusada de desviar recursos de de créditos imobiliários que havia transferido à gestora de recursos Polo Capital, a incorporadora Gafisa (GFSA3) diz que é credora de uma dívida de R$ 11 milhões da gestora.

"Se o Grupo Polo não estava de acordo com a forma de cobrança e repasse desses valores, poderia ter agendado uma reunião com a Gafisa, visando esclarecimentos e informações", informa a empresa, em comunicado encaminhado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A Polo detém créditos de 20 séries da primeira emissão de certificados de recebíveis imobiliários (CRIs) da Gafisa, cujo saldo devedor é da ordem de R$ 60 milhões.

Nesse tipo de operação, a incorporadora "empacota" uma série de financiamentos que tem a receber de clientes e antecipa os recursos vendendo os títulos a investidores no mercado.

Pelo acordo com a Polo, a Gafisa ficou responsável pela cobrança dos financiamentos e deveria repassar os recursos recebidos para as contas da gestora. No mês passado, porém, emitiu os boletos contendo dados bancários da própria incorporadora, que é comandada desde outubro passado pela gestora GWI, do investidor coreano Mu Hak You.

A acusação de desvio de recursos dos CRI foi feita pela Polo por meio de um fato relevante encaminhado à CVM nesta semana.

Empreendimento em conjunto

No comunicado, a Gafisa diz que se associou à Polo e a outra construtora na execução de um empreendimento no Rio de Janeiro. Mas as sócias não teriam aportado os recursos no projeto e que a incorporadora vem arcando sozinha com todos os custos. É daí que saiu o valor de R$ 11 milhões que a empresa diz que tem a receber.

"Tentamos cobrar inúmeras vezes esta dívida de forma amigável sem êxito", informa a empresa, que diz ter aberto ações de arbitragem e na Justiça para reaver os valores.

O problema é que quem saiu perdendo foram os investidores dos CRI emitidos pela Polo, que não têm nada a ver com a disputa sobre o empreendimento.

Procurada, a Polo informou não comentaria o assunto.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Ora, pois

Bradesco deve abrir base em Portugal para ‘seguir’ milionários brasileiros

Movimento de migração de famílias clientes do segmento private do banco após a pandemia levou à retomada dos estudos para entrar no mercado lusitano

De volta aos dois dígitos

Mercado já vê juros de até 11% em 2022

Drible no teto de gastos gerou movimento generalizado nas instituições financeiras para revisar para cima suas projeções para a taxa de juros

Óleo e gás

3R Petroleum (RRRP3) certifica reservas provadas de 185,1 milhões de barris

Companhia divulgou resultado da certificação de reservas do Campo de Papa-Terra, na Bacia de Campos, cuja participação foi adquirida da Petrobras

Valor intangível

As 10 marcas mais valiosas do mundo em 2021 – a líder vale US$ 408,2 bilhões

Apple lidera ranking da Interbrand, seguida de outras big techs; com alta de 184%, Tesla foi a marca com maior salto no seu valor no último ano

Contrata-se

Fintechs fazem mercado de vagas crescer 466%, com foco em tecnologia

Startups de tecnologia para o mercado financeiro procuram talentos sobretudo na área de TI, e alguns processos seletivos são exclusivos para mulheres

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies