Menu
Luciana Seabra
Advogada do Investidor
Luciana Seabra
É CFP®, especialista em fundos de investimento e sócia da Empiricus
2019-06-19T17:54:09-03:00

Concorrência esquenta nos ETFs: BlackRock reduz taxa em indexado ao Ibovespa e empata com Itaú

Taxa do BOVA11, opção mais acessível para se investir no índice da Bolsa brasileira, cai de 0,54% para 0,3% ao ano nesta sexta-feira, mesmo valor cobrado pelo BOVV11

19 de junho de 2019
16:21 - atualizado às 17:54

O mercado de fundos indexados negociados em Bolsa, os ETFs (Exchange Traded Funds), é enorme lá fora, mas ainda nanico no Brasil. Aqui há cerca de R$ 14 bilhões investidos, somente 0,3% da indústria de fundos. Um movimento recente de reduções nas taxas, entretanto, sinaliza que esse segmento está ficando mais animado – o que é ótimo para o investidor.

A BlackRock anunciou em fato relevante que vai reduzir nesta sexta-feira, 21, a taxa de administração do seu ETF de Ibovespa de 0,54% para 0,3% ao ano. Esta é exatamente a taxa cobrada pelo ETF do Itaú, o BOVV11.

O produto da BlackRock, BOVA11, é praticamente sinônimo de ETF de Ibovespa no Brasil, mas apesar de ser o mais líquido, era até então o mais caro. Isso muda agora, com o ajuste. O produto da Caixa, XBOV11, passa a ser o último da fila, com 0,5% ao ano de taxa.

E agora, tanto faz investir no BOVA11 ou BOVV11? – pergunta você. Não necessariamente. O retorno do ETF depende não somente da taxa de administração, mas também da receita que o fundo obtém com aluguel de ações (que outros investidores tomam para montar posições vendidas, que apostam na queda de papéis).

Na mesma assembleia em que decidiu pela redução da taxa, a BlackRock informa que aumentou a fatia do portfólio que pode ser alugada, a fim de gerar receita para o fundo, dos atuais 30% do patrimônio líquido para 40%. E também aumentou de 50% para 70% o limite que pode ser emprestado por ação detida pelo fundo.

Mesmo com o aumento, a BlackRock segue com menos flexibilidade do que o Itaú para alugar ações, já que o ETF do banco brasileiro tem os dois limites travados em 70%. Será preciso, portanto, ver o ETF da gestora americana em atividade por um tempo sob o novo regime para comparar a capacidade de aluguel dos dois gestores e, assim, seus dois retornos. De qualquer forma, a tendência é que os dois passem a ter ganhos próximos.

Em abril deste ano, o Itaú tinha feito um movimento parecido, ao reduzir a taxa de seu ETF atrelado ao S&P, índice da Bolsa americana, de 0,27% para 0,21% ao ano. Assim, o SPXI11 passou a ficar mais barato do que o produto atrelado ao mesmo índice da BlackRock, que cobra 0,24% ao ano.

Ainda que com infinitamente menos concorrentes, nos aproximamos assim da dinâmica do mercado de ETFs lá de fora, em que os gestores disputam espaço com ajustes nas casas depois da vírgula. E agora, quem dá menos?

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu