Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-14T16:00:05-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Laços estreitos

Vamos trabalhar em acordo de livre comércio com Brasil, diz Trump

Trump disse ter “um grande relacionamento” como Brasil e com o presidente Jair Bolsonaro, a quem o americano chamou de “um homem maravilhoso”, que tem “uma família maravilhosa” e está fazendo “um grande trabalho” ao governar o País

30 de julho de 2019
12:20 - atualizado às 16:00
Donald Trump e Jair Bolsonaro
Imagem: Alan Santos/PR

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, respondeu positivamente a uma pergunta sobre se gostaria de firmar um acordo comercial com o Brasil. "Vamos trabalhar em um acordo de livre comércio com o Brasil. O Brasil é um grande parceiro comercial. Eles nos cobram muitas tarifas, mas, fora isso, amamos a relação" com o País, afirmou o americano enquanto atendia a repórteres nos jardins da Casa Branca, antes de embarcar em um helicóptero.

Na mesma ocasião, Trump disse ter "um grande relacionamento" como Brasil e com o presidente Jair Bolsonaro, a quem o americano chamou de "um homem maravilhoso", que tem "uma família maravilhosa" e está fazendo "um grande trabalho" ao governar o País.

As declarações vêm em meio ao processo de nomeação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ao cargo de embaixador do Brasil em Washington. Na última sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, confirmou que o Brasil enviou ao governo americano um "agrément" (pedido diplomático) como parte da oficialização do filho do presidente no posto. O chanceler demonstrou convicção de que a nomeação será aceita pelos EUA.

Trump também apontou que a China está "morrendo de vontade" de firmar um acordo com o seu país em meio às negociações comerciais retomadas nesta terça-feira em Xangai. "Mas a decisão (de fechar ou não o acordo) é minha, não deles", completou.

Assim como fez em uma série de tuítes mais cedo, Trump retratou negativamente a economia chinesa, dizendo desta vez que "empresas estão deixando a China aos milhares" por causa das tarifas impostas por Washington sobre importações do país asiático.

Ele também comentou, contudo, que as conversas com Pequim "estão indo muito bem", para logo depois repetir a crítica de que, na sua visão, "a China sempre quer mudar o acordo no final".

Na véspera da decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), o presidente americano afirmou que gostaria de ver um "grande corte" de juros pela instituição e o fim do "aperto quantitativo".

O republicano acrescentou estar "muito desapontado" com o Fed e alegou que o BC americano "está frequentemente errado".

Presidente comprometido

Mais tarde, o secretário de comércio americano, Wilbur Ross, afirmou durante evento da Amcham (Câmara Americana de Comércio) que Trump está comprometido em reduzir barreiras entre os dois países e expandir relações econômicas e laços comerciais, especialmente nas áreas de energia, infraestrutura, agricultura e tecnologia. "O presidente Trump está comprometido com uma relação forte e dinâmica com o Brasil", disse.

Ele lembrou que a relação de apoio entre Estados Unidos e Brasil é longa, citando o reconhecimento da independência brasileira pelos EUA. E destacou que essa "longa relação está mais forte do que nunca". Segundo ele, além do comércio, o país apoia o Brasil no fortalecimento da democracia na região.

Ross pontuou ainda que, com o avanço das recentes reformas, os EUA estão "fortemente comprometidos" em apoiar a entrada do Brasil na OCDE.

Ross afirmou que os americanos precisam costurar mais parcerias estratégicas, de forma a gerar "empregos, prosperidade e paz na região". Ele apontou que o acordo entre Boeing e Embraer é um bom exemplo de cooperação entre governos e empresas dos dois países.

Ross também destacou que há uma equipe de cerca de 50 pessoas ligadas ao Departamento do Comércio dos EUA trabalhando para facilitar as relações bilaterais, o que torna o Brasil um dos três países com maior rede americana. "Estamos trabalhando de perto com o Brasil e outros países da América Latina", reforçou, ao dizer que os EUA têm interesse em impulsionar a economia regional. "Há potencial para elevarmos o comércio lateral de mútuo benefício", disse.

*Com Estadão Conteúdo.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

FECHAMENTO DO DIA

Vale puxa o Ibovespa e garante alta do dia, mas dólar avança com temores fiscais na véspera do Copom

Em Nova York, a volatilidade foi mais comedida. No Brasil, o conturbado cenário interno trouxeram dor de cabeça e tensão para o Ibovespa e o câmbio

Chama o Max!

Como ter renda extra através de ações? Max Bohm explica os diferentes tipos de proventos!

Já pensou viver de renda? É o sonho de muitos brasileiros. Max Bohm, analista da Empiricus, explica quais são os diferentes tipos de proventos recebidos por um acionista. Confira agora!

Com preço no piso da faixa indicativa, Raízen movimenta R$ 6,9 bilhões no IPO; veja o que vem a seguir para esta ação

Ação da produtora de açúcar e álcool e dona dos postos Shell é precificada a R$ 7,40 e começará a ser negociada no próximo dia 5

DISPUTA DOS BANCÕES

Bradesco aumenta lucro em 63%, a R$ 6,3 bilhões — mas não supera Itaú

Cifra do período não supera a projeção de lucro de R$ 6,596 bilhões, apontada pelo mercado, conforme dados da Bloomberg

ciclo de alta

Taxa Selic hoje é de 4,25% ao ano, mas vai subir; entenda por quê

Expectativa do mercado financeiro é de que o Banco Central promova um aumento de 1,00 ponto porcentual na taxa básica de juros, levando-a para 5,25%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies