Menu
2019-10-14T16:00:05-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Laços estreitos

Vamos trabalhar em acordo de livre comércio com Brasil, diz Trump

Trump disse ter “um grande relacionamento” como Brasil e com o presidente Jair Bolsonaro, a quem o americano chamou de “um homem maravilhoso”, que tem “uma família maravilhosa” e está fazendo “um grande trabalho” ao governar o País

30 de julho de 2019
12:20 - atualizado às 16:00
Donald Trump e Jair Bolsonaro
Imagem: Alan Santos/PR

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, respondeu positivamente a uma pergunta sobre se gostaria de firmar um acordo comercial com o Brasil. "Vamos trabalhar em um acordo de livre comércio com o Brasil. O Brasil é um grande parceiro comercial. Eles nos cobram muitas tarifas, mas, fora isso, amamos a relação" com o País, afirmou o americano enquanto atendia a repórteres nos jardins da Casa Branca, antes de embarcar em um helicóptero.

Na mesma ocasião, Trump disse ter "um grande relacionamento" como Brasil e com o presidente Jair Bolsonaro, a quem o americano chamou de "um homem maravilhoso", que tem "uma família maravilhosa" e está fazendo "um grande trabalho" ao governar o País.

As declarações vêm em meio ao processo de nomeação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ao cargo de embaixador do Brasil em Washington. Na última sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, confirmou que o Brasil enviou ao governo americano um "agrément" (pedido diplomático) como parte da oficialização do filho do presidente no posto. O chanceler demonstrou convicção de que a nomeação será aceita pelos EUA.

Trump também apontou que a China está "morrendo de vontade" de firmar um acordo com o seu país em meio às negociações comerciais retomadas nesta terça-feira em Xangai. "Mas a decisão (de fechar ou não o acordo) é minha, não deles", completou.

Assim como fez em uma série de tuítes mais cedo, Trump retratou negativamente a economia chinesa, dizendo desta vez que "empresas estão deixando a China aos milhares" por causa das tarifas impostas por Washington sobre importações do país asiático.

Ele também comentou, contudo, que as conversas com Pequim "estão indo muito bem", para logo depois repetir a crítica de que, na sua visão, "a China sempre quer mudar o acordo no final".

Na véspera da decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), o presidente americano afirmou que gostaria de ver um "grande corte" de juros pela instituição e o fim do "aperto quantitativo".

O republicano acrescentou estar "muito desapontado" com o Fed e alegou que o BC americano "está frequentemente errado".

Presidente comprometido

Mais tarde, o secretário de comércio americano, Wilbur Ross, afirmou durante evento da Amcham (Câmara Americana de Comércio) que Trump está comprometido em reduzir barreiras entre os dois países e expandir relações econômicas e laços comerciais, especialmente nas áreas de energia, infraestrutura, agricultura e tecnologia. "O presidente Trump está comprometido com uma relação forte e dinâmica com o Brasil", disse.

Ele lembrou que a relação de apoio entre Estados Unidos e Brasil é longa, citando o reconhecimento da independência brasileira pelos EUA. E destacou que essa "longa relação está mais forte do que nunca". Segundo ele, além do comércio, o país apoia o Brasil no fortalecimento da democracia na região.

Ross pontuou ainda que, com o avanço das recentes reformas, os EUA estão "fortemente comprometidos" em apoiar a entrada do Brasil na OCDE.

Ross afirmou que os americanos precisam costurar mais parcerias estratégicas, de forma a gerar "empregos, prosperidade e paz na região". Ele apontou que o acordo entre Boeing e Embraer é um bom exemplo de cooperação entre governos e empresas dos dois países.

Ross também destacou que há uma equipe de cerca de 50 pessoas ligadas ao Departamento do Comércio dos EUA trabalhando para facilitar as relações bilaterais, o que torna o Brasil um dos três países com maior rede americana. "Estamos trabalhando de perto com o Brasil e outros países da América Latina", reforçou, ao dizer que os EUA têm interesse em impulsionar a economia regional. "Há potencial para elevarmos o comércio lateral de mútuo benefício", disse.

*Com Estadão Conteúdo.
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Dono da Warner Music

Len Blavatnik: o bilionário que apostou na indústria fonográfica e se tornou um dos homens mais ricos do mundo

Com o bem-sucedido IPO da Warner Music, na Nasdaq, Blavatnik, que apostou na empresa quando a indústria fonográfica desmoronava, saltou quase 20 posições na lista dos mais ricos do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements