Menu
2019-06-21T11:51:58-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Aos 48 do 2º tempo

Governo dos EUA autoriza ataque ao Irã após derrubada de drone, mas missão é abortada de última hora

Jornal The New York Times informou que aviões e navios militares já estavam à postos para atacar quando a ordem do presidente Trump chegou

21 de junho de 2019
7:44 - atualizado às 11:51
O presidente dos EUA Donald Trump
O presidente americano Donald Trump - Imagem: Shutterstock

A noite desta quinta-feira (20) foi de tensões no exterior. O exército dos EUA estava pronto para atacar o Irã em retaliação à derrubada de um drone do País, mas a missão acabou sendo abortada de última hora.

De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, o presidente Donald Trump teria autorizado o ataque mas, de uma hora para outra, resolveu desautorizar a operação.

O jornal afirma que a cúpula militar e diplomática dos Estados Unidos acreditava de fato no ataque, e a decisão de Trump de cancelar a missão acabou pegando muita gente de surpresa. Aviões militares e navios já estariam posicionados para atacar uma série de alvos quando a notícia do veto chegou.

O NYT informou ainda que não há informações sobre os motivos que teriam feito Trump mudar de opinião. No entanto, várias autoridades americanas dizem que não se pode descartar uma futura ação militar contra o Irã.

Trump chegou a escrever em sua conta no Twitter que o Irã havia cometido "um grande erro". Mais tarde, disse a repórteres que o país persa iria "descobrir em breve" se os EUA planejavam uma ação militar em resposta à derrubada do drone.

E o petróleo sofre...

A calmaria no Brasil por conta do feriado de Corpus Christi contrastou com as grandes movimentações políticas no exterior. Não à toa os preços do petróleo foram parar nas alturas diante da expectativa de que o clima no Oriente Médio voltasse pesar. Nas bolsas dos Estados Unidos, no entanto, o clima de euforia por conta das posturas "dovish" dos Bancos Centrais acabou se sobrepondo à notícia do ataque.

*Com agências internacionais e jornal NYT.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

capítulo final

Acionistas da Klabin aprovam acordo para encerrar pagamentos para uso da marca

Dona da marca que dá nome à empresa, Sogemar será incorporada, em acordo que envolve repasse de ações

NÚMEROS DA PANDEMIA

Covid-19: Brasil tem 171 mil mortes e 6,2 milhões de casos acumulados

Nas últimas 24 horas foram apurados 37.614 diagnósticos positivos para a doença e 691 óbitos, diz Ministério da Saúde

setor em crescimento

Magalu, Via Varejo ou B2W: quem ganha na disputa pelas vendas na Black Friday?

As três gigantes do comércio eletrônico devem crescer forte na Black Friday da quarentena, depois de um ano marcado pelo avanço do online

Sextou com o Ruy

Por que o mercado só fala em rotação das carteiras (e o que você deveria fazer)

A resposta me parece ser ter uma carteira balanceada, com boas companhias que conseguirão sobreviver a novos lockdowns caso eles aconteçam, e também com empresas ligadas à tecnologia

atenção, acionista

Itaú Unibanco anuncia pagamento de juros sobre capital próprio

Segundo a empresa, os valores serão pagos com base na posição acionária do dia 10 de dezembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies