Menu
2019-05-11T17:28:38-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Polêmicas

Trump diz que eleitores não se “importariam” com ocultação de impostos

Ele completou desafiando os adversários. Trump disse “agora os democratas de esquerda querem voltar a esse tópico. Façam com que ele seja abordado nas eleições de 2020!”

11 de maio de 2019
17:28
Donald Trump, presidente americano
Donald Trump - Imagem: shutterstock

Em seu Twitter, Donald Trump deu uma declaração no mínimo polêmica. O presidente destacou que venceu as eleições de 2016 parcialmente por conta de sua campanha de redução de impostos e que os eleitores não se "importariam" com a ocultação de Imposto de Renda. A discussão é porque o ato era uma prática comum feita pelos presidenciáveis de governos anteriores.

Ele completou desafiando os adversários. Trump disse "agora os democratas de esquerda querem voltar a esse tópico. Façam com que ele seja abordado nas eleições de 2020!".

A declaração ocorre porque ontem (10) o deputado americano Richard Neal (democrata, Massachusetts) solicitou as declarações de imposto de renda de Donald Trump dos últimos seis anos.

Mas o presidente americano se recusa a divulgar os documentos. Segundo ele, eles estão sob auditoria e, por isso, não tem permissão para serem disponibilizados ao público.

O relatório

Depois, o presidente ainda comentou o relatório de Mueller sobre supostas ligações entre o presidente e os russos durante as eleições de 2016.

"Agora os democratas radicais de esquerda não falam mais sobre conluio porque o relatório de Mueller mostrou que isso não ocorreu. Eles apenas querem falar sobre obstrução ainda que isso não tenha ocorrido, assim como não ocorreu nenhum crime. Exceto aqueles cometidos pelo outro lado", desabafou Trump.

https://twitter.com/realDonaldTrump/status/1127283257383555072

Em março deste ano, o procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, informou que não havia evidências suficientes para provar o conluio entre a campanha de Donald Trump e o governo russo.

A carta de Barr tornou pública a conclusão do relatório de Robert Mueller, conselheiro especial do Departamento de Justiça (DoJ), responsável pelas investigações.

No documento, o procurador ressaltou que não havia evidências suficientes para provar o crime de obstrução de justiça de Trump, de forma ilegal.  Mas aponta que "apesar de o relatório não poder concluir que o presidente cometeu um crime, isso não o isenta", destacou Barr.

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies