Menu
2019-10-09T15:22:03-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Entrevista exclusiva

Após subir 170% na bolsa, Sinqia mira 12 novas aquisições com recursos de oferta de ações

Com os R$ 360 milhões captados de investidores, empresa de software para o setor financeiro atingiu R$ 1 bilhão em valor de mercado. Com plano de aquisições, o sonho é alcançar outro bilhão: o de faturamento, afirma Bernardo Gomes, presidente e fundador da Sinqia

9 de outubro de 2019
5:59 - atualizado às 15:22
Bernardo Gomes, fundador e presidente da Sinqia
Bernardo Gomes, fundador e presidente da Sinqia - Imagem: Leo Martins/Seu Dinheiro

Enquanto esperava por mais um voo no aeroporto, Bernardo Gomes foi abordado por um funcionário da companhia aérea. O diretor-presidente e fundador da Sinqia estava no meio da corrida fase de apresentações a investidores da oferta de ações de R$ 360 milhões da companhia, concluída no mês passado.

Mas não havia nada de errado com a viagem ou a passagem. Ao identificar o logotipo da Sinqia na camisa do executivo, o funcionário fez questão apenas de se apresentar e dizer que era acionista da companhia.

O presidente da Sinqia me contou a história durante a visita que fiz à sede da empresa que virou uma das queridinhas entre os investidores. Nos últimos 12 meses, os papéis (SQIA3) acumulam uma valorização de 170%, contra 23% do Ibovespa no período.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O empregado da companhia aérea é um entre os mais de 30 mil acionistas da Sinqia. Trata-se de um feito e tanto para uma empresa ainda pequena para os padrões da bolsa e que contava com apenas dois sócios quando foi criada em 1995: o próprio Gomes e Antonio Luciano de Camargo Filho.

Ambos seguem no comando da Sinqia, que até o ano passado se chamava Senior Solution. Mas a empresa que produz software para o setor financeiro se habituou desde cedo a ter outros sócios. Primeiro com o investimento do fundo Stratus, em 2005, e depois com o IPO (sigla em inglês para oferta pública inicial de ações) no Bovespa Mais, o mercado de acesso da bolsa, em 2013.

Gomes decidiu que era hora de atrair capital de investidores quando percebeu que havia a oportunidade de acelerar o crescimento da companhia via aquisições. Entre o primeiro aporte do fundo e a abertura de capital foram cinco negócios. Nos últimos seis anos foram mais oito compras, que fizeram o tamanho da empresa se multiplicar por quatro no período.

Se você ficou impressionado com o retorno expressivo da empresa na bolsa em um ano, vale prestar atenção no que vem pela frente. Afinal, o bom desempenho do passado não garante ganhos futuros. Conversei longamente com o CEO da Sinquia para entender o futuro do negócio e conto o que descobri no texto que segue.

Longo caminho

Apesar do crescimento recente da companhia, Gomes disse que ainda há uma longa estrada em aquisições a percorrer. Embora seja líder no mercado em que atua, a participação da Sinqia não chega a 4%. Por isso a companhia voltou ao mercado para captar recursos com uma nova oferta de ações.

A empresa mapeou um total de 200 empresas que fornecem software para o mercado financeiro, das quais 80 já possuem um acordo de confidencialidade assinado.

“Temos hoje 30 processos ativos, com troca de informações, e 12 estão mais maduros porque aconteceram junto com aquisições que fechamos recentemente.”

Com os recursos obtidos com a nova oferta de ações, a Sinqia atingiu R$ 1 bilhão em valor de mercado. Se o plano de consolidação se concretizar, Gomes acredita que pode a Sinqia alcançar outro bilhão: o de faturamento.

Ele deixou claro que não se trata de uma projeção, mas de um "sonho". Juntas, as 12 empresas com as quais a Sinqia negocia possuem um faturamento de R$ 300 milhões. Nos últimos 12 meses encerrados em julho, a companhia registrou receita bruta de R$ 175 milhões.

Por ora, a estratégia de crescimento – que traz em um primeiro traz custos com a integração das empresas adquiridas – cobra um preço. A companhia teve prejuízo de R$ 3,6 milhões no segundo trimestre deste ano.

Gomes também atribui os resultados recentes a uma mudança no modelo comercial, no qual a Sinqia banca os custos para o desenvolvimento dos projetos nos clientes, mas em compensação cobra um valor maior pela assinatura do software.

"Eu gasto R$ 1 milhão por mês em projetos de implementação. Em troca disso, depois que todos esses projetos estiverem implantados, vou trazer R$ 18 milhões por ano de receita recorrente."

Bernardo Gomes, fundador e presidente da Sinqia
"Com os recursos da oferta, podemos iniciar um ciclo perpétuo de aquisições", afirmou Bernardo Gomes, fundador e presidente da Sinqia - Imagem: Leo Martins/Seu Dinheiro

Leia a seguir alguns dos temas tratados na entrevista com Bernardo Gomes:

Nova oferta de ações

A gente percebeu que continuam existindo oportunidades depois das últimas aquisições. Das oito aquisições que fizemos desde 2013, quatro aconteceram de dezembro do ano passado a maio deste ano. Junto com essas últimas surgiram outras transações que acabaram amadurecendo e que, para isso, a gente precisava fazer uma nova captação. Então decidimos partir para a oferta, com o objetivo de iniciar um terceiro ciclo. A gente pode dizer que o nosso primeiro ciclo foi o do private equity [a entrada do fundo Stratus], de R$ 7 milhões, o segundo foi o do IPO, de R$ 40 milhões, e agora a gente começa um novo ciclo com a oferta.

Ciclo perpétuo de aquisições

Com os recursos da oferta, podemos iniciar um ciclo perpétuo de aquisições. Temos agora R$ 360 milhões para fazer aquisições. Com elas, eu trago um Ebitda (geração de caixa) adicional para a Sinqia. Isso vai permitir que, terminado esse ciclo dos recursos da oferta, outro ciclo aconteça com a alavancagem [endividamento] a partir do Ebitda gerado pela companhia e pelas próprias  aquisições.

Mercado e concorrência

Existem umas 500 empresas que fornecem software para o mercado financeiro. Dessas, pouco mais de 200 a gente tem mapeadas, sabe quem é o empreendedor, qual a receita, o produto e os clientes. Temos hoje pouco mais de 80 NDAs (acordos de confidencialidade) assinados. Desses, 30 processos estão ativos, com troca de informações, e 12 em estágio mais maduro, porque aconteceram junto com aquisições que fechamos recentemente.

Concorrência e jabuticaba

Uma pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes) aponta que, em 2017, o mercado financeiro consumiu R$ 4 bilhões em software de terceiros. A Sinqia é a maior empresa e só tem 3,8% de participação. As empresas internacionais têm presença no Brasil, mas estão entre essas centenas que atuam aqui. O custo de adaptação das soluções delas para as jabuticabas do mercado brasileiro faz com que a conta não feche. O cara não faz a adaptação do sistema enquanto não tiver cliente, e o cliente não compra enquanto não está adaptado.

Tempo para aquisições

Não posso dizer quando as transações vão ocorrer, até porque no processo de M&A [fusões e aquisições] sempre tem o outro lado. A motivação para a fazer a oferta foi porque a Sinqia tem transações maduras o suficiente para nos dar conforto de conduzir a estratégia. Algumas vão acontecer mais rápido, em alguns meses, e outras vão acontecer ao longo do tempo. O que a gente colocou para os investidores durante o processo de road show (apresentações) é que em até três anos a gente gasta todos os recursos da oferta.

Oportunidade com fintechs

O mercado financeiro durante muitos anos passou por um processo de consolidação. Com o surgimento das fintechs, temos três movimentos acontecendo: bancos pequenos e de nicho passam pela tal transformação digital e um espaço maior do que tinham anteriormente. Empresas do segmento não-financeiro começam a enxergar oportunidades de vender produtos e oportunidades para seus clientes. E temos ainda as fintechs puras, que querem promover a desintermediação financeira.

A gente tem hoje no Brasil 529 fintechs. As empresas que ganham tração e começam a ter volume vão precisar de sistemas para processar as operações. As fintechs tem questões que estão na "cozinha" do negócio que são iguais às dos bancos tradicionais. Então o surgimento de fintechs que tenham sucesso vai acelerar nosso processo de ter mais clientes consumindo nossos produtos.

Sinqia do futuro

Para não falar em guidance (projeção), nosso sonho é criar uma empresa que tenha de 25% a 30% de participação de mercado, em um período não muito longo. Em outros mercados, como nos EUA, Europa e Ásia, você vai encontrar empresas que tiveram a mesma história que a Sinqia, aceleraram o crescimento via aquisições, e hoje têm uma posição relevante. As 12 empresas que estão no nosso pipeline têm um faturamento somado de R$ 300 milhões. É claro que não vou conseguir fazer as 12 de uma vez.

Mas, quando eu falo de ter uma participação de 25% de um mercado de R$ 4 bilhões, estou falando em fazer uma empresa de R$ 1 bilhão de faturamento daqui a algum tempo.

A gente hoje já é 40 vezes maior do que era em 2005. Estamos em um mercado que cresce naturalmente e ainda com uma oportunidade de consolidação enorme. Que outro mercado existe com centenas de empresas que podem ser consolidadas? Não estou dizendo que estou captando R$ 360 milhões para fazer algo que nunca fiz. Há 14 anos eu faço isso e vou continuar fazendo de forma mais rápida e mais intensiva.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Seu Dinheiro Premium

Os segredos da bolsa: ações de dois setores têm uma semana intensa pela frente

A agenda econômica doméstica continua no centro das atenções do mercado, mas diversos eventos no exterior podem trazer volatilidade à bolsa

De olho nos desbancarizados

Fintech do Santander, Superdigital quer ser a conta dos MEI e das classes C e D

Banco digital de bancão, a Super dá lucro, cobra tarifa e não se volta para os millenials descolados. Foco são os desbancarizados e, sobretudo, as folhas de pagamento dos grandes empregadores.

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements