Menu
2019-08-16T12:05:34-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
sem linha

Ações da Oi desabam mais de 10% em meio a temores de intervenção

Em recuperação judicial desde 2016, a Oi reportou um crescimento de 25,5% da dívida líquida do trimestre; cifra chegou a R$ 12,5 bilhões.

16 de agosto de 2019
11:38 - atualizado às 12:05
oi orelhão
Imagem: Divulgação Oi

As ações da Oi desabam nesta-feira, 16, após a revelação de que a situação da empresa voltou a preocupar a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) - órgão responsável por regular o setor.

Por volta das 11h30, os papéis ON e PN da companhia de telefonia caíam em torno de 12%, a R$ 1,04 e R$ 1,27. Veja nossa cobertura de mercados.

Segundo o Estadão, autoridades do governo Jair Bolsonaro foram avisadas esta semana de que a agência pode ser obrigada a intervir na empresa. Isto aconteceria caso o comando da companhia não consiga reverter os maus resultados.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Em recuperação judicial desde 2016, a Oi reportou um crescimento de 25,5% da dívida líquida no segundo trimestre de 2019. A cifra chegou a R$ 12,5 bilhões no período.

Nesta sexta-feira, o presidente da República defendeu um compromisso com contratos no País. "Nós vamos honrar contratos. Temos que honrar contratos senão o governo perde a credibilidade", declarou Bolsonaro ao ser perguntado se o governo iria intervir para cancelar a concessão da Oi.

Uma das alternativas do governo seria tirar da companhia a concessão que a permite oferecer telefonia fixa em todos os Estados do País, com exceção de São Paulo - processo chamado de "declaração de caducidade".

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DE OLHO NO CORONAVÍRUS

Índice do medo dos investidores se aproxima de patamares vistos durante auge da guerra comercial

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

primeira avaliação

Quão longe a XP pode ir? Para o BTG, ação da corretora já está bem precificada

BTG Pactual inicia cobertura das ações da corretora com recomendação neutra para os papéis.

DE OLHO NA REFORMA

Reforma administrativa quer acabar com promoções por tempo de serviço

O governo vai propor ainda a vedação das aposentadorias como forma de punição

gringo longe

Investimento estrangeiro em ações brasileiras fica negativo em US$ 4,7 bilhões em 2019

Para 2020, a projeção é de saldo positivo de US$ 5,0 bilhões, segundo dados do Banco Central

Uma longa estrada à frente

Credit Suisse vê potencial de alta de 32% para bancos e eleva recomendação de ações do Santander

Os analistas do banco suíço não temem aumento da competição no setor e possuem indicação equivalente a compra para as ações dos quatro grandes bancos

balanço do ano

Rombo das contas externas chega a US$ 50 bilhões; resultado de 2019 foi o pior em 4 anos

Ainda assim, o resultado não chega a preocupar os especialistas, já que o déficit foi largamente superado pela entrada de recursos via Investimentos Diretos no País

Cautela elevada

Mercados em alerta: tensão com o coronavírus faz o Ibovespa cair mais de 2,5% e leva o dólar a R$ 4,21

A disseminação do coronavírus eleva a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Todas as ações do índice operam em queda, em especial as ligadas ao setor de commodities, como Vale, Petrobras e siderúrgicas

proposta à mesa

Agora vai? JSL volta a avaliar IPO da Vamos

Empresa desistiu da oferta da Vamos em abril do ano passado após não ter demanda para faixa indicativa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements