Menu
2019-10-14T14:30:00-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Blusinhas em perigo

Com dívida milionária, Forever 21 está prestes a pedir recuperação judicial

Situação que é vista como alternativa para a empresa abandonar unidades não lucrativas e recapitalizar seu negócio

29 de agosto de 2019
15:44 - atualizado às 14:30
Forever 21
Forever 21 - Imagem: Shutterstock

Uma gigante do varejo de moda está a poucos passos de pedir recuperação judicial. De acordo com a agência Bloomberg, a Forever 21 vive uma situação financeira bastante delicada, com vendas em baixa e uma sequência de estratégias mal-sucedidas.

A diretoria tenta a todo custo evitar uma RJ, mas um pedido como esse ajudaria a empresa a abandonar unidades não lucrativas e recapitalizar seu negócio.

Recentemente a rede de lojas, famosa pelo atendimento ao público jovem, fez várias negociações para conseguir captar mais dinheiro no mercado e contratou consultores para reestruturar sua dívida. O resultado dessa investida, porém, ainda não rendeu frutos.

Fundada em 1984, a rede opera atualmente mais de 800 lojas espalhadas pelos Estados Unidos, Europa, Ásia e América Latina.

Um desafio chamado internet

Grande parte da pressão financeira que a Forever 21 está vivendo é reflexo do avanço da concorrência online. Os preços baixos praticados na internet e a facilidade em se comprar sem sair de casa atinge sobretudo a parcela mais jovem da população - justamente o público-alvo da rede de varejo.

Mas os problemas não são de hoje. Há alguns anos a empresa embarcou em uma estratégia de negócios baseada no lema "a dívida de hoje é o lucro de amanhã". Na prática, a companhia fez mais dívidas para conseguir uma rápida e grande expansão mundial, estratégia que inclusive abarcou as lojas abertas do Brasil a partir de 2017.

Ocorre que o pagamento dessa dívida era para ter ocorrido de forma muito mais rápida do que realmente foi. No meio do ano, o mercado estimava um débito de mais de US$ 500 milhões da Forever com um prazo de 3 anos de vencimento. Sem conseguir o retorno esperado em vendas com as novas lojas abertas, restou à diretoria a adoção de um plano de desinvestimentos e alongamento de dívida que, até agora, não obteve grandes resultados.

A crise não é só em casa

A Bloomberg também afirma que o problema financeiro da Forever não deve atingir apenas os negócios da varejista. Proprietários de shopping centers nos países em que a companhia atua correm o risco de verem mais uma grande rede abandonar seus estabelecimentos. Vale lembrar que o a Forever 21 é um dos maiores lojistas de shoppings ainda em pé após uma onda de falências no setor de varejo mundo afora.

Do outro lado da balança, críticos do modelo Forever dizem que a empresa deveria mudar seu atual modelo de baixo custo. O principal problema estaria justamente na qualidade das peças vendidas, já que concorrentes de peso vendem produtos melhores a preços semelhantes, ligeiramente acima dos da Forever.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

covid no brasil

Covid-19: Brasil tem 97.256 óbitos e 2,02 milhões de recuperados

Atualmente, 741.180 pacientes estão em acompanhamento

Resultados que mexem o mercado

Braskem, AES Tietê, SulAmérica: os balanços que vão movimentar o mercado nesta quinta

Resultados financeiros do primeiro trimestre afetam mercado em meio à pandemia

seu dinheiro na sua noite

O fim de um ciclo?

Após um ano de cortes sucessivos, o atual ciclo de queda da taxa básica de juros, a Selic, parece ter chegado ao fim nesta quarta-feira. No início da noite, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) anunciou a redução dos juros em 0,25 ponto percentual, para 2,00% ao ano, como já era esperado […]

Novo corte

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 2,00% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central cortou a Selic mais uma vez

Mínima histórica

Banco Central reduz Selic para 2% ao ano e sinaliza fim do ciclo de cortes de juros

Essa foi a nona (e última?) redução consecutiva no atual ciclo de queda da Selic, que começou em julho do ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements