Menu
2019-09-13T18:29:53-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Mercado de capitais

Fila de ofertas de ações na bolsa volta a andar após emissão da Trisul

Incorporadora reabre mercado de ofertas com captação de R$ 405 milhões. Banco Pan e Banrisul vêm na semana que vem e IPOs devem acontecer em outubro

13 de setembro de 2019
13:01 - atualizado às 18:29
Ilustração relaciona IPO a casamento
IPOs devem voltar à bolsa com Vivara, BMG, Iguá Saneamento e C&A Imagem: Pomb

A incorporadora Trisul reabriu a temporada de ofertas de ações na bolsa brasileira com uma captação de R$ 405 milhões fechada nesta quinta-feira. O sucesso da operação em meio ao ambiente ainda conturbado no exterior deve ajudar a fila de ofertas a andar por aqui.

Na semana que vem está prevista a conclusão das operações do Banco Pan e do Banrisul. Já outubro deve ser marcado pela volta dos IPOs (sigla em inglês para oferta pública inicial de ações).

O preço por ação da Trisul foi definido em R$ 10,00, com um desconto de 2,5% em relação ao fechamento dos papéis (TRIS3) na bolsa ontem. Além do lote principal, a empresa vendeu as ações do lote adicional previsto na oferta, um sinal de que a demanda dos investidores foi boa.

A oferta da incorporadora foi exclusivamente primária, ou seja, todo o dinheiro captado vai para o caixa da incorporadora, que pretende usar os recursos para investir em novos empreendimentos e na aquisição de terrenos.

No pregão de hoje, as ações da Trisul eram negociadas em alta de 0,97% por volta das 12h25, cotadas a R$ 10,36. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

Bancos na fila

Depois da incorporadora, dois bancos vão disputar as atenções (e o bolso) dos investidores. A oferta do Banco Pan pode movimentar até R$ 1,3 bilhão, mas parte desse dinheiro vai para a Caixa Econômica Federal, que vai aproveitar a disparada de 400% das ações só neste ano para vender parte de sua participação no banco, que também é controlado pelo BTG Pactual.

A oferta do Banrisul também será secundária, ou seja, haverá a venda de ações dos atuais acionistas – no caso, o Estado do Rio Grande do Sul. A operação pode render pouco mais de R$ 2 bilhões aos cofres do governo gaúcho, que vai se manter no controle do banco.

Tanto a oferta da Trisul como as do Banrisul e do Banco Pan são realizadas com a regra da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que dispensa o registro prévio na autarquia, desde que a emissão seja destinada a até 50 investidores e que possuam pelo menos R$ 10 milhões para investir.

IPOs chegando

Enquanto o ano foi profícuo para os chamados follow ons, que são as ofertas de ações de empresas já listadas na bolsa, as ofertas públicas iniciais (IPO, na sigla em inglês) patinaram.

Até o momento, apenas duas novas empresas estrearam na B3 neste ano: a rede de varejo de produtos esportivos Centauro e a holding de energia Neoenergia.

Mas aos poucos as empresas começam a tirar da gaveta os planos de lançar suas ações na bolsa. Quatro empresas entraram com pedido de registro na CVM para abrir o capital: a rede de joalherias Vivara, o Banco BMG, a companhia de saneamento Iguá e a varejista de moda C&A.

XP em Nova York?

A abertura de capital mais aguardada do ano, porém, deve acontecer fora do país. A XP Investimentos prepara a emissão de suas ações em Nova York, de olho nas avaliações mais generosas dos investidores gringos em empresas em fase de rápido crescimento.

Ontem, o site Brasil Journal informou que a avaliação da corretora no IPO, que deve acontecer no fim deste ano, pode chegar a R$ 60 bilhões.

Assim como outras empresas que optaram por abrir o capital em Nova York, a XP também se valer da possibilidade de emitir ações com "superpoderes", algo que não é permitido no Novo Mercado da B3, conforme me lembrou uma fonte.

No mercado, existe a expectativa de que a CVM flexibilize a regra que hoje impede empresas com operações majoritárias no país de listar recibos de ações (BDRs) na bolsa brasileira para possibilitar a negociação dos papéis da XP no país.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Após China divulgar contaminação

Brasil vai à OMC contra decisão das Filipinas de barrar importação de frango

Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que as Filipinas já haviam demonstrado preocupação em proteger seus produtores e que tomou a decisão sem ter provas de que houve contaminação.

O melhor do seu dinheiro

MAIS LIDAS: Cogna, o trade da moda, virou pó

Um trade da moda chamou a atenção recentemente: as opções de compra (call) de Cogna, a antiga Kroton. O papel atraiu diversas pessoas físicas e movimentou as discussões nas redes sociais. Para quem não está familiarizado com investimento em opções, basicamente a ideia neste caso era pagar um valor para ter o direito de compra […]

Popularidade em alta

Para 47%, Bolsonaro não tem nenhuma culpa por mortes relacionadas à Covid-19

Quase metade dos brasileiros, 47%, considera que o presidente Jair Bolsonaro não tem culpa pelos óbitos relacionados à Covid-19 no Brasil, segundo pesquisa Datafolha divulgada neste sábado, 15, pelo jornal Folha de S. Paulo. Os que acham que Bolsonaro tem responsabilidade somam 52%. A pesquisa foi feita por telefone com 2.065 brasileiros adultos que têm […]

Popularidade recorde

Eurasia aponta que chances de impeachment de Bolsonaro caem para 10%

Melhora na popularidade do presidente Jair Bolsonaro reduz as chances, que já eram remotas, de um impeachment, segundo avaliação da consultoria de risco político.

Contaminação

Setor vê jogada comercial da China em notícia sobre frango com Covid-19

Embora a China não deva anunciar embargo à carne do Brasil, a divulgação já prejudicou o produto nacional. Segundo fontes, podem haver motivos políticos e comerciais envolvidos.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements