Menu
2019-05-30T13:09:36-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Deixou de ser o mundo ideal

Mickey de malas prontas? Aprovação de lei antiaborto pode tirar produções da Disney (e de outras gigantes) da Geórgia

Para o CEO da Disney, Bob Iger, continuar no Estado da Geórgia será impraticável se a lei antiaborto entrar em vigor pois funcionários não querem permanecer trabalhando no local

30 de maio de 2019
12:59 - atualizado às 13:09
Mickey, Disney
Imagem: Shutterstock

As coisas podem ficar complicadas para o Estado americano da Georgia se os políticos locais decidirem seguir com a lei antiaborto assinada no início do mês. Após a Netflix anunciar que pode deixar o Estado, agora foi a vez do CEO da Disney, Bob Iger, dizer que seria muito difícil continuar utilizando o local para a produção dos seus filmes.

A lei, que deve entrar em vigor em janeiro, foi assinada no último dia 7por Brian Kemp, governador da Geórgia.  E, se passar por todas as fases legais, restringirá o acesso de mulheres ao aborto. O procedimento não será mais possível após a detecção de batidas cardíacas no feto, o que normalmente ocorre na 6ª semana de gestação, tempo inferior ao que muitas mulheres levam para descobrir a gravidez.

Para Iger, continuar no Estado após a aprovação da lei "seria impraticável". Em entrevista à Reuters, o CEO da Disney comentou que muitas das pessoas que hoje trabalham na produção dos filmes não querem continuar no Estado e já avisou: a companhia está estudando o assunto cuidadosamente.

Você pode não até não saber, mas são nos estúdios da Geórgia que a maior parte da magia hollywoodiana acontece.  Foi no Estado que a Disney filmou alguns dos seus mais recentes sucessos, como Pantera Negra e Vingadores: Ultimato.

A escolha de diversas produtoras pelo Estado não é só coincidência. A Geórgia oferece grandes desonerações tributárias aos estúdios, se tornando um dos oásis do entretenimento americano. E se só as declarações do Mickey já deveriam acender o sinal de alerta, a situação fica ainda pior para a indústria local. Outros atores e produtores já haviam indicado que deixariam o local se a lei realmente entrar em vigor.

A Netflix foi uma das gigantes que não se manteve calada e foi uma das primeiras a se pronunciar.  Na terça-feira (28), o serviço de streaming, que tem investido pesado no desenvolvimento de conteúdo original, disse que repensaria sua atuação na Geórgia após a decisão. Enquanto se junta à luta contra a lei na corte americana, a empresa segue com a sua produção normalmente e aguarda a manifestação do restante dos grandes estúdios.

A debandada dos estúdios pode causar muito estrago. Segundo a Motion Picture Association of America (MPAA), associação que representa os 5 principais estúdios cinematográficos de Hollywood,  455 produções foram filmadas no Estado em 2018 e mais de 92 mil empregos estão diretamente ligados ao entretenimento, movimentando uma indústria bilionária.

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Alguém anotou a placa?

Coronavírus derrubou quase tudo em fevereiro; só o dólar e uma parte da renda fixa se salvaram

Entre mortos e feridos, salvaram-se poucos; dólar disparou, bolsa desabou, e até alguns títulos de renda fixa tiveram desempenho negativo no mês.

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil aprova pagamento de R$ 517,4 milhões em juros sobre capital próprio

Total a ser pago, relativo ao primeiro trimestre de 2020, equivale a R$ 0,1814 por ação

Seu Dinheiro na sua noite

O que nós fizemos depois da queda da bolsa

Eu sei que assistir de braços cruzados à forte queda das ações em meio à completa falta de clareza sobre os impactos do coronavírus nos investimentos é difícil. Mas foi exatamente o que nós aqui do Seu Dinheiro fizemos. Bem, não ficamos exatamente de braços cruzados. Acompanhamos de perto todos os desdobramentos deste momento delicado […]

Perdas generalizadas

Coronavírus derruba o mercado e faz o Ibovespa cair 8,43% em fevereiro, o pior mês desde maio de 2018

O coronavírus se espalhou pelo mundo e trouxe uma enorme onda de aversão ao risco às bolsas. Como resultado, o Ibovespa desabou em fevereiro e o dólar à vista renovou as máximas, flertando com o nível de R$ 4,50

Pensando nas taxas

Goldman Sachs prevê 3 cortes de juros pelo Fed até junho com coronavírus

Primeira redução seria de 0,25 ponto já na reunião do próximo do comitê, marcada para os dias 17 e 18 de março

Polêmica em Brasília

Presidente do Senado convoca sessão para votar vetos do Orçamento impositivo

Projeto obriga o governo a pagar todas as emendas parlamentares neste ano

BC dos EUA

FED: fundamentos da economia continuam sólidos, mas coronavírus representa risco

Declaração foi dada pelo presidente do FED, Jerome Powell, em comunicado divulgado nesta sexta-feira

REAL DESVALORIZADO

Real está no topo da lista das moedas de emergentes com maior queda desde janeiro

Segundo o levantamento, o real está atrás até mesmo de moedas como o Rand Sul-africano (ZAR) e o peso colombiano (COP). Mas o movimento de depreciação de moedas emergentes em relação ao dólar não é único no Brasil

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Como navegar as águas turbulentas do mercado?

O surto de coronavírus pegou os mercados em cheio, provocando enormes perdas ao Ibovespa e fazendo o dólar disparar rumo a novas máximas. Nesse cenário, nossos repórteres discutem como se comportar em meio ao tsunami de notícias negativas e proteger seus investimentos. Confira os destaques da semana: O coronavírus chegou com tudo aos mercados Dólar […]

Militares nas ruas

Governo federal confirma prorrogação de GLO no Ceará até dia 6 de março

Prazo original também tinha duração de uma semana e venceria nesta sexta-feira, 28

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements