Menu
2019-12-02T18:02:28-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
bolsonaro muy amigo, pero no much

Trump vira metralhadora política contra o Brasil

Decisão do presidente de taxar aço do Brasil e da Argentina carece de fundamentação técnica. Ministérios dizem governo trabalhará para defender interesse comercial brasileiro e assegurar a fluidez do comércio com os EUA

2 de dezembro de 2019
14:25 - atualizado às 18:02
O presidente dos EUA Donald Trump
O presidente americano Donald Trump - Imagem: Shutterstock

Um giro pelo noticiário local e internacional sobre a decisão do presidente americano Donald Trump de taxar o aço e alumínio vendido aos EUA pelo Brasil e Argentina mostra uma avaliação quase consensual: A decisão está na seara política e longe de qualquer razão econômica.

A maioria das notícias e análises relaciona a ação de Trump à falta de progresso nas negociações com a China. Os chineses querem redução de tarifas e isso estaria travando as negociações da fase 1 do pretendido acordo. O efeito calendário também é levado em consideração, já que em 15 de dezembro nova alíquota de 15% sobre produtos chineses entra em vigor.

Junto disso, o presidente tenta falar com parte do seu eleitorado, os fazendeiros, que estão bastante endividados. Além de estar perdendo parte de sua popularidade em meio às audiências de um processo de impeachment.

No lado dos dados, comparar Brasil e Argentina não faz sentido. O real perde pouco mais de 8% ante do dólar no acumulado do ano, enquanto o peso argentino desabou quase 40%. E as razões para essas movimentações são bastante distintas. Sem falar que o BC tem atuado, nas últimas semanas, para conter o ritmo de desvalorização.

Além disso, os dados oficiais sobre as exportações brasileiras de semimanufaturados de ferro e aço mostra redução de 16% no acumulado de janeiro a outubro deste ano com igual período do ano passado. Em relação a participação do total exportado, esses produtos caíram de 11,34% para 9,31%.

Munição

Por aqui, o presidente Jair Bolsonaro sabe bem o que a decisão de Trump significa: munição para a oposição, ainda mais se colocada em perspectiva a aproximação e admiração declarada ao governo americano.

Bolsonaro também disse em entrevista à “Rádio Itatiaia”, que "tem quase certeza" de que Trump, vai atendê-lo e voltar a atrás na decisão sobre as tarifas.

Com bem resumiu o cientista político e sócio da Arko Advice, Lucas de Aragão, em seu “Twitter”: “A lição de tudo isso é: money talks. Amizades e inimizades geram oportunidades e riscos, mas na realidade cada um defende o seu, luta pelo seu lado, olha para a sua balança e sofre - e reage - às pressões que sofre.”

Perplexidade

Em nota, o Instituto Aço Brasil disse receber "com perplexidade" a decisão de Trump. "O Instituto Aço Brasil reforça que o câmbio no país é livre, não havendo por parte do governo qualquer iniciativa no sentido de desvalorizar artificialmente o real e a decisão de taxar o aço brasileiro como forma de 'compensar' o agricultor americano é uma retaliação ao Brasil, que não condiz com as relações de parceria entre os dois países. Por último, tal decisão acaba por prejudicar a própria indústria produtora de aço americana, que necessita dos semiacabados exportados pelo Brasil para poder operar as suas usinas."

Resposta oficial

Por volta das 15 horas, os Ministérios da Economia, Agricultura e Relações Exteriores divulgaram nota conjunta afirmando que o governo já está em contato com interlocutores em Washington sobre o tema. "O governo trabalhará para defender o interesse comercial brasileiro e assegurar a fluidez do comércio com os EUA, com vistas a ampliar o intercâmbio comercial e aprofundar o relacionamento bilateral, em benefício de ambos os países."

Em tempo. A decisão de Trump sobre taxar Brasil e Argentina ainda não foi formalizada pelo Departamento de Comércio.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Reverteu prejuízo

Vale termina 2020 com lucro de US$ 4,9 bilhões e aprova dividendos

Mineradora conseguiu reverter prejuízo do ano anterior e aprovou distribuição de dividendos, mas lucro trimestral veio abaixo do esperado pelo mercado

Risco fiscal

Efeito de fatiamento da PEC emergencial seria extremamente perverso, diz secretário do Tesouro

“Se for fatiado será pior para todos. Queremos dar o auxílio aos vulneráveis, mas também precisamos de um ambiente fiscalmente organizado para que a economia melhore”, disse Bruno Funchal

Nível pré-pandemia

Governo Central tem superávit de R$ 43,219 bilhões em janeiro

Após 11 meses consecutivos de rombos causados pelos gastos de enfrentamento à pandemia, contas do Governo Central voltam a ter superávit

Pagamentos e maquininhas

Lucro do PagSeguro soma R$ 430 mi no trimestre, maior da história da companhia

Entretanto, companhia com ações negociadas na Nasdaq teve queda no lucro em 2020

o melhor do seu dinheiro

Lá vem o Leão de novo…

Estamos naquela época do ano de novo: temporada de prestação de contas ao Leão! A Receita Federal acaba de divulgar as regras de preenchimento da declaração de imposto de renda 2021, que neste ano deverá ser entregue entre 1º de março e 30 de abril. Parece que foi ontem que estávamos fazendo o exercício cívico […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies