Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-12T08:35:20-03:00
Estadão Conteúdo
fala trump

Trump diz que EUA estão vencendo batalhas e defende uso de tarifas

A uma plateia de agricultores em uma fábrica em Iowa, presidente dos EUA disse que as tarifas aplicadas a produtos chineses “estão trazendo bilhões para o nosso país” e sem efeito nos dados de inflação

12 de junho de 2019
6:34 - atualizado às 8:35
Donald Trump
Imagem: Shutterstock

Em discurso marcado por críticas ao democratas, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira que está vencendo as batalhas comerciais que seu governo começou para apoiar os agricultores americanos e ressaltou que as tarifas aplicadas a produtos chineses "estão trazendo bilhões para o nosso país" e sem efeito nos dados de inflação. Os comentários de Trump foram feitos a uma plateia de agricultores em uma fábrica em Council Bluffs, Iowa.

De acordo com Trump, a população americana precisa pressionar tanto os democratas quanto a presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi (Califórnia), pela aprovação do Acordo EUA-México-Canadá (USMCA, na sigla em inglês). O republicano afirmou que o pacto comercial é muito mais justo para os agricultores e, por isso, precisa ser aprovado pelo Congresso. Além disso, Trump comentou que, "depois do que aconteceu com o México, eles irão comprar muito mais de nós", referindo-se à ameaça de tarifar produtos do país vizinho para forçar uma ação mexicana na fronteira entre os dois países.

Trump disse que seu governo também fez com que produtos agrícolas americanos fossem procurados novamente. Ele lembrou a abertura de mercados na Argentina e no Paraguai para alguns produtos e apontou que a União Europeia aumentou as compras de soja americana. Para ele, as questões comerciais entre os EUA e os europeus devem ser resolvidas "muito facilmente". Além disso, Trump afirmou que o Japão garantiu a ele que comprará "ainda mais" produtos agrícolas americanos.

Em seu discurso, Trump elegeu o ex-vice-presidente dos EUA Joe Biden como seu principal alvo. Biden, que é pré-candidato democrata às eleições presidenciais americanas de 2020, lidera a corrida pelo partido, seguido pelo senador independente Bernie Sanders (Vermont). De acordo com Trump, sob o comando de Biden, os agricultores americanos não seriam respeitados "porque as pessoas não o respeitam. Isso me lembra muito o que aconteceu com a Crooked Hillary [Clinton, candidata democrata derrotada em 2016]".

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Juros em alta

Rumo aos 6% + IPCA? Taxas do Tesouro Direto sobem forte após Copom, e títulos atrelados à inflação já pagam mais de 5,5% a.a. de juro real

Com alta da Selic para 7,75%, juros futuros dispararam nesta quinta, fazendo taxas do Tesouro Direto subirem ainda mais

De olho na estatal

Após novas falas de Bolsonaro sobre privatização, CVM vai investigar a Petrobras (PETR4)

A autarquia abre processo administrativos quando entende que precisa acompanhar os desdobramentos de algum assunto

ENRIQUEÇA ATÉ 2024

‘Investir muito em Bitcoin é coisa de imbecil’: estes 14 investimentos já dispararam até 1300% e têm potencial para te deixar rico

Apesar do hype das criptomoedas, existem outras ‘pechinchas exponenciais’ que estão fora do radar de muitos investidores; conheça

Um brinde

A Ambev (ABEV3) nunca vendeu tanta cerveja como no 3º trimestre. E as ações disparam na bolsa

A gigante de bebidas registrou lucro líquido de R$ 3,6 bilhões no terceiro trimestre, alta de 50% e acima do esperado pelo mercado. Hora de comprar a ação?

MERCADOS HOJE

Entre balanços positivos e nova elevação da Selic, Ibovespa opera em queda; dólar avança

Após a decisão do Copom de elevar em 1,5 ponto percentual a Selic, o mercado já espera mais para a próxima reunião. O impasse em Brasília pressiona ainda mais a curva de juros e já precifica uma alta de 1,75 p.p no próximo encontro.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies