2019-03-25T08:18:31-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Novidades nos EUA

Não há evidências suficientes para provar o conluio entre a campanha de Donald Trump e a Rússia, destaca carta

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, informou agora à tarde (24) às autoridades americanas uma parte do conteúdo do relatório do conselheiro especial do DoJ, Robert Mueller

24 de março de 2019
16:58 - atualizado às 8:18
O presidente americano Donald Trump - Imagem: Shutterstock

Depois de muito suspense sobre o tema, o procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, informou agora à tarde (24) que não há evidências suficientes para provar o conluio entre a campanha de Donald Trump e o governo russo. As informações são da CNN.

A carta de Barr torna pública a conclusão do relatório de Robert Mueller, conselheiro especial do Departamento de Justiça (DoJ), responsável pelas investigações.

No documento, o procurador ressalta que não há evidências suficientes para provar o crime de obstrução de justiça de Trump, de forma ilegal.  Mas aponta que "apesar de o relatório não poder concluir que o presidente cometeu um crime, isso não o isenta", destacou Barr.

O documento não foi divulgado na íntegra, mas o procurador afirmou hoje que pretende divulgar mais partes de seu conteúdo.

As conclusões estavam sendo esperadas pelos analistas do mercado por conta de possíveis impactos nas bolsas americanas. A expectativa dos especialistas era que os ativos iriam reagir com grande volatilidade nos próximos dias.

Reação da Casa Branca

Após a divulgação da carta, a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, se manifestou e disse que o resultado das investigações do DoJ "isentam de forma total e completa o presidente dos Estados Unidos".

As investigações

Depois de quase dois anos, o procurador especial, Robert Mueller, entregou nesta sexta-feira (22/03) o relatório final das investigações sobre a suposta interferência nas eleições presidenciais de 2016.

Mueller investigava os supostos laços entre a Rússia e a equipe de campanha do então candidato pelo Partido Republicano e agora presidente dos EUA, Donald Trump, avaliando inclusive a possibilidade de que o mandatário possa ter obstruído a Justiça, desde maio de 2017. Até agora, o procurador especial acusou 34 pessoas, entre elas seis ex-assessores do governante.

*Mais informações em breve

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) cai hoje, mas projeções para mercado de criptomoedas permanecem otimistas, segundo analistas; Cardano (ADA) dispara mais de 8%

Qualquer gatilho neste momento pode desencadear uma alta de preços e um novo bull market das criptomoedas

EXILE ON WALL STREET

Você quer ser reconhecido ou quer ganhar dinheiro? Entenda por que estar na moda nem sempre significa lucrar

O objetivo do investidor não deveria ser estar na moda nem ser reconhecido em conversas pseudointeligentes, uma vez que os ciclos não necessariamente se repetem à frente

Insights para lucrar

VOTAÇÃO: Qual o investimento mais atrativo para o seu patrimônio em 2022?

Seu Dinheiro abre espaço de diálogo entre investidores para cada um saber o que o outro pensa sobre bolsa, criptomoedas, renda fixa e muito mais; vote

BRASILEIRO NÃO DESISTE NUNCA

Longe do fim: Aliansce Sonae (ALSO3) avisa que vai insistir na fusão com a brMalls (BRML3)

Negócio bilionário entre as gigantes rivais daria origem à maior administradora de shoppings da América Latina

TRÉGUA CLIMÁTICA

Depois da Usiminas, Vale anuncia retomada gradual das atividades após chuvas devastadoras em MG

Retorno parcial das operações coincide com trégua nos temporais que deixaram dezenas de mortos e milhares de desabrigados no Estado