Menu
2019-10-07T08:11:25-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

China faz jogo duro e guerra comercial persiste

China reduz lista de tópicos a serem discutidos durante encontro em Washington sobre guerra comercial e diminui chances de acordo

7 de outubro de 2019
5:36 - atualizado às 8:11
jogoduro
China faz jogo duro em meio a dados fracos de atividade nos EUA e impeachment contra Trump

Apesar de os dados sobre o emprego nos Estados Unidos (payroll), divulgados na última sexta-feira, terem diminuído os receios de uma recessão na maior economia do mundo, o principal risco à atividade global persiste. E o revés na guerra comercial às vésperas de mais uma rodada de negociações em Washington atinge o mercado financeiro hoje.

Autoridades chinesas reduziram significativamente a lista de questões a serem discutidas em Washington esta semana, diminuindo as esperanças de um acordo. Segundo o líder da delegação comercial, Liu He, a China não irá se comprometer com a reforma de políticas industriais nem subsídios do governo - as duas principais queixas do governo Trump.

Não se trata, necessariamente, de uma novidade. Há algum tempo, Pequim vem mostrando relutância em discutir pontos mais sensíveis e que vão além da simples disputa tarifária e do desequilíbrio na balança comercial entre os dois países. Com isso, o otimismo que havia em relação a um acordo amplo estava mal colocado, com o mercado acreditando que a China se curvaria a potências estrangeiras.

Ao que tudo indica, a China quer limitar o acordo apenas à questão comercial - algo que Washington não quer. O governo chinês parece estar fazendo jogo duro à medida que o presidente norte-americano, Donald Trump, é envolvido em um processo de impeachment e os dados econômicos dos EUA mostram enfraquecimento da atividade.

Com isso, os riscos de uma nova escalada da tensão comercial são crescentes. Aliás, é bom lembrar que o que se viu até agora foi uma piora nas relações sino-americanas. E, se não houver progresso nas tratativas nesta semana, um novo aumento de tarifas dos EUA contra produtos chineses é esperado a partir do dia 15 deste mês.

Exterior no vermelho

Em reação, os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram no vermelho, contaminando a abertura do pregão na Europa, após uma sessão ainda esvaziada na Ásia, com a Bolsa de Xangai voltando a funcionar apenas amanhã. Hong Kong também não abriu hoje. Entre as praças que abriram, prevaleceu o sinal negativo, com Tóquio caindo 0,2%.

A dúvida entre os investidores, no momento, é se o mundo entrou em rota de desaceleração ou se pode mesmo cair em recessão. E a resposta a essa questão terá grandes implicações nos mercados. Mas ainda pode levar algum tempo para responder a essa questão com convicção, elevando o vaivém nos negócios globais.

Ao que tudo indica, a perda de tração da atividade por causa da guerra comercial começa a se espalhar, causando maiores estragos - inclusive na maior economia do mundo. Por isso, seria importante um avanço nas negociações entre EUA e China nesta semana em Washington.

Mas as esperanças de uma potencial trégua perderam força, o que eleva a cautela nos negócios. Com isso, o dólar volta a se recuperar em relação às moedas rivais, ao passo que o juro projetado pelo título norte-americano mede as chances de o Federal Reserve esticar o afrouxamento monetário até onde der. Já o petróleo ensaia ganhos.

China volta do feriado

A longa pausa de uma semana na China termina hoje. Com isso, no fim do dia - manhã de terça-feira por lá - sai o índice dos gerentes de compras (PMI) no setor de serviços do país em setembro, medido pelo Caixin. Mas a agenda econômica no exterior está mais fraca, trazendo hoje apenas o crédito ao consumidor nos EUA (16h).

Também merece atenção as breves observações do presidente do Fed, Jerome Powell, durante exibição de um filme na Universidade de Utah. No Brasil, a semana começa com as tradicionais publicações domésticas do dia, a saber, o relatório de mercado Focus (8h25), divulgado pelo Banco Central, e os dados semanais da balança comercial (15h).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

diluição?

Notre Dame Intermédica avalia oferta de ações

Operadora de saúde verticalizada pode levantar R$ 2 bilhões com operação, segundo agência de notícias

MERCADOS HOJE

Ibovespa segue clima ameno no exterior e abre o dia em alta; dólar sobe após IGP-M

O cenário de cautela e otimismo se chocam no exterior. De um lado, a China parece se recuperar do coronavírus, de outro, a pandemia ainda parece longe de um fim. Com feriado nos Estados Unidos, liquidez deve seguir baixa

ainda ruim

Taxa de desemprego bate novo recorde no 3º trimestre

Desocupação sobe para 14,6% no trimestre encerrado em setembro, mas fica abaixo da mediana de estimativas

Nova tendência?

‘Efeito Grupo Mateus’ faz bancos de investimento colocarem o pé na estrada

Essa ida ao interior do Brasil deve trazer não só empresas grandes como o Mateus, mas empresas menores, que podem ser beneficiadas com uma nova abertura do mercado brasileiro para ofertas desse tipo

tá barato?

Fleury anuncia programa de recompra de até 3 milhões de ações

Recompra de ações é uma tática frequentemente utilizada por gestões que acreditam que os seus papéis estão valendo menos do que realmente deveriam

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies