Menu
2019-12-05T17:02:51-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Gestoras

Dólar a R$ 4 ou R$ 4,50 pode impedir um rali na Bovespa?

Para gestora Persevera não haverá mais o “kit Brasil”, ou seja, os ativos brasileiros não necessariamente andarão todos na mesma direção

5 de dezembro de 2019
15:42 - atualizado às 17:02
dólar
Imagem: Shutterstock

Respondendo objetivamente ao questionamento do título, a resposta é não. Quem nos diz é a equipe da Persevera Asset, que se dedica a avaliar a ainda pouco compreendida nova relação do dólar com os demais ativos brasileiros na sua carta de gestão.

Para a Persevera, a trajetória do câmbio no Brasil não está mais tão relacionada ao desempenho dos demais investimentos. Essa visão estrutural da gestora não é nova, pois em julho ela já falava de um “novo normal” no mercado de câmbio e na carta de agosto tratou de um cenário de dólar de R$ 4 com Selic de 4%, que nos arrancaria da letargia econômica. Não por acaso, o título da carta de setembro é “O ministro Guedes tem razão”.

Segundo a gestora, Guedes apenas destacou algo que está correto: que com a queda da inflação e dos juros para patamares mais civilizados no Brasil é normal esperar que o câmbio brasileiro se situe mais próximo a R$ 4 do que a R$ 3 ou R$ 2,50, como há alguns anos.

Kit Brasil

Depois de avaliar a menor relevância da relação risco-país com o dólar, e fazer um modelo considerando não só o risco-país, mas também o diferencial de juros, o diferencial de crescimento e o preço do petróleo, a Persevera nos diz que o desempenho negativo do câmbio em relação aos demais ativos brasileiros poderá continuar.

“Essa análise nos leva a concluir que os ativos brasileiros podem apresentar bom desempenho ao mesmo tempo em que o real se mantém mais desvalorizado, entre R$ 4 e R$ 4,50. Em especial, acreditamos que o Ibovespa pode, sim, apresentar expressiva valorização mesmo num ambiente no qual o real permaneça mais desvalorizado”, diz a gestora.

Segundo a Persevera, esse é mais um aspecto da normalização econômica pela qual passa o Brasil.  Assim, não haverá mais o “kit Brasil”, ou seja, os ativos brasileiros não necessariamente andarão todos na mesma direção.

“A correlação entre o câmbio e a bolsa e o câmbio e os juros tenderá a ficar menor, e, portanto, o câmbio desvalorizado não necessariamente estará relacionado a um mau desempenho da bolsa ou dos juros. Essa é uma realidade nova que ainda gera polêmica e ceticismo, mas temos bastante convicção de que o Brasil está seguindo essa rota de normalização.”

Na renda fixa, a gestora avalia que a recessão de balanços (famílias e empresas ainda ajustando contas, por assim dizer) limita o efeito do câmbio sobre a taxa de inflação, permitindo a continuidade do processo de queda de juros apesar da moeda depreciada.

Para o mercado de ações, a avaliação é de que a recuperação de margens das empresas num ambiente de recuperação lenta, mas contínua da atividade econômica, e custo financeiro reduzido permitirá um crescimento robusto dos lucros.

“Esse crescimento, combinado com uma continuação da expansão dos múltiplos do mercado para refletir a melhora macroeconômica vivida pelo Brasil desde 2016, culminarão em excelentes resultados para os investidores em ações.”

Estrangeiros

A Persevera também faz uma análise sobre a relação entre o fluxo de investidores estrangeiros e o retorno do Ibovespa ano a ano.

Embora haja uma relação entre as variáveis, há períodos em que apesar do fluxo de estrangeiros, o Ibovespa apresenta má performance (2011 a 2015) e períodos, como 2018-2019, em que o Ibovespa tem bom desempenho apesar da saída de investidores estrangeiros.

A conclusão é que os investidores estrangeiros perderam boa parte do primeiro movimento de alta da bolsa, de 165% desde 2016, e a impressão é de que perderão esse segundo movimento nos próximos 2 anos.

Em tempo, o Persevera Compass FIC FIM fechou novembro com baixa de 0,69%, e acumula alta de 7,96% no ano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

CORONAVÍRUS

EUA pedem que Congresso autorize gasto de US$ 2,5 bilhões para conter coronavírus

Os Estados Unidos confirmaram 14 casos de infecção pelo coronavírus em sete Estados diferentes, mas não relataram mortes

ENERGIA

País tem ‘folga’ de energia pelo menos até 2024

“Temos uma folga estrutural, pois tivemos um aumento de capacidade instalada sem a contrapartida de aumento de consumo”, diz Cristopher Vlavianos

ESTÍMULO PARA AS EMPRESAS

China anuncia medidas para ampliar crédito a empresas atingidas pelo coronavírus

Em reunião presidida pelo primeiro-ministro Li Keqiang, o conselho disse que aumentará em 500 bilhões de yuans (US$ 71,2 bilhões) a cota de refinanciamento para empréstimos de bancos a pequenas empresas e fazendeiros

EM BUSCA DE PROTEÇÃO

Temor global com coronavírus faz ouro alcançar maior cotação desde 2013

Apenas neste ano, o ETF acumula alta de 8,25%. A razão para a valorização é uma só: ele é considerado porto seguro de quem investe quando o cenário externo parece mais incerto

JUROS

Crescem apostas do mercado de que FED pode cortar juros nas próximas reuniões

Dados do CME Group mostram que os investidores enxergam 18,8% de chance de um novo corte de juros de 0,25 ponto porcentual na reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) de março

CRIPTOMOEDAS

Buffett volta a dizer que “criptomoedas não têm valor e que nunca terá uma”

Apesar de não gostar muito das moedas digitais, o bitcoin não vem fazendo feio. Nos últimos 12 meses, a criptomoeda acumula valorização de 191,50%

SELEÇÃO DE NOTÍCIAS

No radar: Mercados com os nervos à flor da pele

Olá! Os mercados brasileiros continuam fechados nesta terça-feira (25), por causa do Carnaval. O timing dessa parada foi oportuno, já que, lá fora, o clima é de enorme tensão entre os investidores. O aumento súbito nos casos de coronavírus fora da China fez as bolsas globais despencarem na segunda-feira (24). E, hoje, a situação não […]

DE OLHO NA TECNOLOGIA

BC quer criação de fundo para projetos de tecnologia

Os recursos virão de valores pagos pelos bancos ao BC, para uso de sistemas tecnológicos

AS DICAS DO GURU

Coronavírus é ‘assustador’, mas não é hora de vender ações, para Warren Buffett

“Compramos ações para ficar por 20, 30 anos e achamos que o cenário para 20, 30 anos não mudou pelo coronavírus.”

AÇÕES

ADRs do Brasil fecham em forte queda em NY; Vale cai 7,5% e Petrobras recua 6,7%

Os grandes bancos também amargaram perdas importantes em Nova York, embora menores que Petrobras e Vale

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements