Menu
2019-07-26T10:29:18+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Entrevista

Dólar mais estável faz parte do ‘novo normal’ do Brasil, diz Persevera Asset

Juros baixos e inflação controlada desenham um período de estabilidade cambial, com impacto positivo no ambiente econômico

26 de julho de 2019
5:26 - atualizado às 10:29
Persevera Asset Nicolas Saad
Para Nicolas Saad, gestor da Persevera, dinâmica de juro e inflação baixas vieram para ficar e isso vai se refletir em fluxos mais estáveis de dólar - Imagem: Assessoria

O real não é mais o mesmo de antigamente. Ao ler essa avaliação na carta de gestão da Persevera Asset Management, seguida da estimativa de um período de surpreendente estabilidade cambial, resolvi procurar a gestora para entender melhor do que se tratava.

Quem explicou a visão da casa foi o gestor de juros e moeda da Persevera, Nicolas Saad. A questão passa pela agenda de reformas, taxa de juros e mudança no tipo de dólares que atraímos para o país.

O juro alto sempre foi um vetor de atração de capital ao Brasil, que vinha atrás das operações de carry trade, que consistem em pegar dinheiro barato no mercado externo, trazer para o Brasil e ganhar o diferencial de juro.

Mas Saad explica que existe uma fragilidade nessa estrutura na qual o fluxo de dólares é atraído pelo juro, valorizando a taxa de câmbio e trazendo uma sensação temporária de bem-estar, tanto pela inflação baixa como na relativa melhora de poder de compra.

“Por outro lado, ficamos muito sujeitos à mudança de percepção desses investidores. Qualquer situação de risco, seja por cenário externo ou crise doméstica, esses investidores se assustam e vemos uma corrida para saída”, explica.

Usando um termo da casa, o carry trade, que sempre foi regra por aqui, “plantava as sementes” de uma forte desvalorização posterior do real.

Exemplo da volatilidade que não devemos mais ver: a nossa crise política e econômica de 2015 resultou em uma valorização de 49% do dólar, algo não visto desde 2002. Já em 2016, com alguma melhora e manutenção de juros alto, o dólar caiu 18%.

Nova dinâmica

A visão da Persevera é que a nova dinâmica de inflação e juro baixo é algo que veio para ficar. A reforma da Previdência desenha uma nova dinâmica para o endividamento público e outros pontos da agenda de reformas apontam para um menor juro real (juro nominal descontado da inflação).

Quanto menor o juro real por aqui, em comparação com os mercados internacionais, menor o incentivo para o ingresso de capital especulativo ou “smart money/hot money”.

“Juro real mais baixo canaliza fluxo de investimento externo mais estrutural, como investimento direto e renda variável. Não vai ser um fluxo que vai se reverter no primeiro sinal de aversão ao risco”, explica Saad.

De fato, esse é um movimento que estamos observando faz algum tempo por aqui. Mesmo em períodos de acentuada crise, matemos um patamar robusto de Investimento Direto do País (IDP) na faixa de 4% a 5% do PIB.

Ilustra também essa dinâmica, a constatação do Instituto Internacional de Finanças (IIF), de que o Brasil tem sido o emergente com maior capacidade de atração de IDP, mas ocupa a última colocação entre aqueles que recebem o “hot money”.

Nossos dados de fluxo cambial também contam um pouco dessa história. Nos últimos 12 meses até junho, a saída líquida de dólar foi de US$ 28,643 bilhões, a maior desde em 1999. Aqui também entra a dinâmica de troca de dívidas externas por internas, que já comentamos outras vezes (links abaixo).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O que esperar?

Saad explica que maior estabilidade cambial melhora o ambiente econômico, pois ajuda no planejamento dos agentes. É algo que sempre ouvi na cobertura das notícias no mercado de câmbio, que o nível de taxa não importa tanto quanto a sua previsibilidade.

Estabilidade cambial também não significa que o dólar não vai mais flutuar. Mas para dar um parâmetro ao leitor, a Persevera avalia que é possível que a taxa de câmbio não caia abaixo de R$ 3,50 nem rompa os R$ 4,50 ao longo dos próximos anos.

Saad não descarta melhoras adicionais no câmbio em 2019. Mas o ponto principal é que a Persevera não acredita mais em movimentos muitos fortes que sejam determinados pelo diferencial de taxa de juros.

Visão geral e posições

Ampliando um pouco o assunto da conversa, Saad avalia que estamos passando por um prolongado processo de desalavancagem. O mundo largou na frente e estamos vivendo esse processo de redução de endividamento de empresas e famílias com certo atraso em função da política econômica focada em estímulos fiscais que tivemos até 2016. O Brasil em desalavancagem é um país deflacionário.

No cenário doméstico, especificamente, Saad avalia que ainda não digerimos por completo o processo de redução do endividamento das famílias. A melhora que temos é algo superficial, pois o desemprego segue elevado, não há demanda firme por crédito e a retomada da atividade segue decepcionando.

Por isso, a casa está posicionada, faz algum tempo, para uma retomada no ciclo de corte de juros. A dúvida é quanto à extensão e profundidade do afrouxamento adicional, assunto que tem dominado as discussões no mercado, onde há apostas de Selic abaixo de 5%.

A visão da Persevera é construtiva com relação à bolsa, apesar da avaliação mais cautelosa com relação à atividade. Saad explica que a crise levou as empresas listadas a um processo de ganho de eficiência, que impacta nas margens de lucros. Além disso, a queda dos juros reduz gastos financeiros.

“O cenário seria melhor em um ambiente de retomada forte. Mas mesmo com retomada gradual, essa melhora de margens vai se materializar de forma importante”

Sobre a casa

A Persevera foi fundada em 2018, explica Saad, juntando profissionais de larga experiência do mercado, sendo que vários já trabalharam juntos em outros bancos e assets. A casa é capitaneada por Guilherme Abbud, que já passou pela Bradesco Asset Management e conduziu o processo de integração com o HSBC.

O produto da casa é um fundo multimercado, o Persevera Compass FIC FIM, com patrimônio de R$ 85 milhões e valorização acumulada de 6,29% no ano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements