Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-12-04T17:15:00-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Credit Suisse trabalha com dólar entre R$ 4,18 e R$ 4,35 em 2020

Banco apresentou as perspectivas para o mercado de câmbio em 2020 e dólar não estaria tão caro assim por aqui

4 de dezembro de 2019
14:05 - atualizado às 17:15
Real e Dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os analistas do Credit Suisse apresentam um longo relatório sobre as perspectivas para o mercado mundial de câmbio para 2020. Na parte dedicado ao dólar contra o real, a avaliação é de que a cotação deve oscilar entre R$ 4,18 e R$ 4,35.

Segundo o banco, apesar dos recordes nominais na cotação dólar, acima da linha de R$ 4,20, a moeda americana não estaria tão cara assim (ou a moeda brasileira tão barata). Avaliando a taxa real efetiva de câmbio (Reer, em inglês), medida que compara o real com pares comerciais, a moeda está no meio de um range de 20 anos que indica sobre ou sub valorização (veja imagem abaixo)

Além disso, diz o CS os elementos tradicionais para se dizer que a moeda está subvalorizada não estão presentes, como superávit em conta corrente e baixo desemprego.

Segundo o banco, o comportando do risco-país, medido pelo CDS, já dá ao Brasil a classificação de grau de investimento, o que torna a moeda vulnerável a ruídos políticos.

O CS também confirma algo que é lugar comum por aqui. Com a queda de Selic e a forte redução, ou mesmo fim, das operações de arbitragem de juros, o real virou um “hedge” relativamente barato para se proteger de oscilações em outros mercados brasileiros. “Isso não deve mudar no curto prazo”, diz o CS.

Por ora, explica o banco, a recente alta nas expectativas de inflação é muito pequena para indicar qualquer mudança na relação de “carry” (arbitragem) da moeda. Se o crescimento surpreender muito para cima é possível que essa percepção mude.

Na avaliação mais ampla sobre moedas emergentes, o banco prefere exposição a países que tenham juros mais elevados, estabilidade no balanço de pagamentos e nos quais os riscos políticos estejam embutidos no preço ou recuando. Se encaixam nesses quesitos, o rublo russo e a lira turca. Nenhuma moeda da América Latina se qualifica.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: exterior mantém fôlego mesmo com ‘Super Quarta’ e bolsa brasileira deve ficar de olho em precatórios e reforma do Imposto de Renda

A divulgação da política monetária do BC americano deve movimentar os negócios, enquanto no cenário local, a autoridade brasileira pode elevar ainda mais a Selic

Portfólio integrado

Vitreo vai permitir importação de investimentos de fundos para aplicativo de consolidação da carteiras e Real Valor

A corretora será a primeira a disponibilizar a integração automática com o aplicativo de sincronização de ativos

NO ÚLTIMO MINUTO

Unidade da Evergrande promete pagar em dia juros devidos para amanhã

Anúncio proporciona alívio em meio a temores de calote, mas ações da incorporadora seguem em queda na bolsa de Hong Kong

AINDA SEM ACORDO COM REPUBLICANOS

Na Câmara, democratas aprovam suspensão de teto de dívida nos EUA

Projeto segue agora para o Senado; aprovação é fundamental para evitar o chamado fechamento do governo, mas impasse coloca medida em risco

nova selic hoje

BC deve manter “plano de voo” e elevar taxa básica de juros em 1 ponto, para 6,25% ao ano; saiba o que esperar do Copom

Declaração recente de Campos Neto conteve apostas maiores que a de um ponto; crise hídrica e desaceleração da China podem aparecer em comunicado de decisão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies