Menu
2019-12-04T17:15:00-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Credit Suisse trabalha com dólar entre R$ 4,18 e R$ 4,35 em 2020

Banco apresentou as perspectivas para o mercado de câmbio em 2020 e dólar não estaria tão caro assim por aqui

4 de dezembro de 2019
14:05 - atualizado às 17:15
Real e Dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os analistas do Credit Suisse apresentam um longo relatório sobre as perspectivas para o mercado mundial de câmbio para 2020. Na parte dedicado ao dólar contra o real, a avaliação é de que a cotação deve oscilar entre R$ 4,18 e R$ 4,35.

Segundo o banco, apesar dos recordes nominais na cotação dólar, acima da linha de R$ 4,20, a moeda americana não estaria tão cara assim (ou a moeda brasileira tão barata). Avaliando a taxa real efetiva de câmbio (Reer, em inglês), medida que compara o real com pares comerciais, a moeda está no meio de um range de 20 anos que indica sobre ou sub valorização (veja imagem abaixo)

Além disso, diz o CS os elementos tradicionais para se dizer que a moeda está subvalorizada não estão presentes, como superávit em conta corrente e baixo desemprego.

Segundo o banco, o comportando do risco-país, medido pelo CDS, já dá ao Brasil a classificação de grau de investimento, o que torna a moeda vulnerável a ruídos políticos.

O CS também confirma algo que é lugar comum por aqui. Com a queda de Selic e a forte redução, ou mesmo fim, das operações de arbitragem de juros, o real virou um “hedge” relativamente barato para se proteger de oscilações em outros mercados brasileiros. “Isso não deve mudar no curto prazo”, diz o CS.

Por ora, explica o banco, a recente alta nas expectativas de inflação é muito pequena para indicar qualquer mudança na relação de “carry” (arbitragem) da moeda. Se o crescimento surpreender muito para cima é possível que essa percepção mude.

Na avaliação mais ampla sobre moedas emergentes, o banco prefere exposição a países que tenham juros mais elevados, estabilidade no balanço de pagamentos e nos quais os riscos políticos estejam embutidos no preço ou recuando. Se encaixam nesses quesitos, o rublo russo e a lira turca. Nenhuma moeda da América Latina se qualifica.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

É dia de feira?

Maia diz que meta flexível em 2021 é ‘jabuticaba brasileira”

O governo resolveu abandonar uma meta fixa de resultado primário no ano que vem.

A queridinha de Wall Street

Ações da Tesla, de Elon Musk, sobem forte após recomendação do Goldman Sachs

A forte alta anual dos papéis ganhou ainda mais força depois da inclusão da Tesla no S&P 500, a partir de 21 de dezembro.

em busca de recursos

Empresas do agronegócio se preparam para ir à Bolsa; veja candidatas

Seis empresas do segmento já entraram com o pedido na CVM; setor, que há tempos sustenta o PIB brasileiro, vinha distante das ofertas de ações

OTIMISMO

Guedes admite PIB um pouco abaixo do esperado, mas vê economia voltando

Resultado leva Ministério da Economia a defender fim dos auxílios emergenciais adotados durante a pandemia

efeito pandemia

Crise longe do fim? 6 pontos para entender o PIB do terceiro trimestre

Economia cresceu 7,7% no período, segundo o IBGE, abaixo do esperado pelo mercado financeiro – que ignora o resultado no pregão desta quinta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies