Menu
Angela Bittencourt
Blog da Angela
Angela Bittencourt
é jornalista e editora da Empiricus
2019-03-25T12:04:19-03:00
Blog da Angela

Como negociar com um capitão?

Não vejo com bons olhos a relação do presidente com o Congresso. E não vejo mesmo! Essa conversa de que ele não vai negociar NA-DA é conversa para boi dormir. O presidente pode não negociar, mas alguém vai e em seu nome… de outro jeito não vale.  

25 de março de 2019
11:54 - atualizado às 12:04
O presidente Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro - Imagem: Palácio do Planalto/Flickr

Quantos amigos você tem? Olha, eu não tenho muitos, e entre os poucos que tenho, um está quase abandonando o bote. A coisa foi assim, o Eduardo não me deu trégua na quinta-feira. O Edu é cheio de convicção. E não quis me ouvir. Apelei até para a minha idade, sabe? Naquela de inspirar algum respeito… eu posso ser mãe dele. Mas o Eduardo nem deu bola. Eu gosto dele, é um amigo, e me preocupa que se apresente (dia sim e no outro também) como “fiador" do presidente Bolsonaro. Ele se acha…

Não votei no Bolsonaro. Acho que o Edu não me perdoa por isso. Sei que é feio contar que anulei meu voto no ano passado. Mas lá, de frente para a urna, me pareceu melhor esperar o governo começar para, depois, escolher “um lado”.

Na quinta-feira (21), eu disse para o Edu que não vejo com bons olhos a relação do presidente com o Congresso. E não vejo mesmo! Essa conversa de que ele não vai negociar NA-DA é conversa para boi dormir. O presidente pode não negociar, mas alguém vai e em seu nome... de outro jeito não vale.

Só espero que não seja nenhum daqueles filhos dele. Uns trapalhões. Eu aprendi, nesta minha longa vida de jornalista, que Congresso é coisa para “profissa”. Coisa para ministro, secretário, gente descolada. Sabe como é...?

Falei para o Edu que a reforma da Previdência periga não resolver nada. Ele acha bem o contrário. Amarrou a cara. Disse que a reforma está “no papo”!

Meu amigo (quase ex) acredita no interesse dos políticos que, diz ele, precisam agradar à maioria e, por isso, cedem. Não fosse assim, diz o Edu, os políticos nem estariam eleitos. Concordo com ele nesse ponto.

Ainda que no fim das contas a reforma da Previdência tenha um final feliz, até lá o presidente vai ter trabalho. O Paulo Guedes, então, nem se fala.

Se o governo já está neste pé, imagine os investidores...

Eu estou de olho para ver o que os políticos querem mudar na reforma para que fique mais branda para os funcionários públicos e para os militares. Os investidores também estão de olho... E ficam de cabelo em pé, principalmente aqueles quem nem moram no Brasil.

Penso que entendo alguns investidores e alguns devem pensar como eu. Será que o Brasil só tem a fazer a reforma da Previdência? O resto vem por milagre? Não seria melhor o governo ir tocando outros assuntos fora do Congresso? Alguma coisa que traz emprego? Gente empregada come melhor, dorme melhor e pensa melhor. Dizer que gente empregada não faz bobagem é uma bobagem. Mas faz menos.

Há dez dias, o governo leiloou 12 terminais de aeroportos e foi um baita sucesso. Arrecadou 2,38 bilhões de reais, mas, de início, poderia ter arrecadado apenas 219 milhões. O interesse foi grande, principalmente, de empresas estrangeiras. Na sexta-feira (22), o governo fez outros leilões. Desta vez, de áreas para armazenagem de combustíveis em portos na Paraíba e no Espírito Santo e entrou mais uma grana. Foram 219 milhões de reais, quando o governo esperava menos, 199 milhões.

Esse negócio de privatização, desde que feito direitinho, com regras claras, é o melhor que o governo tem a fazer, até porque não fica dependendo do Congresso.

O presidente Bolsonaro vive dizendo, e até já disse lá fora, nos EUA, quando visitou o Trump, que a reforma da Previdência é para garantir a aposentadoria das “próximas gerações”. Não é bem assim. Não dá para levar tudo o que o presidente fala ao pé da letra. Ele é espontâneo e usa a força da expressão. Aquelas frases de impacto que faz todo mundo prestar atenção.

Quando a nova Previdência for aprovada, ela vai indicar que o Brasil estará nos trinques quando o futuro chegar. E todo mundo sabe, você com certeza, que um Brasil menos endividado e mais confiante no futuro vai animar o investidor a trazer mais dinheiro para cá e até a construir fábricas. Mas e até lá?

Pulga atrás da orelha

Juntar dinheiro não é fácil. Eu até exagero. Tenho medo de que o meu futuro seja muito maior do que o dinheiro que tenho juntado. Minhas amigas têm parentes com mais de 100 anos!

Na semana passada, o meu chefe (sabe o Felipe Miranda?) me deixou com a pulga atrás da orelha. Acho que você leu, porque ele é mais lido que eu, mas vou repetir. O Felipe disse que se os “fundamentos” são bons, alguns eventos políticos só fazem ruído. Então decidi falar com uns entendidos. Nem perguntei para o Felipe para ele não pensar que deu emprego para a pessoa errada. Eu!

Entendi que o meu chefe quis dizer que os investidores se salvam, apesar das brigalhadas, dos desentendimentos entre o presidente, os filhos dele, os políticos e os juízes. Não dá para esquecer desses porque também aprontam.

O Felipe pode ter razão, mas eu sou desconfiada...

Um dos gestores que consultei disse que “fundamentos e senso de oportunidade” são variáveis importantes para o retorno do investimento. E que atendem interesses diferentes. Parece verdade.

Para o investidor de longo prazo, os fundamentos são as informações que mais interessam, disse o gestor. Já para os investidores de curto prazo, senso de oportunidade é o mais importante.

No longo prazo, a estrutura de uma economia ou sua consistência pode ser vista em vários indicadores. No longo prazo, o que conta é ter a certeza que o Brasil vai para a frente.

No curto prazo, interessa a brigalhada envolvendo Rodrigo Maia (DEM-RJ), Sérgio Moro, o vereador Carlos Bolsonaro e até o presidente, que disse, com outras palavras, que a reforma da Previdência é um problema do Congresso.

Será? Ele venceu a eleição porque disse que iria botar a casa em ordem... E, você sabe, presidente que não tem voz no Congresso acaba devendo para o eleitor. Tem decisão que o presidente não toma sozinho, por maior que seja a vontade.

Agora, veja bem! Eu não disse que presidente da República deve “comprar” apoio no Congresso. O presidente, qualquer um, deve “conquistar” apoio porque o seu programa econômico é bom, etc. e tal. O resto é chororô.

Mas voltando ao ponto, na semana passada os ativos financeiros mudaram radicalmente de posição e as guinadas favorecem as aplicações de curto prazo. Tem gente que gosta, claro, ainda que correndo riscos.

E um desses riscos, até comum, sabe qual é?

É comprar um ativo pensando que será fácil passá-lo adiante (quando seu preço estiver mais elevado) e não conseguir fazer isso.

Aqueles investidores que perceberam, na semana passada, que o diz-que-diz no Twitter entre autoridades estava aumentando de volume poderiam ter comprado dólar mais barato para vender a 3,90 reais, como era cotada a moeda americana, na sexta. Nem precisava ter comprado muito antes. Quem, por exemplo, comprou o dólar cedinho e vendeu no fim do dia ganhou 2,6 por cento. Outra guinada, mas ao contrário, deu o Ibovespa. Na terça-feira (19), o índice bateu novo recorde, cotado a 100.439 pontos. Na sexta, porém, caiu mais de 3 por cento, para 93.735 pontos.

O segundo gestor com quem falei sobre ruídos políticos e fundamentos foi em outra linha. Interessante também.

Ele explicou que a política é muito importante e pode estar por trás de muito ganho ou perda nos mercados.

No caso do Brasil, a reforma da Previdência está no Congresso e o projeto do governo provocará divergências entre parlamentares até ser aprovado, o que não será tão rápido. E a disputa entre os que gostam das propostas do governo e aqueles que querem outras propostas podem interferir no preço do dólar, do Ibovespa e também na taxa de juros.

Até propina faz diferença

O gestor que falou comigo na sexta-feira deu um exemplo externo de ruídos políticos que afetam os mercados: a divergência entre o presidente americano, Donald Trump, e os congressistas por causa do muro que ele quer construir na fronteira com o México. Para construir o muro, o presidente precisa de dinheiro e o Congresso não quer dar. Essa novela dura meses, e quando Trump fala mais grosso o dólar sai do lugar. A Bolsa também, mas o dólar é batata porque, como todos sabem, o dólar é a moeda dos Estados Unidos.

A política também influencia a estabilidade ou a manutenção de regras em um país. Condições que os governos estabelecem para fechar negócios, assinar contratos, por exemplo, podem alterar preços de outros ativos além de dólar, Bolsa e juros. Esse é o caso das privatizações de patrimônio da União, de Estados e municípios e também das empresas estatais.

O Congresso pode não estar diretamente ligado às privatizações, mas, indiretamente, pode estar porque é lá que as leis são feitas ou modificadas e podem ser contestadas posteriormente e afetar os preços do que está sendo vendido. Pode até inviabilizar as operações.

A adoção, concessão e mesmo a retirada de benefícios fiscais são decisões em que os congressistas atuam e podem impactar o retorno financeiro de setores da economia e até de empresas individualmente.

E tem ainda a questão da propina que conhecemos porque já aconteceu no passado recente do Brasil. A propina, que pode ser paga direta ou indiretamente por quem deseja garantir algum benefício em contratos, públicos ou privados, tende a trazer vantagens para empresas ou setores.

O investidor precisa mesmo é ficar esperto, procurar estar bem-informado sobre o que acontece no país, na sua cidade, na empresa onde trabalha e, principalmente, saber muito bem que riscos pode estar correndo quando escolhe este ou aquele investimento.

É preciso ficar claro, tim-tim por tim-tim, que enquanto deputados e senadores aprendem a negociar com o capitão (e vice-versa), semanas como a passada, de muitos altos e baixos no mercado financeiro, poderão ser mais frequentes e perturbadoras. Podem até dar a impressão de que nada mudou no país. E mudou! A começar pelo Congresso.

O Congresso precisa mostrar sua cara. Muita gente nova foi eleita e muitos políticos antigos foram embora. Com a renovação que ocorreu na Câmara e no Senado, e a geração de políticos que está chegando às duas Casas, líderes agora desconhecidos vão surgir e, com eles, velhas práticas devem desaparecer. Não é do dia para a noite. E nada acontecerá se as novas forças em Brasília não pisarem na água...

Aprender a negociar com o capitão é um desafio e uma necessidade. E o capitão deve dar uma chance para que esse aprendizado prospere. O capitão deve lutar? Claro que deve, mas talvez tenha primeiro que recuar para, então, avançar.

Nesta segunda-feira, os mercados voltarão toda sua atenção à Brasília para conferir o restabelecimento (ou não) de alguma harmonia entre os poderes Executivo e Legislativo. É improvável que a arrancada do dólar e a forte queda do Ibovespa, na sexta, sejam revertidas em uma sessão, inclusive, porque a semana reserva eventos importantes para a formação de preços dos ativos financeiros. Hoje, o Ibovespa Futuro abriu em queda de 1,6 por cento e, às 9h21, a baixa estava reduzida a 0,8 por centro com o índice aos 92.855 pontos.Nesta semana, o ministro da Economia, Paulo Guedes, comparece duas vezes ao Congresso. Na terça falará na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e, na quarta, será o centro da reunião conjunta da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e Comissão de Direitos Humanos (CDH).

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies