Menu
2019-05-13T12:00:44-03:00
Cabo de guerra

Votação que devolveu Coaf para economia é inconstitucional, dizem juízes federais

Mudança foi aprovada na última quinta-feira, 9, por 14 votos a 11, na comissão de deputados e senadores que analisa a Medida Provisória da reforma ministerial

13 de maio de 2019
12:00
Sérgio Moro
Sérgio Moro - Imagem: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo

A União Nacional dos Juízes Federais do Brasil (Unajuf), que representa magistrados de 1º grau, manifestou apoio ao ministro Sérgio Moro pela manutenção do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) no Ministério da Justiça e Segurança Pública. Em nota, a entidade afirmou que "é inconstitucional" a votação que transfere o órgão para o Ministério da Economia.

A mudança foi aprovada na última quinta-feira, 9, por 14 votos a 11, na comissão de deputados e senadores que analisa a Medida Provisória da reforma ministerial. O requerimento ainda precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado.

Segundo a Unajuf, a votação viola o processo legislativo, por "vício de iniciativa de tramitação". Para o juiz Eduardo Cubas, presidente da entidade, "o Coaf vai ficar no Ministério da Justiça independentemente da aprovação da MP". "O que vale é o decreto do presidente. A sociedade está ansiosa por ver a atuação dessa fiscalização", diz Cubas.

A entidade indica que o deslocamento do Coaf para o Ministério da Justiça foi realizado por meio de decreto presidencial no início do ano, e que não cabe ao Congresso Nacional revogá-lo, "prevalecendo a independência do Poder Executivo para atos de gestão".

A Unajuf argumenta que dispor sobre "organização e funcionamento da administração federal, quando não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos é competência privativa do Presidente da República", conforme prevê a Constituição.

De acordo com a entidade, a transferência do Conselho para o Ministério da Economia, proposta pela comissão mista, "não produz efeito prático na estrutura dos órgãos do Poder Executivo".

A Unajuf afirma ainda que considera "irrelevante" que parte da lei que criou o Coaf, que dispõe sobre o vínculo entre órgão e Ministério da Fazenda, hoje extinto, seja mantida.

'O Coaf está em casa'

No mesmo dia da votação, Moro afirmou, após uma solenidade em que o Coaf homenageou "pessoas atuantes no combate à lavagem de dinheiro", que o governo "não foi bem sucedido, pelo menos em relação à decisão da comissão".

O ministro também destacou que continuará conversando com os parlamentares para "buscar o convencimento" das propostas de sua pasta.

No Twitter, Moro disse ainda que a permanência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) dentro da estrutura do Ministério da Justiça e Segurança Pública não é uma "questão pessoal", mas uma medida para "fortalecer o combate à corrupção, à lavagem de dinheiro, ao crime organizado e ao financiamento ao terrorismo". O órgão "está em casa" no Ministério da Justiça, disse o ministro.

No início do mês, Moro afirmou que o conselho estava "esquecido" no Ministério da Fazenda e que o ministro Paulo Guedes, da Economia, não quer o Coaf.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Roberto Leonel, presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras, também defendeu a permanência do órgão na pasta de Moro, "para não perder o reforço que ganhou nos últimos quatro meses".

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

obituário

Morre aos 83 anos o economista Carlos Lessa, ex-presidente do BNDES

Nascido no Rio em 1936, Lessa era um dos expoentes, no meio acadêmico, da linha teórica “desenvolvimentista” nos estudos sobre economia

MEDIDA ANTICRISE

BNDES aprova R$ 2 bi em socorro a fornecedores

O orçamento inicial é de R$ 2 bilhões, e as empresas do varejo deverão ser as primeiras a tomar os empréstimos.

DÍVIDAS DA PANDEMIA

Governo tenta segurar ‘Super Refis’

Dada a gravidade da crise, o Ministério da Economia considera difícil não fazer nenhum tipo nenhum tipo de parcelamento de débitos tributários, segundo apurou o Estadão.

efeitos da crise

Com pandemia, Brasil registra abertura de mais de uma loja virtual por minuto

Em pouco mais de dois meses, foram 107 mil novos estabelecimentos criados na internet para a venda dos mais diferentes produtos

exile on wall street

O valor de uma estratégia consistente

Em fundos, também tenho visto alguns questionamentos com argumentos de que se poderia fazer por conta própria o que grandes gestores fazem e obter um desempenho melhor.

aumento de consumo

Petrobras eleva preço do gás de cozinha em 5% nas refinarias

Preço médio do produto passou a R$ 24,08, alta de R$ 3,72 em relação ao preço anterior

efeito coronavírus

Produção de veículos cai 84,4% em maio, diz Anfavea

Foram produzidas 43,1 mil unidades, o menor volume para o quinto mês do ano desde 1985, segundo a série histórica da associação

Podcast Touros e Ursos

AO VIVO: Seu Dinheiro comenta o rali dos mercados a partir das 12h

Confuso com a recente onda de otimismo que inunda os mercados globais? Pois esse é o tema do Podcast Touros e Ursos desta sexta-feira, com transmissão ao vivo a partir das 12h

IR 2020

Quais os principais gastos dedutíveis do imposto de renda

Despesas dedutíveis só podem ser aproveitadas por quem entrega a declaração completa e reduzem IR devido; mas mesmo quem entrega a declaração simplificada precisa declará-las

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements