Menu
2019-10-30T08:17:17-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Balanço

Cielo segue nas cordas na guerra das maquininhas e lucro cai 51,7% no terceiro trimestre

Resultado de R$ 358 milhões da empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco veio mais uma vez abaixo da projeção média dos analistas, mas base de clientes sobe e atinge 1,5 milhão

29 de outubro de 2019
20:03 - atualizado às 8:17
Prédio da Cielo
Imagem: Cielo/Divulgação

Na competição feroz pelo mercado de maquininhas de cartão, a líder Cielo segue nas cordas. A empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco registrou lucro líquido de R$ 358,1 milhões, queda de 51,7% em relação ao terceiro trimestre do ano passado.

O lucro veio mais uma vez abaixo da projeção média dos analistas, que era de R$ 376,7 milhões, de acordo com dados da Bloomberg.

A queda no resultado veio acompanhada de uma receita menor e forte aumento nas despesas na comparação com o terceiro trimestre do ano passado. Por outro lado, a Cielo conseguiu registrar mais um trimestre de aumento tanto no volume de transações nas maquininhas da companhia como na base de clientes.

Ataque e contra-ataque

Ao lado da Rede, empresa do Itaú Unibanco, a Cielo é a principal vítima da chamada "guerra das maquininhas". As duas companhias que dominavam o mercado sofreram um duro ataque das novas empresas que começaram a atuar no ramo nos últimos anos, como a Stone, SafraPay e GetNet.

Para evitar uma perda ainda maior de participação, a companhia mergulhou de cabeça na guerra de preços do mercado e reforçou a equipe de vendas.

Essa estratégia se reflete nos números da companhia. Apesar do aumento de 4,4% no volume de transações realizadas pelas maquininhas da Cielo, a receita líquida da companhia recuou 5,5% no terceiro trimestre, para R$ 2,8 bilhões. Já as despesas aumentaram 15% e atingiram R$ 2,36 bilhões.

O chamado "yield", ou seja, o percentual das vendas realizadas nas maquininhas que se transformam em receita para a Cielo caiu de 0,82% para 0,75% no trimestre. Há 12 meses, o yield era de 1,01%.

Estancou a sangria?

Se do lado financeiro o acionista da Cielo tem pouco o que comemorar, pelo menos do ponto de vista de mercado a empresa vem conseguindo estancar a sangria da perda de participação.

A base ativa de clientes da empresa aumentou 4,7% no trimestre e 18,9% em 12 meses e atingiu 1,508 milhão.

A incerteza sobre o destino da Cielo na guerra das maquininhas tem penalizado as ações na bolsa. Depois de perder mais da metade do valor de mercado em 2018, a companhia amarga uma queda de mais 30% neste ano.

Para tirar um pouco do gosto amargo dos resultados, a Cielo anunciou hoje o pagamento de juros sobre o capital próprio aos acionistas no valor de R$42 milhões, totalizando R$ 120,1 milhões que serão pagos no dia 18 de novembro.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Oportunidade para o investidor

Conselho da Iguatemi aprova emissão de R$ 264 milhões em debêntures

Trata-se da oitava emissão dos títulos pela empresa, que serão negociados em série única e vinculados a uma emissão de CRI

Seu Dinheiro na sua noite

O que mudou e o que não mudou na bolsa

Quando surgiram as primeiras notícias sobre o surto do coronavírus na China, havia poucos elementos para afirmar se estávamos ou não diante de uma crise de saúde de proporções globais. Hoje já não temos mais dúvidas disso. A dolorosa queda de 7% da bolsa na quarta-feira de cinzas marcou a passagem da incerteza que tínhamos […]

É dólar na veia

Na luta para conter o dólar, Banco Central anuncia oferta de US$ 1 bilhão em contratos de swap nesta sexta-feira

Negociação será realizada na bolsa entre 9h30 e 9h40 e deve contemplar até 20 mil contratos

Dados do Banco Central

Reservas internacionais subiram US$ 976 milhões no dia 26 de fevereiro, para US$ 360,578 bilhões

Resultado reflete sobretudo a oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas

Menor nível em quatro meses

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai mais 2,59% e fecha na mínima do dia; dólar sobe a R$ 4,47

O mercado até ensaiou um movimento de recuperação no meio da tarde, mas a cautela com o surto de coronavírus prevaleceu, derrubando o Ibovespa — apenas quatro ações do índice fecharam em alta. O dólar cravou mais uma máxima

No radar

Abimaq diz não ter dado que indique desabastecimento por causa do novo coronavírus

Setor de máquinas está promovendo ações preventivas para evitar qualquer risco de desabastecimento

Negócio em aberto

Bayer concorda com nova revisão sobre aquisição da Monsanto

Empresa vai permitir que um especialista independente revise suas regras e examine os seus principais negócios

Enchentes

Chuvas de fevereiro dão prejuízo de R$ 203 milhões ao comércio do sudeste, diz CNC

Mais da metade do rombo foi concentrado no Estado de São Paulo

Não vai dar

Facebook e Microsoft cancelam participação em eventos por temor com coronavírus

Sony, Electronic Arts e Unity Technologies também já tinham informado que não participariam de conferência

Embraer monitorada

S&P mantém rating BBB da Embraer em observação para eventual rebaixamento

Avaliação reflete a aprovação ainda pendente da Comissão Europeia sobre o acordo entre a empresa brasileira e a Boeing, diz agência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements