Menu
2019-04-04T14:43:46-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Bancos públicos

De volta às compras? Bradesco vai avaliar privatizações do governo Bolsonaro

“Com certeza vamos olhar”, disse Octavio de Lazari, presidente do banco, que também pode atuar como assessor nos processos de venda das estatais e subsidiárias dos bancos públicos

31 de janeiro de 2019
11:09 - atualizado às 14:43
Octavio de Lazari, presidente do Bradesco
Octavio de Lazari, presidente do Bradesco - Imagem: Divulgação/Bradesco

O Bradesco vai avaliar a possibilidade de participar das privatizações das subsidiárias dos bancos públicos que devem ser realizadas durante o governo Bolsonaro. A afirmação é do presidente do banco, Octavio de Lazari.

"Com certeza vamos olhar", disse Lazari, durante teleconferência com a imprensa para comentar o balanço do banco.

Ao comentar o assunto, Lazari chegou a se confundir ao dizer que não poderia participar das privatizações em razão das restrições impostas pelo Cade para aprovar a compra do HSBC. Mas depois foi lembrado de que a proibição para que o banco realizasse novas aquisições no mercado acabou no fim do ano passado.

Mesmo assim, disse que qualquer eventual novo negócio do banco terá de passar pelo órgão de defesa da concorrência.

Assessoria

Além de potencial comprador, o Bradesco também pretende atuar como assessor nos processos de venda das empresas estatais, afirmou Leandro Miranda, diretor de relações com investidores do banco.

Os presidentes do Banco do Brasil, Rubem Novaes, e da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, já anunciaram que pretendem vender participações das subsidiárias dos bancos públicos.

Não serão privatizações "clássicas", já que os processos devem ser realizados por meio de ofertas públicas de ações (IPO, na sigla em inglês) na bolsa, nas quais os bancos deverão manter o controle acionário, pelo menos em um primeiro momento.

A Caixa, por exemplo, pretende levar para a bolsa os negócios de seguros, cartões, loterias e fundos. O banco público também pretende atuar no mercado de maquininhas de cartão.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Renovação do Conselho

Comitê interno da Petrobras desaprova dois nomes indicados ao Conselho

Indicados foram considerados inaptos pelo Comitê de Pessoas por terem atuado em empresas com relação direta com a estatal nos últimos três anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies