Menu
2019-04-04T13:46:31-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Riscos e incertezas após prisão

Prisão do ex-presidente Michel Temer eleva tensão da classe política e dificulta a tramitação da reforma da Previdência no Congresso

22 de março de 2019
5:34 - atualizado às 13:46
capitulonovela
Risco é de que outros políticos relacionados ao ex-presidente também estejam envolvidos

O mercado financeiro brasileiro foi do céu ao inferno nesta semana. Após o Ibovespa superar a barreira histórica dos 100 mil pontos e o dólar cair abaixo da faixa de R$ 3,75, durante a sessão nos últimos dias, os negócios locais chegam nesta sexta-feira sob um forte estresse, sem saber qual rumo seguir, deixando os ativos mais vulneráveis.

A questão é que a prisão do ex-presidente Michel Temer no âmbito da Operação Lava Jato elevou o nervosismo entre os investidores, que já estavam decepcionados com a reforma da Previdência dos militares e desconfortáveis com os ruídos políticos envolvendo o governo e o Congresso - especificamente o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Nenhum desses fatores ajuda na imagem do país ao exterior, o que tende a manter o capital estrangeiro distante daqui - exceto os recursos especulativos. Além disso, a prisão de Temer e do ex-ministro Moreira Franco, sogro de Maia, eleva a tensão entre a classe política e as forças da Lava Jato, podendo dificultar a tramitação da agenda de reformas.

Nos bastidores do Congresso, parlamentares estão alarmados e desviam o foco da pauta econômica, sob o risco de outros políticos também estarem envolvidos - principalmente aqueles historicamente ligados aos ex-presidente. Esse xadrez entre Legislativo e Judiciário evidencia maior incerteza em Brasília, em um momento em que o governo não mostra capacidade de articulação e tem queda de popularidade.

Tanto que, em meio à decepção com as regras de aposentadoria dos não civis e na esteira da prisão do ex-presidente, a indicação do relator da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) foi adiada. Com isso, a análise da proposta sofreu mais um atraso e só será retomada após explicações do ministro Paulo Guedes (Economia).

Ou seja, o caso envolvendo Temer atrapalha a tramitação da reforma da Previdência, diante do ambiente político mais hostil. Isso não tende a influenciar a proposta, mas prolonga o prazo de apreciação. Daí, então, os reflexos fortes no mercado financeiro doméstico. E o não há expectativa de melhora do humor dos investidores, que tendem a manter a cautela.

Política pesa também no exterior

Lá fora, os investidores têm ignorado o drama político que acompanha a Casa Branca, mas Wall Street pode em breve ter de lidar com o caso. A investigação do ex-assessor especial do presidente Donald Trump, Robert Mueller, está perto de comprovar laços entre a campanha de Trump e a interferência da Rússia na eleição de 2016.

O documento de Mueller foi divulgado publicamente na quarta-feira e pode incriminar Trump de maneira direta. O presidente norte-americano afirma que se tratam de especulações e nega repetidamente as acusações. Os desdobramentos do caso pode elevar a volatilidade nos ativos de risco e ameaçar a reeleição do republicano em 2020.

Nesta manhã, os índices futuros das bolsas de Nova York estão em leve baixa, após uma sessão fraca na Ásia, onde as bolsas chinesas e Tóquio tiveram ligeiros ganhos. Na Europa, as praças repercutem a decisão da União Europeia (UE) de adiar a saída do Reino Unido do bloco comum para 22 de maio.

Para tanto, o acordo proposto pela primeira-ministra britânica, Theresa May, precisa ser aprovado pelo Parlamento. Se não passar, o prazo é antecipado para 12 de abril. A notícia impulsionou a libra esterlina, mas o dólar mede forças em relação às rivais, ao passo que o rendimento (yield) do título norte-americano de 10 anos (T-note) cai à mínima em um ano.

O mercado de bônus vem sinalizando preocupações com a dinâmica do crescimento econômico e da inflação. A ausência de pressão nos preços e a guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo põe em xeque o otimismo com um prolongamento de um mercado de alta (bull market), sustentado pelo tom suave (dovish) do Federal Reserve.

Olho na agenda

A agenda econômica doméstica segue fraca nesta sexta-feira, sem nenhuma divulgação relevante. No exterior, merecem atenção dados preliminares de março sobre a atividade nos setores industrial e de serviços na zona do euro e nos Estados Unidos, pela manhã.

Outro ponto de relevo é a reunião do Conselho Europeu, em Bruxelas, onde devem ter continuidade as discussões sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE). O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, também estará presente no encontro.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Oportunidade para o investidor

Conselho da Iguatemi aprova emissão de R$ 264 milhões em debêntures

Trata-se da oitava emissão dos títulos pela empresa, que serão negociados em série única e vinculados a uma emissão de CRI

Seu Dinheiro na sua noite

O que mudou e o que não mudou na bolsa

Quando surgiram as primeiras notícias sobre o surto do coronavírus na China, havia poucos elementos para afirmar se estávamos ou não diante de uma crise de saúde de proporções globais. Hoje já não temos mais dúvidas disso. A dolorosa queda de 7% da bolsa na quarta-feira de cinzas marcou a passagem da incerteza que tínhamos […]

É dólar na veia

Na luta para conter o dólar, Banco Central anuncia oferta de US$ 1 bilhão em contratos de swap nesta sexta-feira

Negociação será realizada na bolsa entre 9h30 e 9h40 e deve contemplar até 20 mil contratos

Dados do Banco Central

Reservas internacionais subiram US$ 976 milhões no dia 26 de fevereiro, para US$ 360,578 bilhões

Resultado reflete sobretudo a oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas

Menor nível em quatro meses

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai mais 2,59% e fecha na mínima do dia; dólar sobe a R$ 4,47

O mercado até ensaiou um movimento de recuperação no meio da tarde, mas a cautela com o surto de coronavírus prevaleceu, derrubando o Ibovespa — apenas quatro ações do índice fecharam em alta. O dólar cravou mais uma máxima

No radar

Abimaq diz não ter dado que indique desabastecimento por causa do novo coronavírus

Setor de máquinas está promovendo ações preventivas para evitar qualquer risco de desabastecimento

Negócio em aberto

Bayer concorda com nova revisão sobre aquisição da Monsanto

Empresa vai permitir que um especialista independente revise suas regras e examine os seus principais negócios

Enchentes

Chuvas de fevereiro dão prejuízo de R$ 203 milhões ao comércio do sudeste, diz CNC

Mais da metade do rombo foi concentrado no Estado de São Paulo

Não vai dar

Facebook e Microsoft cancelam participação em eventos por temor com coronavírus

Sony, Electronic Arts e Unity Technologies também já tinham informado que não participariam de conferência

Embraer monitorada

S&P mantém rating BBB da Embraer em observação para eventual rebaixamento

Avaliação reflete a aprovação ainda pendente da Comissão Europeia sobre o acordo entre a empresa brasileira e a Boeing, diz agência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements