Menu
2019-08-19T06:35:08-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado repercute notícias do fim de semana, à espera do que vem por aí

Renúncia de ministro argentino, protesto pacífico em Hong Kong e novos comentários de Trump abrem a semana de negócios

19 de agosto de 2019
5:32 - atualizado às 6:35
noticias
Mas a expectativa dos investidores está no simpósio em Jackson Hole

O mercado financeiro inicia a segunda-feira repercutindo o noticiário do fim de semana, que trouxe mais um capítulo da crise na Argentina, com a renúncia do ministro da Fazenda, protesto pacíficos em Hong Kong e um novo tweet do presidente Donald Trump, dizendo que os Estados Unidos “estão indo muito bem com a China e conversando”. Mas os investidores estão mesmo de olho é nos bancos centrais, diante do receio cada vez maior de uma recessão global - negado pela Casa Branca.

O discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, na sexta-feira, durante o simpósio anual em Jackson Hole (Wyoming) é o grande destaque da agenda econômica nesta semana. A expectativa é de que Jay confirme uma nova queda na taxa de juros norte-americana em setembro e mostre disposição a fazer o que for preciso para proteger os EUA da desaceleração econômica mundial, em meio aos impactos da guerra comercial.

O BC brasileiro também está nos holofotes nesta semana, após a mudança de atuação no mercado de câmbio, com a oferta de dólares via leilão à vista a partir de quarta-feira, o que não acontecia desde 2009. A nova postura da autoridade monetária não teve uma visão consensual e foi criticada, principalmente, por causa do momento da decisão, anunciada após a eclosão da crise na Argentina.

Aliás, os ativos do país vizinho devem abrir sobre uma renovada pressão hoje, após a decisão de Nicolás Dujóvne, no sábado, de deixar o cargo no Ministério da Fazenda, que ocupava desde janeiro de 2017. O governo Macri já escolheu um substituto. Hermán Lacunza, atual ministro da Economia de Buenos Aires, irá substituir o agora ex-ministro.

Ainda assim, a renúncia aumenta a turbulência política na Argentina, após a derrota do presidente Mauricio Macri nas prévias das eleições para a chapa que tem Cristina Kirchner como vice. A saída de Dujóvne tende a ampliar crise econômica no país, reforçando o mau humor dos investidores na região e impactando os negócios também aqui no Brasil.

Daí, então, que será importante observar o comportamento do dólar, às vésperas do início dos leilões do BC. Na semana passada, a moeda norte-americana encerrou cotada no nível psicológico de R$ 4,00, pela primeira vez em quase três meses. Já a Bolsa brasileira amargou perdas de 4%, seguindo abaixo dos 100 mil pontos.

À flor da pele

Os investidores têm se mostrado mais sensíveis, alternando o humor ao sabor de cada nova notícia em torno das perspectivas para a atividade global. Com isso, o mercado financeiro tende a seguir com os nervos à flor da pele, o que tende a trazer uma intensa volatilidade e uma dose extra de cautela aos preço dos ativos ao redor do mundo.

Hoje, especificamente, um novo comentário de Trump em relação às negociações comerciais com a China combinado com a diminuição da violência em Hong Kong, pela primeira vez após semanas de protesto, guia uma melhora dos negócios lá fora. As principais bolsas asiáticas encerraram a sessão com fortes ganhos.

Tóquio subiu menos, com +0,7%, enquanto Xangai e Hong Kong tiveram altas de mais de 2%, cada, sendo o maior avanço do índice Hang Seng em mais de dois meses. Os investidores continuam avaliando a postura de Trump na guerra comercial, após ele sugerir que não deve haver um fim rápido na disputa com a China, dizendo não estar “preparado para fazer um acordo ainda”. O republicano mantém a estratégia morde-assopra, colocando também na mesa a situação em Hong Kong.

É cedo para dizer que a situação na ex-colônia britânica mudou. A região especial chinesa voltou a ter protestos pacíficos no domingo, após os recentes episódios violentos, com centenas de milhares de manifestantes tomando as ruas. O comparecimento demonstrou que o movimento ainda tem ampla adesão popular e mostra que a situação ainda é séria.

Em Nova York, os índices futuros amanheceram em alta, sinalizando uma sessão positiva em Wall Street, após as bolsas norte-americanas acumularem perdas pela terceira semana consecutiva ao final da última sexta-feira. Na Europa, as principais praças da região também abriram no azul, também após cair por três semanas seguidas.

Nos demais mercados, o petróleo avança mais de 1%, os bônus soberanos também sobem, ao passo que o dólar mede forças em relação às moedas rivais, perdendo terreno para o euro e o iene, mas avançando frente ao xará australiano e a libra esterlina. Aliás, os riscos crescentes de um Brexit desordenado continuam no radar, assim como a crise na Itália.

Ou seja, apesar da sinalização mais positiva neste início de semana, o cenário está longe de refletir uma reversão do humor global. Ao contrário, os ativos parecem estender a tônica da última sexta-feira, respondendo mais a fatores técnicos e de ajuste de fluxo, em um típico movimento de caça por pechinchas do que a dar por encerrada a aversão ao risco.

Agenda começa devagar

Já a agenda econômica começa mais fraca, trazendo apenas a inflação ao consumidor (CPI) na zona do euro em julho. No Brasil, saem a segunda estimativa do IGP-M em agosto (8h), o relatório de mercado Focus do Banco Central (8h30) e os dados semanais da balança comercial (15h).

Para saber mais detalhes do que vem por aí, acesse A Bula da Semana.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

50/50

Hapvida antecipa parte de pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio

A data para parte do pagamento passou de 30 de dezembro de 2020 para o dia 24 de julho. Os valores pagos representam metade do total anunciado anteriormente.

disputas internas

Smiles atende minoritários e marca assembleia sobre acordo com Gol

Acionistas questionam termos do acordo com a controladora e defendem que houve abuso de poder por parte dos diretores

esquenta dos mercados

IBC-Br e temporada de balanços nos EUA roubam a atenção dos investidores em meio a temor com a covid-19

Números surpreendentes da economia chinesa não foram o suficiente para diluir as preocupações com o avanço do coronavírus e reestabelecimento de medidas de isolamento na califórnia. Com excessão dos índices futuros em Nova York, o sinal predominante no mercado é o de queda

entrevista

‘Queremos ações mais concretas do Brasil’, diz executivo do grupo Nordea

Com ativos de 550 bilhões de euros, um dos 10 maiores da Europa, grupo parou de comprar ativos do governo brasileiro em 2019 por causa do aumento das queimadas na Amazônia.

Insights Assimétricos

Ainda dá para comprar ouro?

Se o ouro performa muito bem em períodos de inflação elevada, ele também performa bem em momento de inflação baixa; veja por quê

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements