Menu
2019-04-04T13:46:09-03:00
A Bula do Mercado

Uma reforma robusta

Ministro da Economia, Paulo Guedes, sai vitorioso e consegue emplacar idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres na reforma da Previdência

15 de fevereiro de 2019
5:30 - atualizado às 13:46
reformarobusta
Enquanto isso, no exterior, presidente Donald Trump vai declarar emergência para construir muro na fronteira

Deu coluna do meio. O governo irá propor aposentadoria aos 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com prazo de transição de 12 anos. Essas palavras foram suficientes para animar o mercado financeiro ontem, trazendo o principal índice da Bolsa brasileira (Ibovespa) de volta aos 98 mil pontos e aproximando o dólar da faixa de R$ 3,70.

Os investidores comemoraram que, enfim, tornou-se pública as pretensões do governo em relação a uma reforma da Previdência mais ampla. Mais que isso, os ativos locais celebraram o pulso firme do ministro da Economia, Paulo Guedes, que saiu vitorioso na disputa contra a ala política e o próprio Palácio do Planalto.

As idades mínimas definidas são um “meio-termo” entre a vontade do presidente Jair Bolsonaro, que defendia 62 anos para eles e 57 para elas, e a da equipe econômica. Havia uma proposta ainda mais difícil na mesa, já que Guedes queria igualdade em 65 anos e uma transição menor. O presidente pensou em 60 anos para elas e uma transição maior.

Mas Guedes conseguiu convencer Bolsonaro dos riscos fiscais ao país, caso a idade mínima fosse menor e o prazo, maior. E o mercado doméstico não esperava um aval do presidente para um projeto mais agressivo, especialmente após alguns vazamentos de uma proposta mais fraca.

Curva de aprendizado

O governo evitou cravar qual deve ser o impacto fiscal, mas sabe-se que Guedes lutaria por uma proposta capaz de garantir uma economia de R$ 1 trilhão aos cofres públicos em cerca de dez anos. A proposta do governo para a reforma da Previdência deve chegar ao Congresso na próxima quarta-feira, quando serão divulgados os detalhes do texto.

No mesmo dia, o presidente Bolsonaro deve fazer um discurso à nação para explicar a proposta. É aí, então, que começa o jogo. Agora, o desafio do governo é equilibrar os ruídos no processo de aprovação da reforma até a votação final. Nesse caminho, pode haver diluição do texto ou fricção da base aliada, que ainda precisa ser formada.

Ainda resta ao governo administrar a política interna tumultuada pelo caso Bebianno. O suposto envolvimento do então presidente do PSL durante as eleições de 2018 e atual secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno, em esquemas de “candidaturas laranjas” gerou a primeira crise do Executivo, após 45 dias de mandato.

É fato que existe uma curva de aprendizado do novo governo, oriundo de um grupo político que nunca esteve no poder. Mas os ruídos políticos causados pelo tema afetaram a dinâmica dos ativos locais ontem. Tanto que, pela manhã, o dólar aproximou-se da marca de R$ 3,80, em meio à declarações contundentes e dos bastidores sobre o caso Bebianno.

Mas no fim do dia, o mercado doméstico ignorou essas rixas - e até mesmo ameaças veladas - e reforçou o otimismo que têm prevalecido entre os investidores - locais, principalmente - impulsionando os ativos. A reação negativa pela manhã comparada com o rali a tarde mostra que o sentimento nos negócios segue de alta (bullish).

Sem shutdown

Já nos Estados Unidos, quem dará a palavra final é Donald Trump. O presidente norte-americano vai declarar “emergência nacional” hoje (13h) para financiar a construção de um muro na fronteira com o México, após o acordo selado entre democratas e republicanos no Congresso não ter sido suficiente para financiar toda a obra.

Como o acordo não inclui toda a verba de US$ 5,7 bilhões para a construção, Trump vai recorrer à declaração para usar recursos sem a aprovação do Congresso e forçar o início da obra. Com a medida, Trump não precisa rejeitar o Orçamento aprovado no Senado, evitando uma nova paralisação do governo (shutdown).

A Câmara avaliou a decisão de Trump como um “abuso grosseiro de poder”, mas também aprovou a lei que mantém a administração federal funcionando. O texto segue, agora, para sanção de Trump. Ao declarar emergência nacional, ele deve deslocar recursos aprovados para ajudar Porto Rico e 12 estados norte-americanos, entre eles Califórnia e Texas.

Política pesa mais

O aviso feito pela Casa Branca inverteu o sinal positivo que prevalecia nas bolsas de Nova York ontem, pouco antes do fechamento da sessão, e esse sinal negativo se mantém em Wall Street nesta manhã. Os investidores estão temerosos de que a postura dura de Trump, de forçar a construção do muro, pode não funcionar nas negociações com a China.

Aliás, as principais bolsas asiáticas encerram em queda firme, de quase 2% em Hong Kong e de mais de 1% em Tóquio e em Xangai, em meio à espera do desfecho das negociações entre EUA e China, em Pequim. Os investidores estão receosos do impacto da disputa entre as duas maiores economias do mundo no crescimento econômico global.

Os dados fracos do varejo norte-americano em pleno mês de Natal, com as vendas registrando a maior queda desde setembro de 2009, reacenderam o medo de recessão nos EUA. Para o órgão que calcula o desempenho do setor, a tensão comercial sino-americana e o shutdown afetaram o resultado do comércio no período.

Mas o tempo está passando e o prazo final para o fim da trégua tarifária entre EUA e China está se aproximando, ainda sem sinais de um acordo. Questões-chave relacionadas à tecnologia chinesa e às políticas de comércio do país seguem em aberto. Com isso, os investidores ficam na defensiva e buscam proteção em ativos seguros.

O dólar mede forças em relação às moedas rivais, mas perde terreno para o iene japonês, ao passo que o petróleo ensaia alta, com o barril do tipo WTI cotado acima da faixa de US$ 54. Já o rendimento (yield) do título norte-americano de 10 anos (T-note) segue ao redor de 2,65%, depois de afundar ontem, na esteira do varejo fraco nos EUA.

Ou seja, tanto no Brasil quanto no exterior, o problema parece ser a visão muito otimista dos mercados, seja em relação à aprovação da reforma da Previdência, seja em relação às negociações entre EUA e China ou entre republicanos e democratas. E há espaço para decepções no curto prazo, pois, por ora, as incertezas permanecem.

Mais dados de atividade

Novos indicadores sobre o ritmo da atividade econômica pelo mundo serão conhecidos nesta sexta-feira. No Brasil, o Banco Central publica o IBC-Br de dezembro e a expectativa é de estabilidade no dado mensal, após os números decepcionantes sobre o desempenho dos setores industrial, de serviços e do varejo no período.

Com isso, o Produto Interno Bruto (PIB) do país no quatro trimestre de 2018 deve ser muito fraco, com a economia brasileira devendo registrar um crescimento modesto no acumulado do ano passado, talvez até abaixo de 1%. Os dados efetivos do BC serão conhecidos às 8h30. Antes, às 8h, sai o primeiro IGP deste mês, o IGP-10.

Já no exterior, o dia começa com dados da balança comercial na zona do euro em dezembro (8h) e traz como destaque a produção industrial nos EUA em janeiro (12h15). Também será conhecido o desempenho regional da indústria em Nova York (11h30), além da leitura preliminar sobre a confiança do consumidor norte-americano neste mês (13h).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Fique de olho

Petrobras finaliza oferta de recompra de títulos no exterior de mais de US$ 3,5 bi

O montante total da ofertado pelos investidores na oferta de recompra excedeu o limite de US$ 4 bilhões previamente estabelecido, desta forma, o volume ofertado para alguns dos títulos não foi aceito

VEM DINHEIRO AÍ

B3 vai pagar R$ 1,3 bilhão em dividendos e R$ 302 milhões em JCP

Operadora da bolsa de valores vai pagar R$ 0,6483 por ação em dividendos e R$ 0,1256 em JCP em 7 de outubro

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

7 notícias para começar o dia bem informado

No primeiro romance de Jane Austen, as irmãs Dashwood ficam na pindaíba depois da morte do pai. O irmão mais velho ficou com toda a herança e às mulheres resta a esperança de conseguir um bom casamento. O próprio amor está sujeito a doses de razão e sensibilidade. Na coluna de hoje, o Matheus Spiess […]

ata do copom

Redução adicional da Selic pode gerar instabilidade no preço dos ativos, diz BC

Ata da última reunião do Copom mostra que grupo ponderou ainda sobre estímulos do governo e a chamada “prescrição futura”; taxa básica foi mantida em 2%

INCLUSÃO SOCIAL

Magazine Luiza, Ambev e P&G indicam tendência de inclusão

Companhias querem ampliar a diversidade dos novos funcionários e, principalmente, prepará-los para que ocupem cargos de direção

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements