Menu
2019-08-12T05:33:40-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado inicia semana com cautela

Mercado está dividido entre preocupação com economia global e estímulos adicionais via corte de juros pelos BCs

12 de agosto de 2019
5:33
pisandoovos
No Brasil, investidor local aposta alto na agenda de reformas e privatizações

A tensão externa dá uma trégua ao mercado financeiro nesta segunda-feira, mas a cautela ainda permeia os negócios, com os investidores divididos entre a preocupação com a economia global e os estímulos adicionais a serem adotados pelos principais bancos centrais. Com isso, os ativos de risco amanheceram sem um rumo definido para o dia.

E essa ausência de direção no exterior desafia o otimismo interno, testando o ânimo dos agentes locais, que apostam alto na agenda de reformas e privatizações, impulsionando o Ibovespa. A nova era de juros baixos no Brasil, com a Selic renovando novas mínimas em breve, também é um dos principais fatores para o avanço da Bolsa brasileira.

Leia mais em A Bula da Semana.

Pisando em ovos

Já no exterior, o mercado financeiro inicia a semana com pouco ímpeto. As principais bolsas asiáticas oscilaram entre altas e baixas, com um feriado na região mantendo várias praças fechadas. O destaque ficou com Xangai, que subiu 1,45%, após o Banco Central chinês (PBoC) fixar a taxa de referência do yuan acima de 7 por dólar pelo terceiro dia seguido, a 7,0211, em um nível mais fraco que o observado na última sexta-feira.

As principais bolsas europeias tentam seguir o sinal positivo vindo da Ásia, apesar da queda do petróleo e do minério de ferro. Em Nova York, os índices futuro também estão no azul. Mas essa sinalização para o dia não parece firme, com os investidores ainda absorvendo o alerta do Goldman Sachs, de que a guerra comercial está elevando o risco de uma recessão nos Estados Unidos.

Para o grupo financeiro, não deve haver um acordo na questão comercial com a China antes das eleições presidenciais norte-americanas em 2020. Assim, o impacto da atual disputa entre as duas maiores economias do mundo na atividade dos EUA deve ser maior que o estimado, com uma contribuição negativa de 0,6%, de -0,2% previsto antes.

O Goldman Sachs também reduziu a previsão de expansão da economia dos EUA no último trimestre deste ano em 0,20 ponto, para 1,8%, na taxa anualizada. Segundo o grupo financeiro, a incerteza causada pela guerra comercial pode levar as empresas a reduzirem seus gastos até que as tensões sejam resolvidas.

Se, por um lado, a nova rodada de tarifas anunciada pelos EUA contra produtos da China, que entra em vigor em setembro, coloca o mundo em uma rota mais profunda de desaceleração. Por outro lado, a fraqueza da economia global deve levar os bancos centrais a cortarem suas taxas de juros, ampliando os estímulos monetários e trazendo alento ao mercado financeiro.

Atividade no radar

Já no Brasil, os dados recentes sobre a atividade doméstica corroboram a avaliação do BC de uma economia ainda em ritmo lento. E essa sinalização igualmente favorece cortes adicionais na Selic. Ainda mais considerando-se o nível confortável da inflação e o andamento da reforma da Previdência no Congresso.

Aliás, o texto aprovado na semana passada na Câmara manteve a estimativa de economia fiscal de cerca de R$ 900 bilhões em dez anos. Agora, a bola está com o Senado, que deve aprovar as novas regras para aposentadoria até outubro. O primeiro passo é o início das discussões na Comissão e Constituição e Justiça (CCJ), provavelmente nesta semana.

Mas a semana começa com as atenções dos investidores voltadas para o estado da economia brasileira. Após os dados fracos do setor de serviços em junho ampliarem o temor de uma recessão técnica no segundo trimestre deste ano, o índice de atividade econômica do Banco Central (IBC-Br) pode lançar luz a este cenário.

A previsão é de queda de 0,2% na leitura ante maio e recuo de 1,5% na comparação com um ano antes, o que tende a confirmar a fraqueza da atividade doméstica ao final do semestre passado. Os números oficiais serão conhecidos às 8h30. No mesmo horário, sai a pesquisa Focus do BC junto ao mercado financeiro.

O cenário para este ano e os próximos, porém, tende a permanecer praticamente inalterado. De um modo geral, as estimativas dos economistas preveem um cenário benigno da inflação, cortes adicionais na taxa básica de juros (Selic) e o Produto Interno Bruto (PIB) mostrando dificuldade em retomar o crescimento.

Já a previsão para o dólar, deve seguir em torno de R$ 3,80, apesar do ambiente global mais desfavorável. Aliás, a moeda norte-americana deve ser pressionada hoje pelo desempenho dos ativos na vizinhança. A derrota de Maurício Macri nas prévias presidenciais na Argentina por 15 pontos de vantagem ao candidato opositor, escolhido por Cristina Kirchner, deve disparar uma onda vendedora (sell-off) no país vizinho, impactando o real brasileiro.

De volta à agenda econômica do dia, logo cedo (8h), sai a primeira prévia deste mês do IGP-M. À tarde, é a vez dos dados semanais da balança comercial (15h). No exterior, o calendário está esvaziado, trazendo apenas o Orçamento do Tesouro norte-americano em julho (15h).

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ALÍVIO

Mortes por covid-19 chegam ao menor nível desde maio, diz Fiocruz

Média móvel de novos casos ficou em 22.483 no sábado, alta de 11% em relação aos casos da semana anterior

LUTO

Morre presidente da Samsung, aos 78 anos

Lee Kun-hee foi responsável por transformar a companhia em um dos maiores conglomerados do mundo

INFLAÇÃO

Custo alto deve se manter até 2021 no material de construção

Superaquecimento de itens é reflexo de distorção entre oferta e demanda, diz pesquisadora da FGV

“efeito de três pontos”

O [mau] comportamento dos mercados: as semelhanças entre a trajetória do câmbio e de uma bola de basquete

O câmbio vai oscilar ao gosto das notícias – das guerras comerciais à falta de agenda econômica do governo federal. Mas existe um estranho – e ainda pouco compreendido – “efeito de três pontos”.

DRAGÃO COM FOME

Comida pressiona inflação até o fim do ano, dizem analistas

Dólar em alta, oferta escassa por causa da entressafra e o auxílio emergencial estão provocando o aumento dos preços

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies