Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-08T06:20:19-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Guerra comercial define humor dos mercados

Proximidade da rodada de negociações entre EUA e China resgata um otimismo cauteloso no mercado financeiro

8 de outubro de 2019
5:42 - atualizado às 6:20
humordosmercados
No Brasil, ruídos políticos azedam o humor dos investidores

O que ontem era motivo de tensão nos mercados, hoje tenta ser um alívio. A proximidade das negociações comerciais entre Estados Unidos e China nesta semana resgata um otimismo cauteloso entre os investidores, que ensaiam maior disposição pelos ativos de risco. Esse ambiente externo pode influenciar o rumo dos negócios locais, que estão com o humor mais azedo por causa dos ruídos políticos vindos de Brasília (leia mais abaixo).

O embarque da delegação chinesa para Washington - incluindo o presidente do Banco Central chinês (PBoC), Yi Gang - renova as esperanças de um acordo e ofusca a notícia de que os EUA vão colocar na “lista negra” oito empresas chinesas de tecnologia, que desenvolvem reconhecimento facial e outras ferramentas de inteligência artificial. Para a Casa Branca, o governo chinês usa essa tecnologia para reprimir minorias étnicas. Não há qualquer menção do governo Trump quanto aos benefícios que tais avanços tecnológicos têm trazido aos meios de pagamento, em termos de comodidade na vida das pessoas.

Ou seja, não há um motivo aparente para a tentativa de melhora do humor no exterior, a não ser uma expectativa renovada de um progresso nas tratativas sino-americanas. Ainda assim, parece haver certa relutância de Pequim em buscar um acordo comercial mais amplo, não mostrando interesse em tratar de questões cruciais para Washington.

Na Ásia, a volta da Bolsa de Xangai após a longa pausa de uma semana foi sem brilho. O índice Xangai Composto subiu 0,3%, mesma alta observa em Hong Kong. Em Shenzhen, houve aumento de 0,2%. Tóquio liderou os ganhos na região, com +1%.

No Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York alternam leves altas e baixas, oscilando na linha d’água, sem uma direção definida para o dia. Esse vaivém influencia a abertura do pregão europeu, com a Bolsa de Londres reagindo também à retirada da oferta hostil de compra feita por Hong Kong, por US$ 37 bilhões.

Nos demais mercados, o petróleo exibe ligeiro avanço, com o dólar voltando a perder força ante os rivais. O destaque fica com a lira turca, que se estabiliza, após a ameaça do presidente norte-americano, Donald Trump, de “destruir” a economia do país se a Turquia avançar na ofensiva contra os curdos na Síria.

Mais ruídos

Como se já não bastassem as dúvidas em relação ao segundo turno de votação da reforma da Previdência, que pode ficar para o fim deste mês, às incertezas em relação ao destino dos recursos do mega-leilão do pré-sal somam-se, agora, aos relatos de que o ministro Paulo Guedes (Economia) estaria contando os dias para deixar o cargo.

Seja como for, esses ruídos apenas elevam a dose de cautela dos investidores, que esperavam que a agenda econômica pudesse avançar mais no Congresso antes do fim do ano, com a reforma tributária e o pacto federativo entrando em pauta. Mas o assunto que deve ser discutido nos próximos dias é a regra de ouro, tida como alicerce da base fiscal.

Primeiro, os presidentes Rodrigo Maia (Câmara) e Davi Alcolumbre (Senado) têm reunião hoje com os governadores para tratar da partilha entre os estados e a União dos recursos do leilão do pré-sal, previsto para o início do mês que vem. O objetivo é pôr fim à disputa entre as unidades da federação mais bem contempladas e as que se dizem “excluídas”.

Com isso, os ativos locais viram um campo fértil para especulações - o que tem sido mais visível no dólar. Ontem, a moeda norte-americana saltou para a faixa de R$ 4,10, em meio a esses ruídos políticos, mas encerrou o pregão um pouco abaixo desse nível, influenciando os prêmios dos juros futuros. Já o Ibovespa segue defendendo a marca dos 100 mil pontos.

Mais Powell hoje

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, volta a discursar hoje, desta vez, em um evento em Denver, a partir das 15h30. Ontem, ele não falou de política monetária e hoje ele pode se esquivar novamente do assunto, já que o tema da palestra é sobre a dependência de dados e a integração das economias “antigas” e “novas”.

Entre os indicadores econômicos, nos EUA, sai o índice de preços ao produtor (PPI) em setembro (9h30). No Brasil, serão conhecidos o IGP-DI do mês passado e a primeira prévia deste mês do IPC-S, ambos às 8h, além dos dados regionais da produção industrial em agosto (9h).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Vídeo Melhores Ações do Mundo

Efeitos da Vacina na Bolsa – Analista compara o desempenho de duas gigantes dos EUA, a Coca-Cola (COCA34) e a Netflix (NFLX34)

Muito se fala dos efeitos da vacina na Bolsa de Valores. Nesse vídeo o analista da Empiricus, Enzo Pacheco, compara duas ações que seguiram caminhos diferentes na Bolsa nos últimos meses e explica os motivos.

Blink!

Qual a expectativa para CASH3? O que esperar de Cosan a partir do IPO da Raízen? Confira as respostas do Felipe Miranda na nova edição do Blink!

Em mais uma edição do seu vídeo de ‘rapidinhas’, o CIO da Empiricus fala sobre as expectativas em relação a diversos tickers e responde outras dúvidas dos seus seguidores

DESTAQUES DA BOLSA

Minério de ferro volta a subir e as ações da Vale e das siderúrgicas acompanham

O avanço do aço na China é sinal de boas notícias, o que anima os investidores por aqui.

do campo para a bolsa

AgroGalaxy (AGXY3) estreia em queda de 24%, após precificar ações no piso em IPO

Empresa de agronegócio já havia reduzido substancialmente o tamanho da oferta; analistas apontam risco de a companhia ser espremida por fornecedores

Temores atrapalham recuperação

Setor da construção é como uma Ferrari com freio de mão puxado, diz presidente da CBIC

Segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção, o recorde de alta nos custos de materiais é um dos principais problemas no setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies