Menu
2019-06-06T06:25:11-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado deve resgatar cautela

Volta das preocupações com articulação política do governo no Congresso e com a guerra comercial pode deixar investidor mais retraído

6 de junho de 2019
5:36 - atualizado às 6:25
TRADER
Destaque do dia fica com a decisão de juros do BCE

Enquanto Estados Unidos e México precisam avançar na questão da imigração ilegal para impedir uma nova fronteira da guerra comercial, mais um banco central pode entrar hoje para a lista de discussão do mercado financeiro em relação à queda dos juros. Desta vez, os estímulos monetários podem chegar à zona do euro. A decisão do Banco Central Europeu, às 8h45, é o destaque da agenda econômica do dia, que está esvaziada no Brasil.

Com isso, os negócios locais devem ficar mais reféns do cenário externo e também do front político, após o adiamento de votações importantes no Congresso. Ontem, o mercado doméstico interrompeu a melhora na dinâmica dos ativos, que vinha sendo observada desde meados de maio, período em que o dólar saiu da casa de R$ 4,10 e veio abaixo de R$ 3,90, e Ibovespa disparou, após bater a mínima do ano, abaixo dos 90 mil pontos.

Os investidores se retraíram, voltando a mostrar preocupação com a articulação política do governo no Congresso, o que pode atrapalhar no andamento da reforma da Previdência, levantando dúvidas sobre a tendência atual de aprovação. Além de votações adiadas (leia mais abaixo), também pesaram relatos sobre mudanças no teto de gastos e o julgamento da Suprema Corte (STF) sobre a necessidade de privatizações passarem pelo Congresso, que continua hoje à tarde.

Exterior entre Trade War e BCE

Lá fora, as atenções estarão voltadas para a entrevista do presidente do BCE, Mario Draghi (9h30). Os investidores esperam encontrar na fala dele o mesmo tom suave (“dovish”) percebido no comandante do Federal Reserve, Jerome Powell, que parece ter deixado a porta aberta para cortes nos juros dos Estados Unidos em breve.

Draghi deve aproveitar a ocasião para detalhar a terceira rodada das chamadas LTRO, que são operações de financiamento de longo prazo aos bancos visando o aumento do volume de empréstimo à economia. Na reunião anterior, em abril, a autoridade monetária havia anunciado que lançaria mão dessa ferramenta, porém o programa seria mais restrito.

Logo cedo, sai o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro nos três primeiros meses deste ano, que deve reforçar a necessidade de estímulo à economia da região da moeda única. À espera desses eventos, as principais bolsas europeias exibem ganhos.

Em Nova York, os índices futuros das bolsas apagaram as perdas registradas ontem à noite e sobem. Wall Street foi pressionada pelos tweets do presidente norte-americano, Donald Trump, dizendo que as discussões na Casa Branca com representantes do México progrediram, “mas não o suficiente”.

Segundo ele, as conversas serão retomadas hoje. Se não houver acordo, as tarifas de importação de produtos mexicanos vão subir 5% a partir de segunda-feira, com aumentos mensais conforme cronograma. “Quanto mais altas as tarifas, maior o número de empresas que voltarão para os EUA!”, disse Trump.

As tensões comerciais pesaram no pregão da Ásia, onde Xangai caiu 1,2%, uma vez que EUA e China não retomaram as negociações desde o fim da décima primeira rodada, no mês passado. Hong Kong oscilou em alta, enquanto Tóquio ficou de lado, com os investidores ponderando também o otimismo em relação a um corte de juros pelo Fed.

Nos demais mercados, o petróleo se recupera, um dia após o tipo WTI entrar em mercado de baixa (bear market), mas ainda sem sinais de sair dessa tendência. O dólar, por sua vez, recua, com destaque para as altas do euro e o do iene.

Na agenda econômica norte-americana, saem dados sobre a balança comercial em abril, os pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos nos EUA e sobre o custo da mão de obra no início deste ano - todos às 9h30. Antes, às 8h30, sai o relatório sobre as demissões anunciadas por empresas nos EUA no mês passado.

Congresso só volta semana que vem

A discussão de uma série de pontos da reforma da Previdência, após quase 280 emendas à proposta original do governo, tornou inviável a apresentação do parecer do relator, deputado Samuel Moreira, na comissão especial nesta semana. A previsão, agora, é de que o documento seja apresentado na semana que vem.

Um dos principais entraves tem sido a inclusão (ou não) de estados e municípios no texto que propõe mudanças às regras para aposentadoria. O tema não é unânime entre governadores, principalmente do Nordeste, e prefeitos. Outras questões em aberto tratam da contribuição do empregador ao regime de capitalização e sobre a regra de transição de servidores públicos.

Ou seja, embora junho seja um mês importante para a tramitação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, ainda tem muita coisa a ser resolvida. Existem dúvidas em relação às emendas que serão feitas ao texto que será aprovado e ao impacto fiscal das novas regras, enxugando a economia desejada pelo governo de pouco mais de R$ 1 trilhão em dez anos.

Também foi adiada a votação do projeto de lei que autoriza um crédito extra de quase R$ 250 bilhões ao governo para pagar despesas correntes. Sem acordo entre deputados e senadores, a proposta deve ser votada na semana que vem. Mas o governo tem pressa, pois o crédito é fundamental para evitar o descumprimento da chamada “regra de ouro”.

Tanto na apresentação do parecer sobre a reforma da Previdência, e posterior votação do texto, quanto na questão que pode levar o presidente Jair Bolsonaro a incorrer em crime de responsabilidade, é preciso levar em conta o fator calendário. Afinal, as tradicionais festas juninas devem esvaziar o Congresso, com deputados e senadores indo para suas bases eleitorais.

Por isso, o cenário segue cauteloso, o que abre espaço para ajustes adicionais nos preços dos ativos locais. A conferir.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

CORONAVÍRUS

Xi Jinping alerta para a ‘grave situação’ criada pela disseminação ‘acelerada’ do novo coronavírus

Até agora, as autoridades disseram que a doença já infectou mais de 1.300 pessoas e matou 41. Mas a Comissão Nacional de Saúde anunciou que 237 pacientes estão em condições graves

ECONOMIA

‘Recessão profunda torna retomada lenta’, diz economista do Insper

“Um ponto a se considerar é que, somando com os resultados de 2018, já são quase 1,2 milhão de empregos desde a crise. O mercado de trabalho demorou para responder, porque a recessão foi muito profunda, mas está respondendo”, falou Sergio Fripo

AINDA SOBRE A 'CAIXA-PRETA'

TCU dá 20 dias para BNDES explicar auditoria milionária da ‘caixa-preta’

Após um ano e dez meses focado em oito operações com as empresas JBS, Bertin, Eldorado Brasil Celulose, a auditoria não apontou nenhuma irregularidade

DE OLHO NA VALE

Vale paga multas ao governo mineiro, mas questiona cobranças do Ibama

De acordo com dados da Semad, foram aplicados até o momento 11 autos de infração em decorrência do rompimento da barragem no dia 25 de janeiro de 2019

OLHO NAS STARTUPS

Volume de aportes em startups do País cresce 80% e atinge US$ 2,7 bi em 2019

O número de aportes, por sua vez, cresceu 8,3% na comparação com 2018, mas não bateu recordes – em 2017, foram 263 investimentos no País, mas com valor individual menor, totalizando US$ 905 milhões

ACORDOS

Bolsonaro assina 15 acordos com a Índia e fala que comércio poderá superar US$ 50 bilhões até 2022

O principal acordo assinado é o de cooperação e facilitação de investimentos (ACFI), segundo o jornal Folha de S.Paulo

MAIS LIDAS DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: O sonho da aposentadoria rápida

Caro leitor, O que te assusta mais: o coronavírus ou a fila do INSS? Não tenho dúvidas de que a nova doença foi o assunto da semana no mundo todo, mas o desejo de se aposentar rápido – e sem depender do governo – foi o que bombou aqui no Seu Dinheiro.  O projeto Aposente-se aos […]

DE OLHO NA TECNOLOGIA

Toyota investe US$ 394 milhões em companhia de táxi aéreo elétrico, Joby Aviation

Parecida a um drone, a aeronave tem capacidade para quatro passageiros mais o piloto, possui seis hélices, um alcance de 150 milhas (aproximadamente 240 km) e pode voar até 200 milhas por hora (cerca de 320 km/h)

POLÍTICA

Em Davos, Doria se ‘afasta’ de Bolsonaro

Nesses 12 meses de intervalo, o clima entre os dois não apenas esfriou como houve troca de farpas tendo como pano de fundo o cenário político de 2022

EMPREGO

Em 1º ano, Bolsonaro gera mais vagas que Temer, mas fica atrás de Lula e Dilma

Com a economia ganhando tração a partir do segundo semestre do ano passado, o Caged registrou saldo positivo de 644.079 vagas com carteira assinada em 2019

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements