Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-02T09:40:03-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Desidratação da reforma da Previdência impõe apreensão no mercado financeiro

Texto no Senado sofre modificação, derrubando trecho que alterava regras do abono salarial, e votação em segundo turno pode sofrer atrasos

2 de outubro de 2019
5:38 - atualizado às 9:40
expectativareforma
Derrota do Governo deve pesar nos ativos locais, com exterior negativo potencializando as perdas

A reforma da Previdência foi aprovada em primeiro turno no Senado, por 56 votos a favor e 19 contra. A votação impôs uma derrota ao governo, ao derrubar o artigo que criava regras mais duras para o abono salarial. Ou seja, não houve base aliada suficiente para manter o texto aprovado na Câmara e o mercado financeiro deve reagir hoje à derrota do Executivo no Congresso, por falta de articulação.

Os investidores devem acompanhar o andamento da votação com maior apreensão, uma vez que a aprovação de uma reforma da Previdência robusta, com uma economia próxima a R$ 900 bilhões em dez anos aos cofres públicos, já está embutida no preço dos ativos. Qualquer frustração adicional, ou demora extra na conclusão do texto, pode provocar uma correção no mercado doméstico, pressionando o dólar para cima e a Bolsa para baixo.

  • LEIA HOJE: Estão oficialmente abertas (por tempo limitado ou enquanto durarem as vagas) as inscrições para o melhor curso de análise gráfica para enriquecer em qualquer mercado. Entre aqui e aproveite!

Os senadores pressionam para votar a proposta em segundo turno e condicionam a conclusão das novas regras para aposentadoria à liberação de emendas parlamentares e ao pacto federativo, que destina mais recursos para estados e municípios. No centro da discussão, está a medida provisória (MP) sobre a cessão onerosa, que se refere à divisão da venda excedente de petróleo do pré-sal, no montante de R$ 106 bilhões.

Com isso, a aprovação da proposta em segundo turno pode sofrer atrasos ou mesmo ser interrompida, se o governo não cumprir os compromissos. A previsão atual é de que a reforma da Previdência seja aprovada até 15 de outubro. Hoje, o Senado volta a analisar os demais destaques, já que ontem o processo foi interrompido após o resultado sobre o abono salarial. Com a derrubada do trecho, o benefício se mantém para quem recebe até dois salários mínimos e o impacto fiscal é de quase R$ 80 bilhões em dez anos.

À tarde, a partir das 13h, é esperada uma sessão conjunta no Congresso. Deputados e senadores devem se reunir para debater alguns vetos presidenciais, além de discutir créditos suplementares e o Orçamento de 2020 (LDO). Assim, são pequenas as chances de os parlamentares avançarem na discussão de outros grandes temas, como a reforma tributária, ainda neste ano.

Recessão à vista?

Os riscos parecem vir do exterior e ainda é difícil saber se o cenário local mais otimista será capaz de suplantar o contexto internacional desafiador, com a atividade perdendo força nas principais economias. A guerra comercial entre Estados Unidos e China e, mais recentemente, o drama político na Casa Branca, permeiam o cenário dos mercados lá fora, que ainda buscam amparo nos estímulos lançados pelos bancos centrais.

Ontem, a queda do índice ISM sobre a atividade manufatureira nos EUA para o nível mais baixo desde junho de 2009, aprofundando-se no território contracionista, acendeu o sinal de alerta em Wall Street e no mercado de títulos norte-americanos (Treasuries). Parece que a recessão - ou, no mínimo, uma desaceleração mais forte - está chegando à maior economia do mundo, à medida que a guerra comercial de Trump com a China se arrasta.

Trata-se de algo que merece mais atenção do mercado financeiro e do Federal Reserve. A ver, então, como se comportam outros indicadores de atividade nos EUA. Em contrapartida, um número robusto sobre o emprego no país, com geração de vagas e rendimento real sem acúmulo de pressão inflacionária, pode afastar esse receio. Por outro lado, qualquer dificuldade na criação de emprego nos EUA tende a elevar o temor de recessão.

Com isso, merece atenção a pesquisa ADP hoje, às 9h15, sobre a abertura de postos de trabalho no setor privado norte-americano em setembro. Os dados são tidos como uma proxy do relatório oficial sobre o mercado de trabalho nos EUA (payroll), que sai na sexta-feira. A previsão é de abertura de 165 mil vagas.

Trata-se do grande destaque da agenda econômica desta quarta-feira, que está mais fraca no Brasil e no exterior. Ainda no calendário dos EUA, saem os estoques semanais de petróleo bruto e derivados no país (11h30). Por aqui, a agenda perde força e traz apenas os dados de setembro sobre a entrada e saída de dólares do país (14h30), que devem mostrar um fluxo cambial aquém do esperado nas duas contas (financeira e comercial).

Exterior negativo

Enquanto isso, o sinal negativo prevalece entre os índices futuros das bolsas de Nova York e nas principais bolsas europeias, após uma sessão novamente esvaziada na Ásia. Hong Kong voltou do feriado chinês em ligeira baixa (-0,2%), enquanto Tóquio cedeu um pouco mais (-0,5%), em meio ao volume financeiro mais fraco.

Os investidores aguardam novas pistas sobre a saúde da maior economia do mundo, após os números fracos sobre a manufatura nos EUA atingirem os ativos ontem. Nos demais mercados, as Treasuries estão estáveis, enquanto o dólar volta a ganhar força, com destaque para a libra esterlina, que aguarda um ultimato para o Brexit. Já o petróleo ensaia uma recuperação, após seis dias de queda, ao passo que o ouro segue mais fraco.

E esse sinal negativo vindo do exterior tende a potencializar as perdas esperadas para os ativos locais hoje, após o revés do governo no Senado. A conferir.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies