Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Ibovespa e mercados na semana: O Brasil é a bola da vez
Menu
2019-11-25T07:02:07-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula da Semana

A Bula da Semana: O Brasil é a bola da vez

Instituições estrangeiras melhoram recomendação sobre Brasil para 2020, elevando expectativa pela chegada do capital externo ao mercado doméstico

25 de novembro de 2019
5:25 - atualizado às 7:02
boladavez
Instituições estrangeiras melhoram recomendação sobre Brasil para 2020, elevando expectativa pela chegada do capital externo ao mercado doméstico

Faltando um mês para o Natal, muitos bancos, corretoras e casas de análise começam a divulgar seus relatórios de cenário e alocação para o próximo ano. E o destaque ficou para a quantidade de instituições estrangeiras sell-side que anunciaram recomendações “acima da média” em Brasil, colocando o país como uma “notável exceção” entre os ativos globais.

Goldman Sachs, JP Morgan e Credit Suisse - apenas para citar alguns - estão entre as instituições que se mostraram bastante otimistas em relação ao cenário doméstico em 2020, colocando o Brasil como destaque em relação aos pares emergentes, principalmente da América Latina. Ou seja, o sentimento externo em relação ao país mudou.

Isso significa que, após passar 2019 avesso aos ativos brasileiros, seja por causa da desconfiança em relação ao governo Bolsonaro e à agenda de reformas, seja por causa do risco de contágio da turbulência política nos países vizinhos; o investidor estrangeiro parece estar mudando a visão sobre o Brasil. E isso tende a impulsionar os negócios locais.

Se confirmada, a chegada dos “gringos” em terra brasilis pode içar o Ibovespa para além dos 110 mil pontos, rumo a novos topos inéditos, já que a puxada pós-eleições foi conduzida pelos investidores locais. Tão escasso ao longo deste ano, o ingresso do capital estrangeiro também pode, enfim, derrubar o dólar para abaixo de R$ 4,00.

É válido lembrar que, desde o início do ano, o fluxo de recurso externos na renda variável (mercado secundário) está negativo em cerca de R$ 35 bilhões. Nos dados do Banco Central, a conta financeira registra retiradas de quase US$ 40 bilhões em 2019 até meados deste mês, sendo que essas saídas explicam, em parte, a valorização do dólar no período.

“Empurrãozinho”

Mas as projeções otimistas desses e de outros bancos de investimentos estrangeiros já deram um ânimo extra à Bolsa na semana passada, quando subiu 2% em apenas quatro pregões, aproximando-se da máxima histórica. O dólar, por sua vez, seguiu orbitando ao redor de R$ 4,20, à espera da chegada desse “dinheiro novo”.

Já nos juros futuros, a dúvida ainda é quando termina o ciclo de cortes na Selic. Iniciado em julho, a queda de mais meio ponto no juro básico em dezembro é dada como certa, mas não se sabe se há espaço para estender o processo até o início de 2020 ou se ele será interrompido abruptamente no próximo mês.

Seja como for, os agentes econômicos estão confiantes é quanto à aceleração do crescimento (PIB) do Brasil no ano que vem, entre 1,5% e 3,0%, em um cenário de juro real baixo, de 2,5% a 4,5%, com a Selic ficando estável por um período prolongado. E são essas previsões mais positivas que elevaram a expectativa pela chegada dos “gringos”.

Mas, e se eles não vierem? Quanto mais fôlego os players locais têm para esticar os ativos domésticos?

Refém

Apesar da confiança local no progresso da agenda liberal-reformista do ministro Paulo Guedes (Economia) ao longo dos próximos quatro anos, o principal revés ao mercado doméstico (e à perspectiva de chegada dos “gringos”) pode vir do exterior, diante dos riscos que uma guerra comercial prolongada pode causar à economia global - brasileira, inclusive. Uma desaceleração mais acentuada da atividade - ou mesmo recessão - ainda é a maior preocupação dos investidores.

Por isso, os ativos devem seguir reféns do noticiário em torno da guerra comercial nesta semana, em meio à expectativa por uma nova rodada de negociações entre Estados Unidos e China. Mas o feriado pelo Dia de Ação de Graças, na quinta-feira, deve dificultar a realização de um encontro ainda neste mês, retardando qualquer novidade sobre o tema.

Com isso, os investidores tendem a redobrar a postura defensiva, ainda mais diante da perspectiva de liquidez mais baixa em Wall Street nos próximos dias, por causa do Thanksgiving. As bolsas de Nova York não abrem na quinta-feira e fecham mais cedo na sexta-feira, quando acontece a tradicional Black Friday.

A data marca o início da temporada de compras de fim de ano nos EUA e também ganha mais adeptos a cada ano no Brasil, em meio às ofertas e descontos nas lojas e pela internet. Será importante aferir a intenção de gastos do consumidor, tanto brasileiro quanto norte-americano, o que pode impulsionar a economia na reta final de 2019.

Confira a seguir os principais destaques desta semana, dia a dia:

Segunda-feira: A semana começa com as tradicionais publicações do dia no Brasil, a saber, a Pesquisa Focus (8h25) do Banco Central e os dados semanais da balança comercial (15h). Também será conhecida a confiança do consumidor brasileiro neste mês. No exterior, o calendário econômico está esvaziado hoje, trazendo como destaque apenas um discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, à noite (21h).

Terça-feira: O dia traz o índice de confiança no setor da construção civil no Brasil em novembro. Já nos EUA, saem indicadores do setor imobiliário e também sobre os estoques no atacado. Na China, será divulgado o lucro da indústria em outubro.

Quarta-feira: Outra sondagem sobre a confiança do empresariado brasileiro, desta vez, do comércio, será conhecida hoje. Também será conhecida a nota do BC sobre as operações de crédito em outubro. Nos EUA, a agenda está carregada e traz dados sobre a renda pessoal e os gastos com consumo em outubro, juntamente com o índice de preços PCE, além da segunda estimativa do PIB norte-americano no terceiro trimestre, das encomendas de bens duráveis no país e do Livro Bege do Fed.

Quinta-feira: O feriado pelo Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos interrompe os negócios em Nova York, o que enxuga a liquidez do dia e esvazia a agenda de indicadores econômicos. Por aqui, sai o IGP-M de novembro e a leitura final da confiança da indústria. No fim do dia, devem ser conhecidos dados sobre a atividade industrial e o setor de serviços na China.

Sexta-feira: A semana chega ao fim com a tradicional Black Friday. As bolsas de Nova York voltam a funcionar hoje, mas fecham mais cedo, ainda devido às comemorações do feriado de Ação de Graças. Na agenda de indicadores, saem uma nova sondagem no Brasil, sobre o setor de serviços, os números atualizados sobre o mercado de trabalho até outubro, além da inflação ao produtor (IPP) no mesmo mês. Também merece atenção a definição da bandeira tarifária para a conta de luz em dezembro.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

pandemia

Covid-19: Brasil passa das 210 mil mortes causadas pela pandemia

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registraram 452 óbitos pela covid-19

seu dinheiro na sua noite

Antes tarde do que mais tarde

Com o uso emergencial de duas vacinas contra o coronavírus aprovado no Brasil, ainda que com muito atraso em relação a outros países (incluindo emergentes), o brasileiro pode enfim vislumbrar a possibilidade de um retorno à vida normal. Está certo que ainda vai demorar, e provavelmente veremos o resto do mundo voltar à normalidade, enquanto […]

Fechamento

Vacina empolga, mas incertezas ainda são muitas e limitam os ganhos do Ibovespa; dólar fica estável

Embora o início da vacinação tenha criado um princípio de euforia, as incertezas ainda são muitas e nublam o cenário

atenção, acionista

Itaúsa anuncia o pagamento de juros sobre capital próprio adicionais

Base do pagamento é a posição acionária final do dia 22 de janeiro; provento tem retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,01768 por ação

insatisfações com a estatal

Petrobras sai em defesa de sua política de preços

Estatal listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies