Menu
2019-11-21T15:58:07-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Perspectivas 2020

Para Goldman Sachs cenário é desafiador para o Brasil, mas mais esperançoso

Preocupação não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar agenda de reformas fiscais

21 de novembro de 2019
15:32 - atualizado às 15:58
brasil ranking
Imagem: Shutterstock

O Goldman Sachs apresentou seu relatório de perspectivas para 2020 com relação à América Latina. Na parte dedicada ao Brasil, que é o que nos interessa, não podemos falar em pessimismo, já que o crescimento estimado está em 2,2%, mas o tom das avaliações oscila entre cautela e ceticismo. Algo que permeia, basicamente, todo o documento intitulado “Baixo crescimento em uma era de expectativas em queda”.

O banco nota que o governo pretende aprofundar o ajuste fiscal, reduzir o tamanho do setor público, promover uma abertura comercial e tornar o ambiente de negócios mais amigável. Agenda que pode colocar a economia em um ciclo virtuoso de crescimento.

Mas o ponto, segundo o GS, é que como vimos ao longo de todo 2019, apenas uma agenda de viés liberal e amigável ao mercado não é garantia de sucesso ou resultados rápidos. “A principal preocupação do mercado não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar essa agenda.”

É a política...

Para os especialistas do banco, o “elo fraco”, no fim das contas, pode ser a política e não a estratégia econômica. Particularmente quando se coloca na conta a perda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro e a fraca base de apoio no Congresso.

“Em essência, acreditamos que a política econômica continuará majoritariamente ortodoxa e pró-mercado. Mas, em última análise, será a gestão das coalizões e o diálogo político que continuarão representando os maiores desafios”, diz o banco.

Para o GS, a aprovação da reforma da Previdência foi algo necessário, mas não suficiente, para entregar um ajuste fiscal representativo e promover uma mudança estrutural no regime fiscal capaz de dar suporte a um novo regime monetário.

Com isso, o desafio que recai sobre o Executivo e Legislativo é mostrar progresso decisivo em direção à consolidação fiscal e estabilização da dívida pública. Para o banco, a relação dívida/PIB vai bater nos 80% antes de estabilizar.

O documento não faz projeções pormenorizadas para indicadores de mercado, mas avalia que o comportamento dos ativos vai oscilar com ritmo da recuperação da atividade e com a capacidade do governo encontrar suporte para a agenda de reformas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Juros

Para o GS, o Banco Central (BC) cortará a Selic em meio ponto percentual na reunião de dezembro e condicionar um ajuste final de 0,25 ponto em fevereiro de 2020 ao comportamento do câmbio e da inflação.

Depois disso, o banco estima que a taxa básica permanecerá estável ao longo de todo 2020, com o BC iniciando um ciclo de aperto em 2021, com a Selic indo a 6,25% ao ano.

O cenário inflacionário é visto como benigno, com IPCA terminando o ano em 3,5%, contra meta de 4,25%, e avançando a 3,8% em 2020, pouco abaixo da meta de 4%.

Crescimento

O GS trabalha com uma aceleração do crescimento de 1% em 2019 para 2,2% em 2020, o que representaria a primeira leitura acima de 2% desde 2013. A melhora na atividade é puxada pela firme demanda doméstica, particularmente no lado dos investimentos.

O banco chama atenção que mesmo após 10 trimestres do fim da recessão de 2014/2016, o desempenho da economia tem sido notadamente lento, apesar de excesso de capacidade produtiva, forte posição externa, baixa inflação e política monetária acomodativa.

Para o GS, tal cenário reflete a persistência da elevada incerteza política e “danos estruturais na máquina de crescimento”, como queda no estoque de capital da economia e histerese do mercado de trabalho.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

momento de tensão

Ações da Oi e da Vivo caem após nova fase da Lava Jato

Por volta das 12h desta terça-feira, os papeis ON da Oi (OIBR3) recuavam 2,15%, enquanto os papéis PN da Vivo (VIVT4) caíam 1,09%

polícia nas ruas

Lava Jato investiga relação de repasses da Oi para Gamecorp/Gol

Procuradoria identificou movimentação de R$ 40 milhões entre a Movile Internet Móvel, empresa do grupo Telefonica/Vivo, e a Editora Gol entre 15 de janeiro de 2014 e 18 de janeiro de 2016

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

As taxas do Tesouro Direto abriram com sinais mistos nesta terça-feira (10). O Tesouro IPCA+ 2024 (NTN-B Principal) é negociado com taxa de 2,24% ao ano mais IPCA, por um valor mínimo de R$ 58,86. O Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTN-B) é negociado com taxa de 3,47% ao ano mais IPCA e aplicação […]

Um acordo no fim do túnel?

EUA e China planejam adiar tarifas programadas para o dia 15, dizem fontes

Nos últmos dias, autoridades em Washington e Pequim têm sinalizado que domingo não é a data final para fechar a chamada “fase 1” de um acordo comercial

Mercados hoje

Ibovespa opera em queda, reagindo ao ambiente mais cauteloso no exterior; dólar sobe a R$ 4,14

O possível fechamento de um acordo para que os EUA posterguem a aplicação de novas sobretaxas sobre produtos chineses dá ânimo às bolsas globais e faz o Ibovespa se afastar das mínimas

polícia nas ruas

Lava Jato mira corrupção e lavagem em contratos de telefonia e internet

Ação é um desdobramento da 24ª etapa da Lava Jato, que, em março de 2016, levou de forma coercitiva o ex-presidente Lula para depor

Exile on Wall Street

Uma tentativa de Teoria das Cordas, aplicada às finanças

Eu trabalho muito. Tenho uma dedicação apaixonada e até mesmo obsessiva com a Empiricus. Nem sei se isso é bom. Mas é o que é

Em busca da alta renda

BB lança crédito imobiliário com correção pelo IPCA

Taxas de juros começam em 3,45% ao ano mais IPCA e variam conforme o prazo da operação e o nível de relacionamento do cliente com o BB

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

No radar: IPO da XP e Mourão na posse do presidente argentino

Sai hoje o preço das ações da XP Investimentos que serão ofertadas na bolsa americana Nasdaq. Hoje também será definido quem conseguirá entrar na oferta. Será que os fundos brasileiros vão ganhar um pedacinho deste bolo?   No lado político, o destaque é uma espécie de trégua do governo de Jair Bolsonaro com o presidente eleito […]

Mais uma oferta no exterior

Madero deve desembarcar nos EUA em junho com o seu IPO, diz jornal

Segundo informações do Valor Econômico, a rede de hamburgueria já contratou o Bank of American e J.P. Morgan para coordenarem a oferta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements