Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Ibovespa e mercados na semana: Desaceleração, recessão ou o quê?
Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-07T07:31:20-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula da Semana

A Bula da Semana: Desaceleração, recessão ou o quê?

Cresce preocupação com ritmo da economia global após dados fracos de atividade nos EUA

7 de outubro de 2019
4:55 - atualizado às 7:31
hj

O risco de recessão nos Estados Unidos está, por ora, afastado, mas ainda é cedo para dizer que o cenário econômico global está definido. A grande dúvida, no momento, é se o país está vivendo uma desaceleração pontual, depois de leituras fracas dos índices ISM sobre a atividade, ou se já está em um estágio final de ciclo, após uma robusta expansão.

A resposta terá grandes implicações nos mercados. Afinal, os ativos globais não “precificam” uma recessão na maior economia do mundo. Então, se uma queda abrupta da atividade nos EUA acontecer, se irá, certamente, ferir os negócios pelo mundo. O problema é que ainda vai levar algum tempo para responder a essa questão com convicção.

Ao que tudo indica, a perda de tração da atividade por causa da guerra comercial, visível há alguns meses na Europa e na Ásia, começa a impactar os EUA. Por isso, os investidores clamam por um acordo da Casa Branca com a China, de modo a mitigar uma disseminação mais acentuada dos efeitos do conflito.

Nesta semana, acontece a décima terceira rodada de negociações em Washington e, apesar das esperanças de um desfecho favorável, o que se viu até agora foi uma piora nas relações sino-americanas. E Pequim não parece disposto em negociar vários pontos. Se não houver progresso nas tratativas, um novo aumento de tarifas dos EUA contra produtos chineses é esperado a partir do dia 15 deste mês.

Também é importante observar a evolução dos indicadores econômicos pelo mundo. Nesta semana, porém, prevalece a divulgação de dados de inflação ao consumidor, no Brasil (IPCA) e nos EUA (CPI), na quarta e quinta-feira, respectivamente. Os números tendem a calibrar as apostas em relação ao rumo dos juros, mas investidores dão como certa uma queda adicional por parte do Fed e do Copom, na mesma dose, neste mês.

Já os indicadores domésticos sobre a atividade, no comércio e no setor de serviços, na quinta e sexta-feira, devem manter o debate sobre a aceleração da economia em um ritmo mais intenso que o esperado após a virada para o segundo semestre e a necessidade de a Selic cair abaixo de 5% antes do fim do ano. A queda do dólar na semana passada, aproximando-se da faixa de R$ 4,05, adiciona ingredientes a essa discussão.

Ainda por aqui, o mercado aguarda a conclusão da votação da reforma da Previdência no Senado, prevista para acontecer até o fim do mês. Os investidores também esperam que outras pautas relevantes para o crescimento econômico do país entrem na agenda do Congresso, como a reforma tributária, o pacto federativo e as privatizações e concessões.

Confiança nos BCs

Recessão ou não, os investidores alimentam a perspectiva de que os principais bancos centrais terão ferramentas suficientes para evitar um colapso da economia global, lançando mão de estímulos para impulsionar a atividade, em meio ao cenário benigno da inflação. Para o mercado, só uma postura suave (“dovish”) na condução da política monetária pode contrabalançar os riscos que podem se materializar no horizonte à frente.

Porém, se a economia dos EUA continuar a perder ritmo, a percepção dos investidores em relação às condições de risco pode piorar. Ou seja, diante de uma recessão global ou falta de instrumentos de política monetária para estimular a economia mundial, a aversão aos ativos mais arriscados pode ser uma importante restrição à melhora dos mercados, em especial de países emergentes.

Esses sinais de arrefecimento mais acentuado nos EUA tornam mais relevante a participação do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, em diversos eventos no início desta semana. Também merece atenção a ata da reunião de setembro do Fed, quando o colegiado reforçou justamente a importância de acompanhar o contágio da atividade internacional na economia norte-americana. O documento sai na quarta-feira.

A ver, então, o que dizem os próximos indicadores econômicos e as autoridades monetárias ao longo desta semana, o que tende a deixar os negócios oscilando ao sabor dessas divulgações, sem uma direção definida. Ainda mais porque a semana termina com um feriado no Brasil, no sábado, e a próxima já começa com um feriado nos EUA, na segunda-feira que vem. Ao menos a China volta da longa pausa nacional.

Confira a seguir os principais destaques desta semana, dia a dia:

Segunda-feira: A semana começa com as tradicionais publicações domésticas do dia: relatório de mercado Focus (8h25) e dados semanais da balança comercial (15h). No exterior, o calendário está mais fraco, mas merece atenção o discurso do presidente do Fed, Jerome Powell. O feriado na China termina hoje e, no fim do dia, sai o índice do gerente de compras (PMI) no setor de serviços do país em setembro, medido pelo Caixin.

Terça-feira: A agenda doméstica traz o resultado de setembro do IGP-DI e os dados regionais da produção industrial em agosto. Já nos EUA, é a vez do índice de preços ao produtor (PPI) no mês passado. O presidente do Fed volta a discursar hoje, em outro evento. É esperada a divulgação dos dados da balança comercial chinesa no mês passado.

Quarta-feira: O resultado da inflação oficial ao consumidor brasileiro (IPCA) no mês passado é o destaque nacional. No exterior, as atenções se dividem entre mais um discurso de Powell e a ata da última reunião do Fed. Também saem os estoques no atacado norte-americano em agosto.

Quinta-feira: O desempenho das vendas no varejo brasileiro em agosto e a estimativa para a safra agrícola neste ano recheiam a agenda doméstica do dia, que traz também a primeira prévia deste mês do IGP-M. Nos Estados Unidos, é a vez do índice de preços ao consumidor (CPI).

Sexta-feira: A semana chega ao fim com os números do setor de serviços no país em agosto. No exterior, merece atenção a leitura preliminar do índice de confiança do consumidor norte-americano, medido pela Universidade de Michigan.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

O melhor do seu dinheiro

Um investimento raiz na bolsa, balanços a todo vapor e outras notícias que mexem com seu dinheiro hoje

A onda de polarização na sociedade não vem de hoje, mas ela já foi mais bem humorada. Houve um tempo não muito distante em que o mundo se dividia em dois grupos bem distintos: o “raiz” e o “nutella”. As expressões que viraram meme na internet comparavam a forma como as pessoas faziam as coisas […]

Índice geral de preços

IGP-M avança 0,78% em julho e acumula alta de 33,83% em 12 meses

O resultado é influenciado principalmente pelos efeitos sazonais, exportações e alta no Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA)

Esquenta dos Mercados

PIB e inflação dos EUA devem movimentar o dia enquanto temporada de balanços avança e anima mercados

E mais: China acalma medo regulatório dos investidores e bolsas da Ásia sobem, animando os índices pelo mundo

Contrato assinado

Petrobras assina contrato para venda da Gaspetro

O valor da venda é de R$ 2,03 bilhões, assinado com a empresa Compass Gás e Energia S.A.; o fechamento da transação está sujeito a aprovação pelo Cade

Estrada disputada

TCU aprova plano de concessão da Dutra e dá aval à isenção de pedágio para motos

Atualmente a rodovia é administrada pela CCR, mas contrato, que já foi prorrogado, se encerra no começo do próximo ano, e haverá um novo leilão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies