Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-07-25T07:32:15-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Doce rotina

Lucro do Bradesco supera projeções e atinge R$ 6,462 bilhões, alta de 25,2%

A rentabilidade do segundo maior banco privado brasileiro atingiu os 20,6%, maior patamar em 16 trimestres, mas crédito desacelera em relação aos três primeiros meses do ano

25 de julho de 2019
7:10 - atualizado às 7:32
Banco Bradesco
Imagem: Estadão Conteúdo / André Dusek

Com um forte desempenho da seguradora e inadimplência sob controle, o Bradesco registrou lucro líquido de R$ 6,462 bilhões no segundo trimestre. Trata-se de um crescimento de 25,2% em relação ao mesmo período do ano passado.

O resultado superou as projeções dos analistas, que já eram bem otimistas. A média das estimativas apontava para um lucro de R$ 6,224 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

A rentabilidade do segundo maior banco privado brasileiro atingiu os 20,6%, alta de 0,1 ponto percentual em relação ao primeiro trimestre e de 2,2 pontos na comparação com o mesmo período de 2018.

Trata-se do maior patamar em 16 trimestres e que mantém o Bradesco na cola do Santander pelo segundo lugar em rentabilidade na disputa entre os grandes bancos de varejo.

Crédito desacelera

Quem olha apenas para o resultado pode pensar que o Bradesco passou ileso pelo fraco desempenho da economia. Mas o ritmo de crescimento da carteira de crédito mostrou desaceleração entre abril e junho deste ano.

A margem financeira, que contabiliza as receitas com crédito e as operações de tesouraria, avançou 7,1% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

O saldo de financiamentos do banco atingiu R$ 560,5 bilhões em junho deste ano, um avanço de 2,2% no trimestre e de 8,7% em relação ao segundo trimestre do ano passado. Em março, o crescimento do crédito em 12 meses era de 12,7%.

Apesar do ritmo mais lento em relação ao começo do ano, ainda se trata de um ótimo resultado se levarmos em conta a conjuntura econômica. A expectativa do banco é de uma expansão entre 9% e 13% neste ano.

As linhas que mais crescem no banco são as voltadas para pessoas físicas, como o crédito pessoal, consignado, imobiliário e de veículos.

Assim como o Santander, a tesouraria do Bradesco mostrou que pode conseguir bons resultados mesmo em um ambiente de taxas de juros baixas. O resultado com as operações no mercado feitas com clientes e com o capital próprio do banco apresentou uma forte alta de 25,9%, para R$ 2,283 bilhões.

É seguro

A seguradora mais uma vez contribuiu para o aumento do lucro do Bradesco, com um resultado de R$ 3,594 bilhões, alta de 11,6% em relação ao mesmo período de 2018. Na comparação trimestral, porém, houve queda de 6,1%.

O avanço nos ganhos da seguradora em relação ao ano passado se deu principalmente do lado financeiro, com o maior ganho com a aplicação das reservas da companhia.

No primeiro semestre, o resultado com a área de seguros apresenta um aumento de 16,9%, bem acima da projeção divulgada pelo banco para este ano, que varia de 5% a 9%.

Inadimplência controlada

O fantasma da inadimplência, que levou os grandes bancos a registrarem uma rara queda nos lucros durante a crise, parece definitivamente controlado no Bradesco.

O índice de atraso acima de 90 dias na carteira do banco encerrou junho em 3,2%, queda de 0,1 ponto percentual no trimestre e de 0,7 ponto em 12 meses.

Os temores de que a recuperação judicial do Grupo Odebrecht poderia provocar algum estrago no balanço do Bradesco também não se confirmaram. As despesas do banco com provisões para calotes também estão comportadas e recuaram 0,1% em relação ao segundo trimestre do ano passado, para R$ 3,487 bilhões. No trimestre, houve uma redução de 3,2% na chamada PDD.

Tarifas e despesas

Talvez a linha do balanço sob maior pressão neste momento seja a de receitas com prestação de serviços, na qual o banco contabiliza os ganhos com a cobrança de tarifas dos clientes.

No segundo trimestre, as receitas foram de R$ 8,280 bilhões, uma alta de apenas 1,3% na comparação com igual período do ano passado. Ou seja, abaixo do piso da estimativa do banco para o ano, que varia de 3% a 7%.

As despesas operacionais também estão fora da meta estipulada pelo Bradesco. No segundo trimestre, elas somaram R$ 10,591 bilhões, um avanço de 6,8%, acima do crescimento de até 4% previsto para 2019.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

PÍLULA DO MERCADO

Enquanto o bitcoin (BTC) derrete mais de 40% em 2 meses, preço do petróleo bate recordes e pode subir ainda mais; veja 3 investimentos para buscar lucros com a alta

O ano novo não tem sido bom para o bitcoin e para o mercado das criptomoedas no geral, já o petróleo está explodindo e pode subir ainda mais; entenda a ligação entre esses movimentos

Mercados Hoje

Ibovespa abre em queda com aumento da tensão na Rússia e de olho na próxima reunião do Fed; dólar avança

Na agenda da semana, a inflação medida pelo IPCA-15 e pelo PCE, nos Estados Unidos, são o grande destaque dos próximos dias

ENTREGAS DO FUTURO

Não é coisa de filme: iFood poderá fazer delivery de alimentos e produtos por drones em todo o Brasil

A empresa será a primeira empresa da América Lativa a realizar entregas através de drones não tripulados por todo o território nacional

Tendências da bolsa

AGORA: Em linha com exterior negativo, Ibovespa futuro abre em queda e dólar sobe hoje; bitcoin (BTC) aprofunda queda do fim de semana

Na agenda da semana, a inflação medida pelo IPCA-15 e pelo PCE, nos Estados Unidos, são o grande destaque dos próximos dias

Empréstimo

Gol acerta financiamento de US$ 600 milhões para renovar frota de aviões

Empresa aérea usará o dinheiro para financiar a aquisição de 12 novas aeronaves Boeing 737 MAX 8, a uma taxa de juros menor que o custo atual da frota

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies