🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela o nome da ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

2019-07-25T07:32:15-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Doce rotina

Lucro do Bradesco supera projeções e atinge R$ 6,462 bilhões, alta de 25,2%

A rentabilidade do segundo maior banco privado brasileiro atingiu os 20,6%, maior patamar em 16 trimestres, mas crédito desacelera em relação aos três primeiros meses do ano

25 de julho de 2019
7:10 - atualizado às 7:32
Banco Bradesco
Imagem: Estadão Conteúdo / André Dusek

Com um forte desempenho da seguradora e inadimplência sob controle, o Bradesco registrou lucro líquido de R$ 6,462 bilhões no segundo trimestre. Trata-se de um crescimento de 25,2% em relação ao mesmo período do ano passado.

O resultado superou as projeções dos analistas, que já eram bem otimistas. A média das estimativas apontava para um lucro de R$ 6,224 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

A rentabilidade do segundo maior banco privado brasileiro atingiu os 20,6%, alta de 0,1 ponto percentual em relação ao primeiro trimestre e de 2,2 pontos na comparação com o mesmo período de 2018.

Trata-se do maior patamar em 16 trimestres e que mantém o Bradesco na cola do Santander pelo segundo lugar em rentabilidade na disputa entre os grandes bancos de varejo.

Crédito desacelera

Quem olha apenas para o resultado pode pensar que o Bradesco passou ileso pelo fraco desempenho da economia. Mas o ritmo de crescimento da carteira de crédito mostrou desaceleração entre abril e junho deste ano.

A margem financeira, que contabiliza as receitas com crédito e as operações de tesouraria, avançou 7,1% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

O saldo de financiamentos do banco atingiu R$ 560,5 bilhões em junho deste ano, um avanço de 2,2% no trimestre e de 8,7% em relação ao segundo trimestre do ano passado. Em março, o crescimento do crédito em 12 meses era de 12,7%.

Apesar do ritmo mais lento em relação ao começo do ano, ainda se trata de um ótimo resultado se levarmos em conta a conjuntura econômica. A expectativa do banco é de uma expansão entre 9% e 13% neste ano.

As linhas que mais crescem no banco são as voltadas para pessoas físicas, como o crédito pessoal, consignado, imobiliário e de veículos.

Assim como o Santander, a tesouraria do Bradesco mostrou que pode conseguir bons resultados mesmo em um ambiente de taxas de juros baixas. O resultado com as operações no mercado feitas com clientes e com o capital próprio do banco apresentou uma forte alta de 25,9%, para R$ 2,283 bilhões.

É seguro

A seguradora mais uma vez contribuiu para o aumento do lucro do Bradesco, com um resultado de R$ 3,594 bilhões, alta de 11,6% em relação ao mesmo período de 2018. Na comparação trimestral, porém, houve queda de 6,1%.

O avanço nos ganhos da seguradora em relação ao ano passado se deu principalmente do lado financeiro, com o maior ganho com a aplicação das reservas da companhia.

No primeiro semestre, o resultado com a área de seguros apresenta um aumento de 16,9%, bem acima da projeção divulgada pelo banco para este ano, que varia de 5% a 9%.

Inadimplência controlada

O fantasma da inadimplência, que levou os grandes bancos a registrarem uma rara queda nos lucros durante a crise, parece definitivamente controlado no Bradesco.

O índice de atraso acima de 90 dias na carteira do banco encerrou junho em 3,2%, queda de 0,1 ponto percentual no trimestre e de 0,7 ponto em 12 meses.

Os temores de que a recuperação judicial do Grupo Odebrecht poderia provocar algum estrago no balanço do Bradesco também não se confirmaram. As despesas do banco com provisões para calotes também estão comportadas e recuaram 0,1% em relação ao segundo trimestre do ano passado, para R$ 3,487 bilhões. No trimestre, houve uma redução de 3,2% na chamada PDD.

Tarifas e despesas

Talvez a linha do balanço sob maior pressão neste momento seja a de receitas com prestação de serviços, na qual o banco contabiliza os ganhos com a cobrança de tarifas dos clientes.

No segundo trimestre, as receitas foram de R$ 8,280 bilhões, uma alta de apenas 1,3% na comparação com igual período do ano passado. Ou seja, abaixo do piso da estimativa do banco para o ano, que varia de 3% a 7%.

As despesas operacionais também estão fora da meta estipulada pelo Bradesco. No segundo trimestre, elas somaram R$ 10,591 bilhões, um avanço de 6,8%, acima do crescimento de até 4% previsto para 2019.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Política monetária

Bancos centrais podem elevar riscos ao aumentar juros ao mesmo tempo

25 de setembro de 2022 - 16:37

Economistas alertam que os bancos centrais como um grupo irão longe demais e empurrarão a economia mundial para uma recessão mais profunda do que o necessário

Exclusivo Seu Dinheiro

Dividendos expressivos daqui para frente: fundo imobiliário (FII) está barato, tem potencial de disparar e pode se tornar a fonte de renda extra que você precisa; conheça

25 de setembro de 2022 - 15:00

Artigo produzido por colunista do Seu Dinheiro destaca 5 razões para você acreditar no crescimento de um FII que está bem descontado

Investigação

CVM muda entendimento e vê fraude em operações de criptomoedas do ‘Faraó dos Bitcoins’

25 de setembro de 2022 - 12:54

Mudança de postura da CVM é vista com atenção por sinalizar como o colegiado vai reagir em outros casos envolvendo criptoativos

Sem pânico

Nubank faliu? Entenda o que está acontecendo com a empresa

25 de setembro de 2022 - 11:41

A migração de BDRs do Nubank na bolsa brasileira se transformou num medo coletivo do banco digital fechar as portas no Brasil. Entenda

COM A PALAVRA, PROFESSOR BARONI

‘Já passou da hora de alguns gestores autoliquidarem fundos imobiliários’: o que pensa um dos maiores especialista de FIIs do país sobre a consolidação da indústria

25 de setembro de 2022 - 10:00

Professor Baroni, o analista e especialista em FIIs da Suno Research, discutiu o excesso de opções no mercado em evento do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies