Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-26T15:48:19-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Mercado de capitais

Mais aquisições no radar? Hapvida quer captar até R$ 2,6 bilhões em oferta de ações

Com sede em Fortaleza (CE) e pouco mais de 4 milhões de beneficiários, a Hapvida vai usar o dinheiro da oferta para reforçar o caixa, de olho em novas oportunidades no mercado

13 de julho de 2019
11:43 - atualizado às 15:48
médico/hapvida
Imagem: Shutterstock

De olho em novas aquisições, a operadora de planos de saúde Hapvida engrossou a fila de empresas com planos de realizar ofertas de ações na bolsa. A companhia pretende captar até R$ 2,6 bilhões de investidores na operação, com base na cotação de fechamento dos papéis (HAPV3) na sexta-feira (R$ 41,99).

Todos os recursos captados irão para o caixa da Hapvida. Ou seja, não haverá uma uma oferta secundária, com a venda de ações dos controladores da empresa.

A Hapvida pretende usar o dinheiro para financiar futuras aquisições "que possam contribuir para a execução de sua estratégia de expansão para novos mercados".

Com sede em Fortaleza (CE) e pouco mais de 4 milhões de beneficiários em planos de saúde e planos odontológicos, a Hapvida abriu o capital em em abril de 2018, também com o plano de crescer via aquisições.

Mas demorou até maio deste ano para realizar o primeiro grande negócio, com a compra do Grupo São Francisco, por R$ 5 bilhões. No mês seguinte, anunciou a aquisição do Grupo América por R$ 426 milhões.

A Hapvida também quer usar os recursos da oferta de ações para reforçar o próprio balanço e das companhias recém adquiridas ou em processo de aquisição. No ano, os papéis da companhia acumulam uma valorização de 36,19% na B3.

A oferta da empresa será realizada com esforços restritos de colocação. Isso significa que você não poderá investir diretamente, já que a participação é limitada a até 50 investidores, que possuem pelo menos R$ 10 milhões para aplicar.

As companhias se valem dessa prerrogativa porque as ofertas restritas dispensam o registro prévio na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o que acelera o processo. A definição do preço por ação está previsto para o dia 24 de julho.

A oferta da Hapvida será inicialmente de 46,440 milhões de ações, o equivalente a R$ 1,950 bilhão. Mas pode ser ampliada em até 35% dependendo da demanda dos investidores. A operação é coordenada pelos bancos BTG Pactual, BofA Merrill Lynch, Goldman Sachs e Santander.

Além da empresa de planos de saúde, a locadora de veículos Movida anunciou recentemente a intenção de realizar uma oferta de ações na bolsa. Quem também anunciou recentemente os planos de captar dinheiro de investidores com a venda de ações no mercado foi o grupo de resseguros IRB Brasil., além da rede de postos de combustível BR Distribuidora.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies