Menu
Alexandre Mastrocinque
Que Bolsa é essa?
Alexandre Mastrocinque
É economista, contador e especialista em investimento em ações
2019-04-04T14:24:36-03:00
Que bolsa é essa?

Amor Estranho Amor: entre a bolsa e o CDI, fique com os dois!

Nenhum portfólio decente vai ter só Tesouro Selic ou só ações do Itaú. Não são melhores, inimigos ou adversários. São classes de ativos complementares, com características e finalidades distintas

8 de fevereiro de 2019
6:02 - atualizado às 14:24
cotações em painel de bolsa de valores
Bolsa de valores - Imagem: Shutterstock

Uma modelo, um gestor de ações e um PhD entram no (bar?) Twitter.

O que tinha potencial para ser uma boa piada se tornou uma discussão inócua e clubística entre defensores da Bolsa e do CDI. No fim, baixou o nível total, com dedo no olho, mordida, pescotapa e acusações de cunho pessoal. Teve até perfil voltando do mundo dos mortos.

Foi uma mistura tupiniquim entre a Fogueira das Vaidades, Wall Street e um episódio do Chaves.

Um Fla-Flu financeiro. Quem diria...

O Brasil estragou o Orkut e vai acabar com o Twitter. Mas faz parte – como dizia o poeta “se não fossem as tretas na TL, a Internet seria apenas uma coleção de pornografia entremeada com vídeos de gatos fazendo coisas fofas”.

O que diz o Time Bolsa

O Time Bolsa saiu logo atacando – “me diga alguém que ficou rico com o CDI”. A proposição é absurda porque ausência de evidência não é evidência de ausência – o fato de você não conhecer pessoas que enriqueceram com o CDI não quer dizer que elas não existam e, mesmo que elas não existam, não quer dizer que seja impossível.

Pior: o CDI não é um índice com uma cesta de ativos de renda fixa; é apenas a taxa básica da economia brasileira. O mercado de títulos privados já deixou muita gente rica, talvez até mais do que a Bolsa – Bill Gross, fundador da Pimco, pode te falar um pouco sobre como, nos anos 1980, o glamour e os retornos milionários estavam quase todos nos títulos corporativos, enquanto o mercado de ações ainda engatinhava em Wall Street.

No Brasil, não foram poucos que ganharam com debêntures da Vale, precatórios ou qualquer outra brecha que tenha surgido entre um plano econômico maluco e outro.

O que diz a galera do CDI

Já a galerinha do CDI contra-atacou com planilhas, milhões (sim, milhões) de janelas temporais e um rigor científico capaz de fazer Sheldon Cooper salivar – “o CDI ganhou do Ibovespa em 89,35% de minhas simulações, feita com algoritmos da Nasa e chancelado pelo astronauta-ministro Marcos Pontes”.

Amigo, o Ibovespa, até pouco tempo atrás, era um índice muito ruim. Um macaco caolho bem treinado bateria o índice antes dos ajustes de metodologia – OGX teve peso relevante no Ibovespa entre 2010 e 2013!

Ibovespa não é Bolsa.

O ciclo é longo

Se for para brincar, ao menos pegue o Ibrx 100 que, desde sua criação, em 1996, deu 3.579% contra 1.928% do Ibovespa. O problema é que a janela é curta – longo prazo para Bolsa é longo prazo de verdade. Só lembre sempre de que os ciclos são muito longos e qualquer coisa que leve menos do que 20 anos não é um bom indicativo.

Além disso, a Bolsa tem uma coisa que não entra em conta nenhuma: a convexidade. Um grande acerto é suficiente para resolver a sua vida. Uma boa ação, comprada na hora certa, vai te dar 10x, 15x, 20x de retorno e isso não tem nada a ver com bilhete de loteria.

A Mega Sena é desenhada para que o valor da aposta seja maior do que o retorno esperado do bilhete. É uma combinação matemática: 1 em 50 milhões; R$ 3,50 por aposta e um prêmio de, sei lá, R$ 10 milhões.

Na Bolsa, as probabilidades não são artificiais – o mundo real não cabe nos seus modelos e a sua planilha de Excel é incapaz de antecipar os 46.303% de retorno que a Weg deu desde 1994 (a título de curiosidade, o CDI deu 4.947% e o Ibovespa deu 2.032% no mesmo período).

Eu desconfio de que nenhum ativo de renda fixa tenha batido o desempenho de Weg nessa janela e, você pode me trazer sharpe, retorno ajustado pelo risco, variância, correlação e etc., mas 46 mil porcento é retorno pra caralho!

Comprar Bolsa é uma questão de disciplina: gosta do ativo, compra. Se cair, compra mais. Espera. Acha outro ativo. Estuda. Compra. Se repetir o processo algumas vezes ao longo de 20 anos, vai se dar bem: um acerto de 20x compensa um sem-número de erros no meio do caminho.

Temos vários casos de gente que ficou rica assim. Quantos milionários não fizeram as ações do Itaú e Magazine Luiza?

Perdoem a expressão em inglês, mas não conheço uma tradução decente: money talks and bullshit walks – o dinheiro na conta desses caras vale muito mais do que modelos e simulações sofisticados. Ensinar pássaros a voar é muita arrogância para o meu gosto.

“Ah mas para cada milionário da Bolsa, deve ter uns 200 que quebraram”. Possível. Mas deve ter um igual número de gente que não saiu do lugar comprando CDB e guardando dinheiro na poupança.

Parta para a poligamia

Além de todos esses pontos, a discussão é ainda mais inútil pelo simples fato de que você pode amar o CDI e rastejar pelo Ibovespa mas, sinto te desapontar, nenhum dos dois dá a mínima para você.

Diferentemente de namorados e namoradas, os ativos financeiros não são possessivos. Pergunte às paredes do Café Photô: monogamia é uma palavra quase que proibida na Faria Lima.

Nenhum portfólio decente vai ter só Tesouro Selic ou só ações do Itaú. Não são melhores, inimigos ou adversários. São classes de ativos complementares, com características e finalidades distintas.

Se já não faz sentido brigar por causa de futebol, imagina perder seu tempo xingando um usuário com o nome “Phodão da Bolsa” que, provavelmente, não dormiu à noite depois do recuo de 3,7% do Ibovespa na última quarta-feira (6).

Vá para casa e tire uma soneca. É certamente muito mais produtivo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Fica como está

Cade rejeita recurso do MPF e mantém aprovação da compra da Embraer pela Boeing

Relator do processo entendeu que a lei não permite que o MPF recorra em casos de atos de concentração já aprovados

Puxando para baixo

FMI prevê economia global com recuperação frágil e dominada por riscos baixistas

Informação faz parte de um relatório produzido pela entidade para a reunião dos líderes das economias do G-20, marcada para esta semana

Aos números

Lucro da Caixa aumenta 20,6% em 2019 e chega a R$ 14,7 bilhões

Ano do banco foi marcado por uma agenda de vendas de ativos e devolução de recursos

mudança no calendário

CCJ adia votação da PEC de fundos para março após relator retirar mudança no teto

Votação da medida na comissão foi adiada para 4 de março; relator havia proposto que, por um ano, as despesas a serem desvinculadas de fundos obrigatórios não se sujeitariam à regra do teto

Balanço

Gerdau tem lucro de R$ 102 milhões no 4º trimestre

A Gerdau reportou lucro líquido de R$ 102 milhões no quarto trimestre de 2019, queda de 73% sobre igual trimestre de 2018. No ano de 2019, o lucro líquido foi de R$ 1,216 bilhão. O valor representa queda de 47,69% na comparação com o resultado de R$ 2,326 bilhões de igual período do ano anterior. […]

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Balanço

Telefônica tem lucro recorrente contábil de R$ 1,396 bilhões no 4º trimestre

Dona da marca Vivo, a Telefônica Brasil reportou lucro líquido recorrente contábil de R$ 1,396 bilhão no quarto trimestre de 2019, queda de 9,9% na comparação com o mesmo período de 2018

Bolsa e dólar hoje

Ibovespa opera em alta, puxado pelo bom humor externo e pelo noticiário corporativo; dólar sobe a R$ 4,37

Dólar busca novas máximas, ultrapassando o patamar de R$ 4,35, enquanto Ibovespa segue o bom humor externo

Exile on Wall Street

A coisa mais importante é…

Persigo uma coisa, obstinadamente: levar ao investidor pessoa física ideias para aplicar seu dinheiro tão boas ou até melhores do que aquelas anteriormente restritas aos profissionais

Balanço

IRB anuncia programa de recompra de até 5% das ações em circulação

Empresa reforça aposta nas ações, que acumulam queda de 19% em fevereiro, após carta da gestora Squadra que questionou números do balanço

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu