Menu
2019-04-20T15:10:42-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Balanço

Cielo tem lucro de R$ 3,3 bilhões em 2018, queda de 19% e abaixo da expectativa

Empresa de maquininhas de cartão controlada por Banco do Brasil e Bradesco sofre com aumento da concorrência. Projeção média dos analistas apontava para um lucro de R$ 3,5 bilhões no ano

28 de janeiro de 2019
20:21 - atualizado às 15:10
Prédio da Cielo
Imagem: Cielo/Divulgação

Sob pressão diante do aumento da concorrência, a empresa de maquininhas de cartão Cielo, controlada por Banco do Brasil e Bradesco, registrou lucro de R$ 3,286 bilhões no ano passado. Trata-se de uma queda de 19% em relação a 2017.

O resultado também ficou abaixo da média das projeções dos analistas, que apontava para um lucro de R$ 3,506 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

O volume de transações nos cartões de crédito e débito realizadas com as maquininhas da Cielo registrou aumento de apenas 0,5% em 2018, para R$ 616,7 bilhões.

A geração de caixa medida pelo Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) caiu 12,2% na comparação anual, para R$ 4,635 bilhões.

Enquanto a receita ficou praticamente estável, as despesas da Cielo aumentaram 9,8%. Com isso, a margem da geração de caixa recuou 5,8 pontos percentuais, para 39,7%.

O retorno (yield) de receita líquida da empresa caiu para abaixo de 1% e encerrou o ano em 0,96%. Esse é um sinal de que a Cielo precisou baixar mais os preços diante da concorrência.

Apesar da piora nos números, a companhia conseguiu aumentar a base total instalada de equipamentos, que encerrou o ano em 1,821 milhão de unidades, dos quais 1,198 milhão estão ativos.

Esse avanço foi resultado principalmente do aumento no número de terminais vendidos, que saiu de zero no fim de 2017 para 224 mil (ativos). Já a base de maquininhas alugadas ativas recuou de 1,151 milhão de unidades para 974 mil em dezembro do ano passado.

Dividendos

Com uma queda da ordem de 60% no ano passado, as ações da Cielo registraram a maior baixa entre as que compõem o Ibovespa, mas neste ano ensaiam uma recuperação. Resta saber se o mercado vai encontrar no balanço algum indício de que a empresa vai sair vitoriosa da "guerra das maquininhas".

Mesmo com a queda no lucro, a Cielo vai pagar o maior dividendo da história aos acionistas, no valor de R$ 3,5 bilhões. A última parcela, de R$ 875 milhões, será paga neste trimestre.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Esse tal de BDR

O mercado financeiro adora usar termos e siglas em inglês, talvez para tornar a coisa mais difícil do que realmente é. Nos últimos dias você já deve ter lido, inclusive aqui no Seu Dinheiro, sobre um tal de BDR. As três letras vêm de Brazilian Depositary Receipts. O quê? Calma, nós chegamos lá. O BDR é […]

As queridinhas

Tesla, Apple e Mercado Livre são os BDRs mais negociados no 1º dia de mercado aberto a todos os investidores

Empresas de tecnologia dominaram o primeiro dia de negociações liberadas a qualquer investidor, que teve volume superior à média

embalou

Ibovespa fica perto dos 102 mil pontos com disparada dos bancos e alta em NY; dólar cai abaixo do R$ 5,60

Papéis de Itaú, Banco do Brasil e Bradesco terminam sessão entre as cinco maiores altas do índice, que fechou perto da máxima; moeda americana recua 0,36% e juros sobem em dia de leilão do Tesouro e à espera de novidades fiscais. Lá fora, expectativa para estímulos alivia bolsas americanas

A novela continua

Casa Branca ainda vê ‘divergências significativas’ com democratas sobre estímulos

Kudlow disse que entre as divergências estão verba para Estados democratas em dificuldades e garantias contra processos para empresas na reabertura.

de olho no 3º tri

BofA vê espaço para que Notre Dame Intermédica siga crescendo e eleva preço-alvo

Bank of America vê espaço para que o GNDI continue ganhando mercado e aumente a sua presença em novas regiões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies