Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-20T16:38:09-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mercados hoje

Montanha-russa: Ibovespa ensaia melhora com Fed, mas Previdência dos militares derruba índice

A postura do Federal Reserve trouxe alívio às negociações no meio da tarde, mas a tensão em relação à previdência dos militares pesou sobre o índice na reta final do pregão

20 de março de 2019
10:22 - atualizado às 16:38
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa - Imagem: Seu Dinheiro

Para quem gosta de reviravoltas, o Ibovespa foi um prato cheio nesta quarta-feira. E não à toa: o noticiário carregado, trazendo elementos ora favoráveis, ora desfavoráveis, fez com que o índice mostrasse fortes oscilações, especialmente na reta final do pregão. E o saldo, ao fim do dia, foi negativo, com o principal índice da bolsa brasileira fechando em queda de 1,55%, aos 98.041,38 pontos.

Fica mais fácil dividir o dia em três atos. No primeiro, a cautela antes da reunião de política monetária do Federal Reserve fez o Ibovespa e as bolsas americanas assumirem um tom negativo. No segundo, o alívio após o Fed sinalizar que não pretende subir os juros do país em 2019 deu força às negociações — o Ibovespa chegou a tocar o terreno positivo, e os mercados americanos viraram para alta. No terceiro, as dúvidas referentes à reforma da Previdência e ao projeto para os militares trouxeram nova onda de preocupação, derrubando o índice.

E por que a proposta dos militares influenciou negativamente a bolsa?

O projeto entregue pelo governo prevê uma economia líquida de R$ 10,45 bilhões em 10 anos com toda a reestruturação da carreira. Nessa conta, o governo espera economizar R$ 97,3 bilhões com as mudanças nas aposentadorias, mas deverá gastar R$ 86,85 bilhões com a reestruturação da carreira, que incluiria reajustes com benefícios e salários.

Analistas e operadores apontam que a cifra de R$ 10,45 bilhões frustrou as expectativas. Além disso, o tom assumido pelo presidente Jair Bolsonaro ao entregar a proposta ao Congresso também foi alvo de críticas, em especial a declaração de que os militares já passaram por uma reforma previdenciária mais dura do que a que tramita atualmente no Parlamento para os trabalhadores civis.

"A bolsa já estava esticada e, hoje, com a entrega da proposta e as declarações dos membros do governo, ficou um clima de falta de entendimento", diz um operador. A opinião é compartilhada por um analista que prefere não ser identificado, que se resumiu a dizer que "o mercado esperava algo bem mais robusto".

As informações referentes à reforma dos militares, reveladas nos últimos minutos do pregão, trouxeram uma dose redobrada de cautela ao Ibovespa: por volta de 16h30, o índice chegou a cair aos 97.980,93 pontos (-1,61%), na pior cotação do dia. Nos minutos seguintes, tentou alguma recuperação, mas acabou fechando perto das mínimas intradiárias — os resultados da pesquisa Ibope mostrando que a popularidade do governo Bolsonaro caiu 15 pontos em dois meses também foram citados como fator extra de preocupação.

Esse tom negativo contrasta com o que era visto por volta das 16h, quando o Ibovespa aparecia na faixa dos 99 mil pontos. Essa calmaria do meio da tarde estava relacionada ao exterior: o tom paciente do Fed trouxe alívio aos mercados, especialmente os emergentes, que temiam que uma postura mais agressiva da autoridade americana gerasse um "aspirador de liquidez".

O efeito Fed foi mais duradouro nos mercados de câmbio e juros. O dólar à vista fechou em queda de 0,57%, aos R$ 3,7676. No mercado de juros, os DIs longos tiveram forte ajuste negativo: as curvas com vencimento em janeiro de 2025 recuaram de 8,52% para 8,46% e os DIs para janeiro de 2023 tiveram queda de 7,962% para 7,86%. Entre as curvas curtas, os DIs para janeiro de 2020 tiveram baixa de 6,36% para 6,325%, e os para janeiro de 2021 caíram de 6,901% para 6,85%.

"Essa montanha-russa foi pela soma do Fed dovish e por um receio em relação a parte da reforma dos militares", resume Álvaro Frasson, analista da Necton.

Nos Estados Unidos, o Dow Jones fechou em queda de 0,55%, o S&P teve perda de 0,29% e o Nasdaq subiu 0,06% — as bolsas americanas também perderam força na reta final do pregão, após a euforia inicial com o Fed. Na Europa, o índice Stoxx 600 teve queda de 0,9%.

Minério em queda afeta Vale e siderúrgicas

As ações ON da Vale fecharam em queda de 2,58% e pressionaram o Ibovespa, assim como os papéis PN da Gerdau (-1,45%) e PNA da Usiminas (-1,83%). Considerando as incertezas locais e a perda de 3,36% no preço do minério de ferro na China, o mercado aproveitou para realizar parte dos ganhos recentes nesses papéis. CSN ON, por sua vez, conseguiu sustentar alta de 1,4%.

No acumulado da semana, contudo, esses segmentos ainda têm altas expressivas, com destaque para CSN ON, que sobe mais de 20%, e Usiminas PNA, com ganho de 11,7% — Vale ON sobe 7% desde segunda-feira.

Petrobras sobe com petróleo

Já as ações da Petrobras tiveram desempenho misto: enquanto Petrobras ON, teve alta de  0,61%, Petrobras PN recuou 0,79%. Os ganhos das ações ordinárias, mais negociadas pelos investidores estrangeiros, parecem estar relacionados à alta de 1,59% do petróleo WTI. Já os papéis PN sofreram com maior intensidade as oscilações de humor do mercado local.

Bancos seguem em queda

O tom de maior cautela afetou negativamente as ações do setor bancário, que, em geral, assumiram um papel secundário no rali que levou o Ibovespa aos 100 mil pontos. As ações PN do Bradesco caíra 2,71%, as ON do Banco do Brasil recuaram 12,24% e as PN do Itaú Unibanco tiveram perda de 2,25%.

 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Ivan Sant'Anna

Bitcoin ou ouro? A verdadeira reserva de valor que você precisa ter entre os seus investimentos

Quando alguém fala em reserva de valor, deve ter em mente que se refere a ativos cotados na moeda do país em que o investidor vive, ganha e gasta.

Polêmica

Reserva de emergência e aplicações de curto prazo: CDB 100% do CDI pode ser melhor que Tesouro Selic?

Com a Selic mais alta, vale a pena voltar a discutir qual a opção ideal para a reserva de emergência; e, nesse sentido, os CDBs que pagam 100% do CDI com liquidez diária podem sim ser uma boa pedida

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies