Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-06T09:20:18-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
alô, é o lucro

Lucro ajustado da TIM cresce 61% e chega a R$ 619 milhões no 3º trimestre

As principais alavancas para este desempenho foram o aumento da receita no serviço móvel e fixo, aliado a um forte controle de custos e despesas

6 de novembro de 2019
7:06 - atualizado às 9:20
tim brasil
Imagem: Shutterstock

A TIM Brasil teve lucro normalizado de R$ 619 milhões no terceiro trimestre de 2019, representando uma alta de 61,4% na mesma base de comparação. As principais alavancas para este desempenho foram o aumento da receita nos serviços móvel e fixo, aliado a um forte controle de custos e despesas.

O lucro líquido recuou 48,5% em relação ao mesmo período de 2018, chegando R$ 687 milhões, refletindo uma distorção na base de comparação. A TIM havia apurado um crédito fiscal extraordinário de R$ 950 milhões no terceiro trimestre do ano passado, o que havia feito seu resultado disparar no balanço na comparação anual.

Mesmo assim, o lucro líquido do terceiro trimestre de 2019 superou as expectativas dos analistas de R$ 584,5 milhões, segundo a Bloomberg.

Nesta terça-feira, no pregão antes da divulgação dos resultados do trimestre, as ações ON da TIM fecharam o dia cotadas a R$ 11,95. No ano a valorização dos papéis é da ordem de 4,26%. Veja como deve ser o dia dos mercados na Bula dos Mercados.

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) normalizado no terceiro trimestre somou R$ 1,718 bilhão, crescimento de 6,8%. E a receita líquida consolidada totalizou R$ 4,337 bilhões, alta de 2,3%.

A TIM apresentou ainda um fluxo de caixa operacional livre normalizado de R$ 1,091 bilhão no trimestre, alta de 20,1%. O investimento totalizou R$ 924 milhões, um crescimento de 6,7%, voltado principalmente para expansão das redes.

A dívida líquida totalizou R$ 1,933 bilhão, queda de R$ 842 milhões em um ano, devido à amortização de débitos e à melhora da situação do caixa.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies