Menu
2019-11-01T19:36:15+00:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Anote na agenda

Itaú, Banco do Brasil, BRF e mais 13 empresas divulgam balanços nesta semana

Temporada de resultados entra na terceira semana ainda mais agitada com dois dos principais bancos do país divulgando seus números. Saiba o que esperar dos balanços

4 de novembro de 2019
5:53 - atualizado às 19:36
balanços
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A terceira semana da temporada de balanços promete ser mais agitada, com 16 empresas do Ibovespa apresentando seus resultados do terceiro trimestre do ano.

A lista conta com companhias de peso, como a incorporadora Cyrela, que solta números na quinta-feira (7) juntamente com a aérea Azul. No setor bancário, BTG Pactual divulga resultados na terça-feira (5) e, fechando os balanços dos “bancões”, Itaú Unibanco (segunda-feira) e Banco do Brasil (quinta-feira) completam a lista.

Vale a pena ficar de olho em pelo menos três desses balanços trimestrais: Itaú, Banco do Brasil e BRF. Separei as principais estimativas de analistas consultados pela Bloomberg sobre cada negócio, além de algumas considerações sobre o que esperar deles.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Itaú: sete é o novo normal?

O maior banco privado do país deve romper mais uma vez a marca dos R$ 7 bilhões de lucro líquido no terceiro trimestre de 2019. As projeções de analistas - de resultado em R$ 7,120 bilhões - apontam para uma alta de mais de 15% na comparação com os R$ 6,146 bilhões registrados no mesmo período do ano passado.

Agora, quando o assunto é rentabilidade, o bancão pode trazer algumas decepções. As estimativas de analistas apontam que o retorno sobre patrimônio deve alcançar 22,39% no terceiro período do ano, número abaixo dos 23,5% do segundo trimestre. Mesmo assim, a instituição deve se manter líder de mercado nesse quesito.

Falando sobre rentabilidade, o assunto tem provocado incômodos entre os investidores de grandes bancos, sobretudo diante da crescente concorrência no setor financeiro. O grande temor é que a era dos lucros bilionários dos bancões esteja ameaçada depois que as chamadas fintechs tomaram uma parte da clientela. Os mais alarmistas temem inclusive a própria sobrevivência das instituições nesse cenário.

Diante dos desafios, a promessa da diretoria do Itaú é de inovação e manutenção da liderança em rentabilidade, seja qual for o resultado da transformação pela qual passa o setor financeiro. O banco inclusive anunciou na sexta-feira a compra da startup mineira Zup por R$ 575 milhões.

Outro dado importante, e que merece sua atenção na hora de analisar o balanço que sai nesta segunda-feira, é o desempenho de crédito do banco. O Itaú acabou deixando a desejar no balanço do segundo trimestre, com um volume mais lento do que o esperado, o que azedou um pouco o humor dos investidores.

Para você ter uma ideia, o banco encerrou junho com R$ 659,7 bilhões em financiamentos, um avanço de 5,9% em 12 meses. Só que a projeção de crescimento feita pela própria instituição financeira para este ano varia de 8% a 11%.

Projeções para o Itaú Unibanco

  • Lucro líquido: R$ 7,120 bilhões (↑13,68%)
  • Rentabilidade: 22,39% (↓1,11 p.p.)

Banco do Brasil: pisada no freio?

O BB foi uma das gratas surpresas do mercado na temporada de balanços do segundo trimestre, superando as principais estimativas dos analistas e alcançando R$ 4,4 bilhões de lucro líquido e 17,6% de rentabilidade.

O banco, que vem no embalo de uma oferta de ações bilionária, ao que tudo indica terá um terceiro trimestre marcado por aquela pisada de freio, com números um pouco mais modestos, ainda que bastante positivos.

Os analistas projetam um lucro líquido de R$ 4,328 bilhões, ligeiramente abaixo do segundo trimestre mas 37% acima dos resultados no mesmo período do ano passado. Já em termos de rentabilidade, o banco estatal deve fechar setembro em 16,9%.

Dê atenção especial ao índice de inadimplência do Banco do Brasil, que no segundo trimestre apresentou piora acentuada pelo segundo período consecutivo. O indicador passou de 2,58% em março para 3,25% em junho. Na época, a instituição justificou o número negativo por um caso específico na carteira de pessoa jurídica (o Banco do Brasil é uma das instituições mais expostas à Odebrecht, que entrou com pedido de recuperação judicial, em junho).

Projeções para o Banco do Brasil

  • Lucro líquido: R$ 4,328 bilhões (↑37%)
  • Rentabilidade: 16,91% (↑3,49 p.p.)

BRF: a superação continua

A palavra de ordem na BRF em 2019 parece ser mesmo superação. Depois de amargar prejuízos bilionários em 2018, a processadora de carnes conseguiu lucrar novamente no segundo trimestre deste ano, e no período de julho a setembro tem tudo para manter essa trajetória positiva.

As estimativas apontam para um lucro de R$ 191,6 milhões no período, resultado bastante positivo quando comparado ao prejuízo de R$ 841 milhões no mesmo trimestre do ano passado.

Já a geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) deve passar de R$ 604 milhões um ano antes para R$ 1,118 bilhão agora.

Vale lembrar que grande parte dessa recuperação é reflexo do processo de desalavancagem da companhia, iniciado no segundo semestre de 2018. Os resultados já são visíveis: a alavancagem - relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado - teve queda expressiva de março para junho, indo de 5,64 vezes a 3,73 vezes.

Projeções para a BRF

  • Lucro líquido: R$ 191,6 milhões (prejuízo de R$ 841 milhões no mesmo período do ano passado)
  • Receita líquida: R$ 8,716 bilhões (↓0,59% )
  • Ebitda: R$ 1,118 bilhão (↑45,97%)

Fique de olho nos balanços

Confira também as estimativas dos analistas consultados pela Bloomberg para as demais empresas listadas no Ibovespa:

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Novidades

Fusão entre Boeing e Embraer consegue aprovação em grande mercado

O acordo entre ambas aparece na lista de transações que data de 19 de novembro. No documento, as transações são colocadas como “aprovadas sem condicionantes”

Seu Dinheiro na sua noite

126…144…197 mil pontos para o Ibovespa

Eu vou, sem saber pra onde nem quando vou parar. O clássico de Roberto Carlos “120… 150… 200 Km Por Hora” podia muito bem embalar a leitura desta newsletter. Assim como o velocímetro do carro na canção do Rei (uma das minhas favoritas), as projeções dos analistas para a bolsa no ano que vem apontam para cima. […]

Quanto vale o show?

Plataforma de investimentos do BTG Pactual pode valer até R$ 10 bilhões, calcula UBS

Banco suíço iniciou a cobertura das ações do BTG Pactual, que já triplicaram de valor neste ano, com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 82,00

Emprego

Mercado de trabalho cria 70.852 empregos com carteira assinada em outubro

Esse foi o melhor resultado para o mês desde 2017, quando foram criadas 76.599 vagas no décimo mês do ano. Em outubro do ano passado, houve abertura líquida de 57.733 vagas, na série sem ajustes

De olho nos papéis

BTG reitera compra de Klabin e Suzano e aumenta preço-alvo das ações

Em relatório, analistas do banco expandiram o preço-alvo dos papéis da Suzano para R$ 44 (o valor anterior era de R$ 40), e da Klabin para R$ 20, ante R$ 18

Otimismo

Para o Credit Suisse, 2020 é o ano dos emergentes — e o Brasil tende a ser um dos destaques

A equipe de análise do Credit Suisse aposta nos mercados emergentes para 2020. E, nesse grupo, as ações e ativos do Brasil aparecem entre as principais recomendações

Perspectivas 2020

Para Goldman Sachs cenário é desafiador para o Brasil, mas mais esperançoso

Preocupação não é com a direção da política econômica, mas sim com a capacidade de implementar agenda de reformas fiscais

Mercado de capitais

Ações da Cogna sobem com notícia de IPO de unidade nos EUA

A Cogna espera uma avaliação de até R$ 8 bilhões pela Vasta, plataforma de serviços digitais para escolas privadas, na oferta pública inicial de ações, que deve acontecer em 2020, de acordo o site Brazil Journal

um olho aqui e nos vizinhos

Política impede avanço de reformas na América Latina, mas Brasil é notável exceção, diz Moody’s

Para 2020, a visão dos analistas é de que o ambiente para a região e os emergentes como um todo é negativo, por conta do aumento de riscos políticos e geopolíticos

na ponta do lápis

BNDES perdeu tempo na venda de fatia da JBS, diz presidente do conselho de administração do banco

Em evento no Rio de Janeiro, Carlos Thadeu de Freitas estimou o impacto financeiro dessa demora em R$ 1 bilhão a R$ 2 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements