Menu
2019-10-01T17:25:19-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
Adaptando as expectativas

Com a Selic cada vez mais baixa, UBS recomenda compra das ações da B3

Especialistas do banco suíço alteraram recomendação em relação ao papéis da B3; eles levaram em conta a Selic baixa e o avanço da agenda econômica do governo

1 de outubro de 2019
14:54 - atualizado às 17:25
Sede da B3 em São Paulo
Sede da B3 em São Paulo - Imagem: Shutterstock

O analistas do banco UBS avaliam que o momento é de apostar nas ações da B3, a administradora da bolsa de valores brasileiraEles alteraram a recomendação para os papéis, de neutra para compra, e definiram o preço-alvo em 12 meses em R$ 53 — anteriormente, a meta estava em R$ 39.

  • Importante: Fausto Botelho, um dos maiores especialistas de análise gráfica do Brasil, está reunindo um grupo para ganhar ao lado dele. Você pode conseguir um lugar. Veja como aqui.

As ações ON da B3 (B3SA3) fecharam o pregão da última segunda-feira (30) a R$ 43,63 — patamar superior ao do antigo preço-alvo do UBS. Assim, os analistas do banco promoveram uma atualização em seu modelo de projeções, de modo a incorporar fatores que não eram levados em conta no passado.

Como resultado da visão mais otimista do UBS, os papéis da administradora da bolsa chegaram a ser negociados a R$ 44,33, na máxima do pregão desta terça-feira, mas perderam o fôlego e fecharam em leve queda de 0,07%, a R$ 43,60. Ou seja, a nova meta do banco implica num potencial de valorização de mais de 21% em relação à cotação de fechamento de hoje.

Com o desempenho do momento, as ações da B3 vão na contramão do Ibovespa — o principal índice da bolsa brasileira recuava 0,79% no mesmo horário, ao 103.917,88 pontos. Você pode acompanhar a cobertura de mercados do Seu Dinheiro aqui.

Segundo os especialistas da instituição, a empresa passa por um bom momento por conta do volume médio diário de negociação, que bateu recorde em agosto, de R$ 19,7 bilhões. Para 2019, o banco diz acreditar que o volume médio de negociação deve chegar a R$ 16,8 bilhões e, no ano seguinte, a R$ 20,1 bilhões.

Selic, Previdência e privatização

A instituição ainda aponta a Selic, hoje em 5,5% e com perspectivas de queda para 4,75% até o final do ano, como motivo para o otimismo com a B3.

A visão da instituição suíça, compartilhada por grande parte do mercado, é de que a taxa de juros cada vez mais baixa forçará uma migração dos investidores da renda fixa para a renda variável.

Os analistas do banco também enxergam um aumento do investimento estrangeiro com a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência — que seria o sinal mais evidente de que o governo é capaz de equilibrar as contas públicas.

O projeto que reformula as aposentadorias, aliás, pode ser aprovado em segundo turno de votação no plenário do Senado na próxima semana. Nesta terça-feira (1º) a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa aprovou o relatório do projeto. 

Outra frente de atuação do governo federal deve beneficiar a B3, na avaliação do UBS: o programa de privatizações. O governo atual anunciou em agosto uma lista de estatais a serem vendidas, além de já ter retirado o controle acionário da BR Distribuidora e do IRB Brasil.

Olho nos números (até aqui)

A B3 gera receita cada vez que o investidor compra ações de qualquer empresa. No caso das pessoas físicas, o valor é de 0,031532% do total de negociado.

A bolsa também cobra uma taxa de custódia das corretoras. Além disso, ela ganha com a valorização das ações, já que suas taxas são cobradas sobre os valores negociados. Então quanto mais altos os preços, melhor para a companhia.

Mas, ao menos no último balanço divulgado, a empresa não teve um resultado satisfatório: entre abril e junho de 2019, a B3 registrou uma queda de quase 10% em seu lucro líquido na base anual. Mas, nos primeiros três meses do ano, a companhia reportou um resultado forte, com alta de 64% no lucro, na mesma base de comparação.

À época da divulgação dos números do segundo trimestre, a empresa atribuiu o resultado ao aumento nas despesas relacionadas à alta do preço da ação, aos encargos sociais e trabalhistas e a provisões.

A geração de caixa medida pelo Ebitda entre abril e junho deste ano atingiu R$ 999,1 milhões, alta de 2,9% na comparação anual, enquanto a receita líquida fechou o trimestre em R$ 1,58 bilhão, crescimento de 14% ano a ano.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Exile on Wall Street

Bolsa não precisa de motivos para subir e os ganhos acontecerão – mesmo no pior cenário

Do fim de fevereiro até este meio de abril, o Ibovespa retomou os 120 mil pontos rapidamente, e sem qualquer utopia. Isso nos traz uma importante lição enquanto investidores agnósticos: a Bolsa não precisa de motivos para subir. Repita o mantra: não precisa de motivos para subir, não precisa de motivos… assim como você não […]

Taxa zero pra todo o lado

Easynvest zera taxa de corretagem para maioria das operações com ações, BDRs e opções

A corretora digital já não cobrava por investimentos em renda fixa e agora quer expandir essa ideia para ações, BDRs e opções do aplicativo

O melhor do Seu Dinheiro

A magia dos dados da Boa Vista, Arezzo, Hering e outros destaques do dia

No começo do ano, vazaram na internet dados de mais de 220 milhões de brasileiros, incluindo CPF, nome, endereço e renda. O número é maior que o da população brasileira porque o arquivo incluía pessoas que já faleceram. Mas não são apenas criminosos que espalham referências sobre quem somos por aí. Todos os dias nós […]

Esquenta dos Mercados

Exterior deve reagir bem à temporada de balanços, enquanto tensão em Brasília aumenta

Confira esses e outros destaques para a manhã desta quinta-feira (15)

novata na b3

Mater Dei segue com IPO, mas arrecada menos que o esperado

Momento conturbado do mercado e concorrência entre nomes de saúde fazem rede de hospitais mineira cortar preço por ação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies