2019-06-07T18:41:58-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Mercado de capitais

Brasília tem que funcionar para investidor estrangeiro voltar para bolsa, diz presidente da B3

Mesmo com toda a dificuldade do governo Bolsonaro na articulação com o Congresso, a boa notícia é que o interesse dos estrangeiros no país continua grande, diz Gilson Finkelsztain

20 de maio de 2019
11:31 - atualizado às 18:41
presidente da B3, Gilson Finkelsztain
Presidente da B3, Gilson Finkelsztain, em cerimônia na sede da bolsa - Imagem: Vinícius Pinheiro/Seu Dinheiro

Se Brasília não funcionar o investidor estrangeiro não volta para a bolsa. Quem ouviu o recado, e direto da fonte, foi o presidente da B3, Gilson Finkelsztain.

Enquanto os mercados chacoalhavam com o tsunami político na semana passada, Finkelsztain estava fora do país, em uma conferência com investidores.

Mesmo com toda a dificuldade do governo Bolsonaro na articulação com o Congresso, ele trouxe na bagagem uma boa notícia: o interesse dos gringos com o país continua grande.

"Encontrei gestores que não via há muitos anos buscando informação sobre o Brasil", afirmou Finkelsztain, em uma entrevista na manhã de hoje.

Mas para esse interesse se traduzir efetivamente em investimentos na bolsa brasileira, ele disse que o governo precisa construir uma articulação política com o Congresso para avançar com sua agenda.

"A reforma da Previdência é sem dúvida a primeira medida", afirmou Finkelsztain, que participou hoje do lançamento do fundo de índice (ETF) de renda fixa IMAB11, sob gestão do Itaú Unibanco.

O presidente da B3 diz que as condições que levaram o Ibovespa, principal índice de ações da bolsa, a atingir os 100 mil pontos, como o juro baixo e inflação sob controle, continuam. "O Brasil tem chance de dar certo", disse Finkelsztain, tomando emprestada uma frase de Luis Stuhlberger, gestor do lendário fundo Verde, que participou da mesma conferência que ele na semana passada.

Ofertas continuam

O presidente da B3 disse também que nem a falta de articulação política do novo governo nem o desempenho frustrante da economia neste início de ano desanimaram as empresas com planos de abrir capital na bolsa.

A B3 mantém a expectativa de 20 a 30 ofertas de ações neste ano, incluindo os IPOs (sigla em inglês para oferta pública inicial) e emissões de empresas já listadas, conhecidas como "follow ons".

Até o momento foram realizadas cinco ofertas, sendo apenas um IPO, da varejista de produtos esportivos Centauro.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies