⚽️ Jogos das quartas-de-final começam a se desenhar; confira os dias da próxima fase

Cotações por TradingView
2019-04-25T17:55:07-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Com o balanço no forno

A campeã voltou? Calor e Carnaval devem impulsionar resultado da Ambev, diz Goldman Sachs

Analistas do banco americano reiteraram a compra das ações depois de participarem de uma reunião com diretores da cervejaria, que apontaram o crescimento no segmento “premium”

22 de abril de 2019
16:02 - atualizado às 17:55
Skol puro malte, da Ambev
Vendas brasileiras da Ambev no 1º trimestre devem impulsionar os resultados do grupoImagem: Reprodução

Depois de enfrentar grandes desafios concorrenciais, com seu tradicional modelo cervejeiro colocado em xeque, a Ambev tem tudo para entrar em novos tempos ao longo de 2019. Pelo menos é isso que apontam alguns analistas do Goldman Sachs, em relatório divulgado ao mercado nesta segunda-feira, 22.

O balanço do 1º trimestre da empresa já está batendo à porta (os resultados estão marcados para sair em 7 de maio), mas enquanto os números não saem, a Ambev segue apresentando alguns motivos que, na visão do grupo financeiro, serão a base para um novo impulso de negócios.

O primeiro deles é o volume de vendas no Brasil. Impulsionadas pelo fraco desempenho no 1º trimestre do ano passado, pelo Carnaval mais tarde do que o convencional e pelo calor acima da média no país, o Goldman Sachs espera que a comercialização de cervejas cresça 5%, enquanto a de refrigerantes suba 10%.

Tais resultados, se confirmados, devem alavancar o volume de vendas total da empresa em 6%, com uma receita 11,7% maior e uma geração de caixa via Ebitda crescendo 8,7%, todos na comparação anual.

Mas nem só de Brasil vive a Ambev, e são nos mercados gringos que moram os riscos levantados pelo Goldman Sachs para o resultado mundial da gigante de bebidas. O relatório do grupo financeiro aponta que os ventos contrários na Argentina, que vive uma profunda crise fiscal, devem puxar o lucro da Ambev para baixo. Para a América Central, no entanto, a expectativa permanece positiva.

Espaços para a diversidade

Os analistas do Goldman Sachs também fizeram comentários acerca de uma reunião que fizeram com o CFO da Ambev, Fernando Tennenbaum. Na ocasião, Tennenbaum teria sinalizado algumas aberturas do grupo para novidades dentro do portfólio.

Ao apresentar alguns dados que mostram a retomada do consumo no Brasil, sobretudo a partir dos últimos meses de 2018, o CFO afirmou que é notável o crescimento da Ambev no setor chamado “premium”, na esteira do lançamento de alguns novos produtos do grupo destinados a esse tipo de público.

Um exemplo citado por Tennenbaum é a receptividade da cerveja Skol Puro Malte, lançada no início deste ano e que, de acordo com o executivo, trouxe grandes perspectivas de mercado já que ficou precificada na mesma faixa que as Skols tradicionais.

Tá, mas e o preço?

Avaliando os riscos e as perspectivas de negócio, o Goldman Sachs manteve a recomendação de compra para as ações da Ambev (ABEV3) na B3, com preço-alvo em 12 meses de R$ 20,00 ou US$ 5,30. Por volta das 16h15 de hoje, os papéis da cervejaria eram negociados em alta de 1,99%, a R$ 17,42. Confira a cobertura completa da bolsa hoje.

Como fatores de atenção no período, o relatório sinaliza alguns riscos como um novo declínio acentuado no volume de vendas de cerveja, uma desaceleração econômica no Brasil e a ascensão de concorrentes para os principais produtos Ambev.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

COSTURANDO ALIANÇAS

Colocou contra a parede? O que o enviado de Biden disse a Lula na visita ao Brasil

5 de dezembro de 2022 - 20:27

O presidente eleito foi convidado, em nome do presidente dos EUA, a visitar Washington; saiba se ele vai

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Desafio de Powell derruba o Ibovespa, bitcoin tenta se recuperar e príncipe saudita vai atrás do Credit Suisse; confira os destaques do dia

5 de dezembro de 2022 - 20:22

A goleada de 4 a 1 do Brasil sobre a Coreia do Sul, logo após a derrota na última rodada da fase de grupos, serviu para convencer a torcida e aliviar o coração daqueles que esperavam que o bordão cunhado por Galvão Bueno durante a clássica derrota da amarelinha para a seleção alemã, em 2014, […]

FECHAMENTO DO DIA

‘Vai se criando um clima terrível’ para o Fed — e as bolsas globais desabam com a cautela; Ibovespa recua mais de 2% antes de votação da PEC da Transição

5 de dezembro de 2022 - 19:56

O Ibovespa encerrou em queda de 2,25%, aos 109.401 pontos. A força exibida pela economia dos Estados Unidos pressionou o dólar à vista, que subiu 1,30%, a R$ 52829.

SEU DINHEIRO NA COPA

Deu samba: Brasil atropela a Coreia do Sul e garante vaga nas quartas da Copa; veja quanto a seleção paga aos apostadores

5 de dezembro de 2022 - 17:59

O time de Tite segue líder absoluto nos sites de apostas, enquanto Argentina perdeu uma posição para a França e a Inglaterra tomou o lugar da Espanha

ANTES DA POSSE

A diplomação vem aí! Confira o que falta para Lula assumir a presidência pela terceira vez

5 de dezembro de 2022 - 16:50

A diplomação é o momento em que o TSE formaliza os candidatos eleitos por voto popular da maioria dos brasileiros. Neste ano, a cerimônia acontece sob a preocupação de tumulto diante do cenário político extremamente polarizado.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies