Menu
2019-04-25T17:55:07-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Com o balanço no forno

A campeã voltou? Calor e Carnaval devem impulsionar resultado da Ambev, diz Goldman Sachs

Analistas do banco americano reiteraram a compra das ações depois de participarem de uma reunião com diretores da cervejaria, que apontaram o crescimento no segmento “premium”

22 de abril de 2019
16:02 - atualizado às 17:55
Skol puro malte, da Ambev
Vendas brasileiras da Ambev no 1º trimestre devem impulsionar os resultados do grupoImagem: Reprodução

Depois de enfrentar grandes desafios concorrenciais, com seu tradicional modelo cervejeiro colocado em xeque, a Ambev tem tudo para entrar em novos tempos ao longo de 2019. Pelo menos é isso que apontam alguns analistas do Goldman Sachs, em relatório divulgado ao mercado nesta segunda-feira, 22.

O balanço do 1º trimestre da empresa já está batendo à porta (os resultados estão marcados para sair em 7 de maio), mas enquanto os números não saem, a Ambev segue apresentando alguns motivos que, na visão do grupo financeiro, serão a base para um novo impulso de negócios.

O primeiro deles é o volume de vendas no Brasil. Impulsionadas pelo fraco desempenho no 1º trimestre do ano passado, pelo Carnaval mais tarde do que o convencional e pelo calor acima da média no país, o Goldman Sachs espera que a comercialização de cervejas cresça 5%, enquanto a de refrigerantes suba 10%.

Tais resultados, se confirmados, devem alavancar o volume de vendas total da empresa em 6%, com uma receita 11,7% maior e uma geração de caixa via Ebitda crescendo 8,7%, todos na comparação anual.

Mas nem só de Brasil vive a Ambev, e são nos mercados gringos que moram os riscos levantados pelo Goldman Sachs para o resultado mundial da gigante de bebidas. O relatório do grupo financeiro aponta que os ventos contrários na Argentina, que vive uma profunda crise fiscal, devem puxar o lucro da Ambev para baixo. Para a América Central, no entanto, a expectativa permanece positiva.

Espaços para a diversidade

Os analistas do Goldman Sachs também fizeram comentários acerca de uma reunião que fizeram com o CFO da Ambev, Fernando Tennenbaum. Na ocasião, Tennenbaum teria sinalizado algumas aberturas do grupo para novidades dentro do portfólio.

Ao apresentar alguns dados que mostram a retomada do consumo no Brasil, sobretudo a partir dos últimos meses de 2018, o CFO afirmou que é notável o crescimento da Ambev no setor chamado “premium”, na esteira do lançamento de alguns novos produtos do grupo destinados a esse tipo de público.

Um exemplo citado por Tennenbaum é a receptividade da cerveja Skol Puro Malte, lançada no início deste ano e que, de acordo com o executivo, trouxe grandes perspectivas de mercado já que ficou precificada na mesma faixa que as Skols tradicionais.

Tá, mas e o preço?

Avaliando os riscos e as perspectivas de negócio, o Goldman Sachs manteve a recomendação de compra para as ações da Ambev (ABEV3) na B3, com preço-alvo em 12 meses de R$ 20,00 ou US$ 5,30. Por volta das 16h15 de hoje, os papéis da cervejaria eram negociados em alta de 1,99%, a R$ 17,42. Confira a cobertura completa da bolsa hoje.

Como fatores de atenção no período, o relatório sinaliza alguns riscos como um novo declínio acentuado no volume de vendas de cerveja, uma desaceleração econômica no Brasil e a ascensão de concorrentes para os principais produtos Ambev.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

FORA DO AR

Investidores da XP relatam problemas para acessar home broker nesta quarta-feira

Ao ser procurada, a assessoria de imprensa informou que “a plataforma apresentou lentidão para alguns clientes no início da tarde desta quarta-feira”

Medida do BC

Moody’s: diminuição de compulsório para depósitos a prazo é positiva

Para a agência, os gigantes do mercado são os mais beneficiados, por deterem 72% de todos os depósitos a prazo no Brasil

CDS no radar

Risco-país do Brasil tem novo dia de alta e vai a 106 pontos

Desde o começo de fevereiro o CDS vinha sendo negociado abaixo dos 100 pontos

CRIPTOMOEDAS

Criptomoedas ainda mantêm um papel limitado como forma de proteção, para analistas do JPMorgan

Apesar da baixa correlação das criptomoedas com ativos tradicionais, analistas do banco acreditam que elas ainda não podem servir como hedge da carteira

Gastos no exterior

Compras com cartão no exterior serão cobradas conforme a taxa de câmbio do dia

Opção estará disponível a consumidores a partir de 1º de março e já estava autorizada pelo BC desde 2016; atualmente, valor a ser pago na fatura é definido dez dias antes do fechamento

Ministro minimiza

Bolsonaro ‘não seria maluco’ de atacar o Congresso, afirma Ramos

Ministro da Secretaria de Governo, o general Luiz Eduardo Ramos minimizou o envio, pelo presidente Jair Bolsonaro, de vídeo convocando para manifestações que criticam Congresso

Alerta para a mineradora

Navio carregado de minério de ferro da Vale corre risco de naufrágio no MA

Volume de carga transportado não foi divulgado pela mineradora

Crise política

Ministro do STF, Celso de Mello diz que “o presidente da República, embora possa muito, não pode tudo”

O decano do Supremo Tribunal Federal, ministro Celso de Mello, afirmou em nota que considera “gravíssima” a convocação de manifestações contra o Congresso Nacional e afirmou que caso revela a “face sombria de um presidente que desconhece o valor da ordem constitucional” e que não está “à altura do altíssimo cargo que exerce’. O decano […]

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Azul, Gol, Vale e Petrobras: os destaques (negativos) da bolsa nesta quarta-feira

As ações da Azul e da Gol despencam mais de 10% e têm os piores desempenhos do Ibovespa, em meio às incertezas quanto aos impactos do coronavírus ao setor aéreo e à disparada do dólar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements