Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-28T06:26:48-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
lá em cima

Desceu redondo: ações da Ambev disparam na bolsa após balanço

Cervejaria registrou lucro líquido de R$ 2,712 bilhões no segundo trimestre, acima das projeções; no Brasil, o destaque ficou por conta do volume de cerveja vendido, que aumentou 2,9%

25 de julho de 2019
8:33 - atualizado às 6:26
Skol puro malte, da Ambev
Imagem: Reprodução

Com um aumento de 16% no lucro líquido no segundo trimestre, o balanço da Ambev desceu redondo para os investidores. E, como resultado, os ativos da cervejaria (ABEV3) tiveram uma quinta-feira (25) amplamente positiva.

Em São Paulo, os papéis ON da companhia (ABEV3) fecharam a sessão em alta de 8,52%, a R$ 19,49 — o maior nível de encerramento em um ano. E, em Nova York, os recibos de ações (ADRs) da empresa (ABEV) avançaram 9,09%, a US$ 5,16.

O lucro da Ambev no segundo trimestre foi de R$ 2,712 bilhões, acima da projeção dos analistas, cuja média apontava para R$ 2,392 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

No Brasil, o destaque ficou por conta do volume de cerveja vendido, que chegou a 18,25 milhões de hectolitros - aumento de 2,9%. Enquanto analistas do Itaú BBA esperavam um crescimento de 2,0%.

Em relatório, os especialistas do banco alteraram a recomendação relacionada as ações da Ambev: de underperform para outperform. Em outras palavras, eles mudaram a visão de venda para os papeis da companhia e agora recomendam a compra.

Entre os motivos, os analistas do Itaú BBA ainda citam o aumento do volume na América Central e Caribe, de 5,7%, que levou a melhor margem Ebitda já registrada pela empresa. "Essa região não pode mais ser ignorada", dizem os analistas em relatório.

A Ambev atribui o bom desempenho na região, entre outras coisas, à marca Presidente, na República Dominicana, e outras marcas no Panamá. "Liderado pela Corona, Budweiser e Modelo, há um desenvolvimento de nossa estratégia de expansão do premium na região, onde o segmento representa uma grande oportunidade futura", diz a companhia.

Outros números

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado do segundo trimestre aumentou 0,4% - chegando a R$ 4,691 bilhões. Já a receita líquida da companhia somou R$ 12,145 bilhões, num aumento de 5,5% na comparação anual.

O resultado financeiro líquido foi uma despesa de R$ 567,4 milhões. No primeiro semestre, a Ambev reportou um lucro líquido ajustado de R$ 5,474 bilhões, valor 10,9% acima do registrado em igual período de 2018. Já o Ebitda ajustado chegou a R$ 9,811 bilhões, enquanto a receita líquida atingiu R$ 24,785 bilhões - aumento de 7,1%.

O que recomendam os analistas:

  • Itaú BBA: compra; preço-alvo: R$ 22,00 / US$ 5,50;
  • BTG Pactual: neutra; preço-alvo: R$ 17,00 / US$ 4,50;
  • Goldman Sachs: compra; preço-alvo: R$22,00 / US$ 5,60;
  • Credit Suisse: compra; preço-alvo: R$ 20,50.
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Palavra do CEO

Eduardo Ragasol, da Neogrid: Como o sucesso do cliente pode ajudar no desenvolvimento do seu negócio

Conhecimento é poder. Entenda a fundo seu cliente. Utilize toda a tecnologia e informações que estão à disposição. Alinhe expectativas. E meça o desempenho dos envolvidos

Se cuida, bitcoin!

Atualização EIP-1559 concluída: confira as mudanças do Ethereum (ETH) com o ‘London Fork’

Batizada de “hard fork London”, a Proposta de Melhoria do Ethereum 1559 (EIP-1559) deve reduzir taxas e tornar a moeda deflacionária

olho lá fora

Petrobras dispara 14% em NY, após balanço e antecipação de dividendos

Por volta das 21h (horário de Brasília), PBR subia 14%; empresa reportou forte fluxo de caixa e lucro surpreendeu analistas

Sem surpresas, mas depende...

Fim do ciclo de alta da Selic? Tudo depende da manutenção do teto de gastos e da política fiscal — e as próximas semanas devem ser decisivas

Para Marcelo Fonseca,chama a atenção o posicionamento do Copom de elevar a taxa até um patamar restritivo, mas o BC está no caminho certo. O economista vê o fim do ciclo de alta no patamar dos 7,5%, mas tudo depende do destino do teto de gastos

seu dinheiro na sua noite

Ibovespa em dia de nova taxa Selic expõe tensão; veja os destaques desta quarta

O Banco Central divulgou há pouco a elevação da taxa básica de juros, a Selic, de 4,25% para 5,25%. Essa alta de 1,00 ponto percentual já vinha sendo antecipada e esperada pelo mercado financeiro, mas isso não impediu que o pregão pré-Copom desta quarta-feira fosse marcado pela cautela. E o Ibovespa que o diga. Receios sobre […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies