Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T14:24:34-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
De fraldas a eletrônicos

Amazon expande, passa ter estoque próprio e venda direta no Brasil

Com novas operações, gigante norte-americana tenta fazer frente a grandes empresas no Brasil, como a B2W e Magazine Luiza

22 de janeiro de 2019
10:10 - atualizado às 14:24
Caixas da Amazon
Amazon - Imagem: shutterstock

A Amazon está lançando um novo capítulo de sua história no Brasil e deixando gigantes do setor por aqui em estado de alerta.

A partir desta terça-feira, 22, a companhia passará a vender e entregar eletrônicos, produtos de limpeza, beleza, ferramentas entre outros. Mas o que realmente muda? Bastante coisa.

Até então, esses produtos já eram comercializados na Amazon brasileira, mas em um formato de market place, em que a companhia vendia e, em grande parte, os produtos eram entregues por parceiros.

Agora, a empresa ficará responsável por todo o processo, podendo proporcionar padrões ainda mais altos desses serviços, como já o faz nos EUA, por exemplo.

Longo caminho

E mesmo que a gigante do e-commerce ainda tenha um longo caminho à frente para bater concorrentes locais, como a B2W e Magazine Luiza, o anúncio já foi suficiente para derrubar as ações das duas companhias ontem.

Para armazenar os produtos, a Amazon dispõe de um centro de distribuição de 40 mil metros quadrados, o equivalente a seis campos de futebol.

"Os clientes começavam a nos pedir isso. É uma transição, uma evolução", afirmou o presidente da Amazon no Brasil, Alex Szapiro, ao "Estado de S. Paulo". "Não vamos parar por aqui", acrescenta.

Para o presidente do Conselho de Comércio Eletrônico da FecomercioSP, Pedro Guasti, o movimento da Amazon aproxima a operação brasileira do padrão internacional em quantidade de itens ofertados e prazos de entrega. É uma evolução "ainda tímida, mas planejada e consciente", comentou ao "Estado de S. Paulo".

Ao ter os produtos em seu próprio estoque, a companhia consegue negociar melhor com fornecedores e administrar preços de forma mais competitiva, destaca.

Foco no frete

Um dos destaques da Amazon na nova proposta está no frete. A empresa vai oferecer frete grátis para compras acima de R$ 149, no caso de entregas padrão, que podem demorar em torno de uma semana, por exemplo.

Ao mesmo tempo, oferece para capitais do Sul e Sudeste entrega rápida em até um dia e, neste caso, há um custo.

Numa simulação feita para um endereço na capital paulista, uma compra de itens de beleza realizada durante a manhã seria entregue no dia seguinte ao custo de R$ 10,90.

A Amazon não revela os valores investidos no novo centro de distribuição, que fica em Cajamar, na Região Metropolitana de São Paulo. O espaço alugado pertence à operadora de galpões logísticos Prologis.

Durante a visita ao local, a reportagem encontrou uma área de armazenagem com aspecto bastante tradicional, com processos de estocagem e empacotamento majoritariamente manuais, embora auxiliados por máquinas. Segundo a assessoria da companhia, há etapas do processo que são mais eficazes quando feitos por seres humanos do que por robôs.

Próximos passos

O novo centro de distribuição da Amazon vai atender apenas os produtos comprados e vendidos pela empresa. Por enquanto, a gigante não vai prestar os serviços de armazenamento e entrega para os seus vendedores de marketplace, o chamado Fulfillment by Amazon.

Segundo Guasti, esse seria um passo natural para a empresa no Brasil pela frente. É algo que concorrentes nacionais já fazem. Questionado, Szapiro evitou comentar sobre o tema.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Risco fiscal

O preço do furo no teto de gastos virá em forma de juro maior e recessão em 2022, diz Itaú

Com o aumento da incerteza fiscal, o Banco Central deverá entrar em um regime de “regime de contenção de danos”, segundo o banco, que prevê alta da Selic para até 11,25% ao ano

Me vê bitcoin

De olho no interesse dos clientes por bitcoin (BTC), Mastercard vai lançar plataforma que une criptomoedas com cartões de débito e crédito

Com essa integração, o cliente pode receber cashback em criptomoedas após compras no cartão de crédito, por exemplo

Exile on Wall Street

Felipe Miranda: Entre “O fim do Brasil —parte 2” e o começo da terceira via

Depois do desastre com o teto de gastos, o que podemos esperar de uma resolução que não envolva nem Lula nem Bolsonaro?

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: Suas definições de “responsabilidade fiscal” foram atualizadas

A temporada de resultados brasileira, que começou na última sexta-feira, segue hoje com EcoRodovias, EDP Brasil, Neoenergia e TIM, após o fechamento do mercado. Enquanto isso, ao longo do dia, o presidente Jair Bolsonaro deverá lançar o Programa de Crescimento Verde, indicativo positivo para a COP26 de novembro

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) retoma os US$ 63 mil após cair na sexta-feira e outras criptomoedas sobem até 10% hoje; confira

Destaque para a Solana (SOL), que vem apresentando resultados acima da média das dez principais moedas do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies