Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-28T18:41:39-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Altas e baixas

Via Varejo, Bradesco e Itaú: os destaques do Ibovespa nesta quinta-feira

As ações da Via Varejo sobem após o Citi mostrar-se otimista em relação à empresa; já os papéis dos bancos caem em bloco, em meio às preocupações com o cheque especial

28 de novembro de 2019
14:57 - atualizado às 18:41
Fachada da loja Casas Bahia, rede pertencente à Via Varejo (VVAR3/VIIA3)
Casas Bahia é uma das redes de lojas operadas pela Via (ex-Via Varejo) - Imagem: Shutterstock

O Ibovespa fechou em alta de 0,54% nesta quinta-feira (28), impulsionado pelo bom desempenho das ações das varejistas, especialmente a Via Varejo. Os ganhos do índice, no entanto, foram freados pelas baixas dos papéis do setor bancário, como Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil.

Começando pelo lado positivo: os papéis ON da Via Varejo (VVAR3) avançaram 3,87%, a R$ 8,59, e despontaram entre as maiores altas do Ibovespa. A reação positiva se deve a um relatório publicado mais cedo pelo Citi: a instituição elevou a recomendação para as ações, de neutro para compra.

De acordo com o analista Tobias Stingelin, a dona das Casas Bahia e do Ponto Frio mostrou progresso em diversas fontes: há um ajuste significativo nos estoques, além de uma maior integração entre os produtos armazenados para venda online e offline.

A melhoria na parte logística e no relacionamento com os fornecedores também foi elogiada pelo Citi, assim como a estabilização nas operações online. Por outro lado, a instituição diz que a visibilidade a respeito dos próximos resultados da Via Varejo ainda é baixa — assim, o próprio analista destaca que essa é uma aposta de "alto risco".

Por fim, o Citi elevou o preço-alvo para as ações, de R$ 8,00 para R$ 11,00 — assim, considerando a cotação atual, há um potencial de ganhos de 28%.

O bom desempenho dos papéis da Via Varejo impulsionou o setor varejista como um todo: Lojas Americanas PN (LAME4) avançou 3,14%, enquanto Lojas Renner ON (LREN3) subiu 1,19%.

Cautela com os bancos

Na ponta oposta do Ibovespa, destaque para as ações do setor bancário, que operaram em queda desde o início do dia — o mercado mostra alguma preocupação após o governo limitar os juros do cheque especial em 8% ao mês.

Em relatório, o Credit Suisse pondera que a medida poderá provocar uma queda de até R$ 6 bilhões no lucro dos bancos — considerando apenas Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander, o impacto poderia chegar a R$ 3,4 bilhões já em 2020, o que representa uma queda de 3,6% nos ganhos dessas instituições.

Como resultado, as units do Santander Brasil (SANB11) recuaram 1,76% e despontaram entre as maiores perdas do Ibovespa. Bradesco PN (BBDC4) caiu 0,78% e Itaú Unibanco PN (ITUB4) teve  perda de 0,29%.

Parceria

As ações PN do GPA (PCAR4) subiram 1,87% e os papéis ON da Raia Drogasil (RADL3) avançaram 0,92%, após as empresas fecharem uma parceria para criar uma plataforma de resgate de pontos. A iniciativa irá englobar marcas como Extra, Pão de Açúcar, Drogasil e Droga Raia, totalizando cerca de três mil unidades no país.

Top 5

Confira os cinco papéis de melhor desempenho no Ibovespa nesta tarde:

  • Yduqs ON (YDUQ3): +4,80%
  • Gol PN (GOLL4): +3,92%
  • Via Varejo ON (VVAR3): +3,87%
  • JBSON (JBSS3): +3,80%
  • Cielo ON (CIEL3): +3,75%

Veja também as cinco ações do índice com as maiores quedas:

  • Santander Brasil units (SANB11): -1,76%
  • Bradespar PN (BRAP4): -1,75%
  • Gerdau PN (GGBR4): -1,44%
  • Suzano ON (SUZB3): -1,36%
  • B2W ON (BTOW3): -1,32%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies