Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-12-12T10:56:34-03:00
Estadão Conteúdo
UM DOS IPOs DO ANO

Presidente da XP diz que não descarta listar a companhia na bolsa brasileira

Guilherme Benchimol disse que a ideia sempre foi fazer uma listagem no Brasil, visto que a empresa sempre se posicionou “como disruptora do mercado local, democratizando investimentos”

11 de dezembro de 2019
20:32 - atualizado às 10:56
Guilherme Benchimol, fundador da XP Investimentos
Guilherme Benchimol, fundador da XP Investimentos, durante o evento de lançamento das ações na Nasdaq -

Com determinadas mudanças regulatórias no Brasil, a listagem das ações da XP é uma possibilidade, disse, em teleconferência com jornalistas, o presidente e fundador da XP, Guilherme Benchimol. A maior corretora do País estreou nesta quarta-feira, 11, na Bolsa americana com uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) que movimentou US$ 2,25 bilhões, acima do esperado pelo mercado.

O executivo disse que a ideia sempre foi fazer uma listagem no Brasil, visto que a empresa sempre se posicionou "como disruptora do mercado local, democratizando investimentos". "Queria fazer no Brasil, mas a gente está sendo diluído desde 2010", disse.

Benchimol se refere à diluição dos sócios no capital da companhia com a entrada dos fundos de private equity Actis e depois com a General Atlantic. Há dois anos houve mais diluição com a compra de 49,9% pelo Itaú Unibanco. Benchimol disse que se a oferta fosse na Bolsa brasileira, os sócios da XP ainda se manteriam no controle, mas isso acabaria com a realização de uma nova ofertas de ações.

Com a possibilidade da ação super ordinária, permitida nos Estados Unidos, Benchimol disse que é possível manter o controle com 10% da ações. "Não interessaria a ninguém essa perda de controle e por isso fizemos a opção de ser listada aqui (Nasdaq). Somos a empresa mais brasileira de todas", disse.

A legislação brasileira não permite que empresas tenham ações super ordinárias, mas esse assunto vem sendo analisado pelo regulador. No caso da XP, as ações foram divididas em duas classes, sendo que os detentores das ações da "classe B" terão 10 vezes mais votos do que os que tiverem as ações "classe A".

Outra mudança que é necessária para que a XP e outras empresas brasileiras listadas em bolsas estrangeiras possam ter suas ações negociadas na bolsa local são alterações nas regras dos BDRs. Esse tema entrou em audiência pública hoje. É preciso, nesse item, permitir que empresas brasileiras possam ter BDRs negociadas no Brasil e, ainda, flexibilizar a regra para que o varejo possa comprar BDRs.

Cenário macroeconômico

O Brasil passará por "bons anos de crescimento", e o País avançará com a expansão da atividade dos empreendedores, sobretudo com a redução dos juros, afirmou o presidente da XP. "A economia está bem conduzida e o cenário está positivo. Esperamos que o PIB avance 2,5% em 2020", completou.

De acordo com Benchimol, os investidores, inclusive internacionais, querem austeridade fiscal, inflação e juros baixos. "O Brasil é tão absurdo que tem R$ 800 bilhões em caderneta de poupança, o pior investimento que existe", destacou. "Nosso mercado é um oceano azul, um mar de oportunidades. Quanto mais o País ficar confiável, mais investidores entrarão lá."

O empresário, que fundou a empresa em 2001, aos 24 anos, afirmou que o maior investimento nos próximos anos será em seus funcionários, que hoje são 2.300 e devem superar 3 mil no encerramento de 2020. Ele ressaltou que está atento a várias empresas do setor financeiro e que "estamos próximos das fintechs para trocar as melhores práticas."

Benchimol afirmou ainda que a empresa está com plano de "aumentar exponencialmente a educação financeira" no Brasil e destacou que o banco digital da companhia "deve ter uma solução completa" no próximo ano. Fontes de mercado apontam que a companhia poderá atuar em vários serviços, como cartões de crédito, transferências e pagamentos.

De acordo com o CEO da XP, os bancos grandes no Brasil geraram cerca de R$ 500 bilhões de receitas, e a sua empresa deve ser responsável por 1% deste montante em 2019. "Continuaremos crescendo e será natural atingir R$ 1 trilhão de recursos em custódia em algum momento", destacou. Ele fez os comentários em entrevista coletiva na Nasdaq.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa na onda das commodities, short de Nubank e o fim das ações das Lojas Americanas: veja as principais notícias do dia

Entre importar o otimismo ou o pessimismo do exterior, a bolsa brasileira tem preferido a primeira opção, nos últimos dias. Em mais um dia negativo para as bolsas americanas, o Ibovespa novamente nadou contra a maré vermelha e fechou em alta, impulsionado pelo avanço dos preços das commodities – sobretudo do minério de ferro. Com […]

Fechamento Hoje

Ibovespa novamente contraria exterior, sobe mais de 1% e fecha acima dos 108 mil pontos; dólar cai abaixo de R$ 5,50

Mesmo com dia negativo em Nova York, Ibovespa é impulsionado pelas commodities; varejistas e techs se recuperam com alívio nos juros futuros

CRYPTO NEWS

Cada vez mais países devem formar reservas de bitcoin ao longo de 2022; entenda como você pode aproveitar

Você provavelmente já viu uma imagem similar a esta abaixo. Ela mostra o conceito da curva de adoção, em S, de uma nova tecnologia ou produto. A curva em formato de sino é um reflexo da curva em S, mostrando o tamanho, ao longo do tempo, dos públicos que aderem a tal inovação. Malcolm Gladwell […]

NOVAS BAIXAS

Dois secretários e um diretor do Ministério da Economia pedem demissão do cargo; saiba quem são os substitutos

Um dos secretários vai para a Funpresp-Exe e o outro, para o Legislativo. Receita Federal diz que saída de seu diretor ocorreu a pedido do servidor

CONCESSÃO RECORDE

Caixa bate recorde em 2021 ao conceder R$ 140,6 bi em crédito habitacional e diz não esperar mais altas nos juros no financiamento imobiliário; entenda

O executivo afirmou que a Caixa segue os juros futuros com vencimento em oito anos para definir as taxas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies