Menu
2019-09-30T13:21:14-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
meu primeiro dia

Dona da Ambev estreia na bolsa de Hong Kong com forte valorização de suas ações

Budweiser APAC terminou o pregão com uma valorização de 4,4%, a 28,20 dólares de Hong Kong; oferta de ações da companhia, na semana passada, foi a segunda maior do mundo no ano

30 de setembro de 2019
12:47 - atualizado às 13:21
Budweiser
Budweiser - Imagem: Shutterstock

A gigante cervejeira Anheuser-Busch InBev (AB InBev), dona da brasileira Ambev, estreou na bolsa de Hong Kong nesta segunda-feira, 30, com uma valorização de 4,4% de suas ações.

  • CONVITE ESPECIAL: Hoje é nosso aniversário de 1 ano do Seu Dinheiro. E estamos com uma super novidade para você, leitor. Aqui neste vídeo nosso colunista Fausto Botelho conta os detalhes. Aproveite!

A ação da Budweiser APAC (como é chamada a subsidiária asiática) fechou pregão em 28,20 dólares de Hong Kong (o equivalente a US$ 3,60), disse a CNN. Acompanhe nossa cobertura de mercados.

O papel da subsidiária havia sido precificado em 27 dólares de Hong Kong, na semana passada, numa oferta de 1.262.350.000 de ativos.

Foi a segunda maior oferta de ações lançada neste ano no mundo, ficando atrás apenas do IPO da Uber, na NYSE, que levantou US$ 8,1 bilhões em maio.

Em débito

Desde 2016 a companhia belga acumula um débito de US$ 102,5 bilhões, fruto da aquisição de sua rival direta, a SABMiller.

A Budweiser Brewing Company é um braço importante do negócio da empresa. Hoje, a subsidiária asiática atua na China, Austrália, Coréia do Sul, India e Vietnam, produzindo e comercializando marcas mundialmente famosas como Budweiser, Stella Artois, Corona, Howegaarden e mais 50 outros nomes.

Hoje, o mercado chinês de cerveja é um dos que mais crescem e, embora ainda seja dominado por marcas locais populares, apresenta também um crescimento do segmento de cervejas premium.

Em 2018, a filial asiática da AB InBev registrou um lucro de US$ 1,4 bilhões. A expectativa é que o segmento tenha um crescimento de até 21% nos próximos quatro anos.

Novela

Em maio, a AB InBev entrou com um pedido de abertura de capital na bolsa de Hong Kong. A oferta inicial estava prevista para ocorrer em julho.

Mas, devido ao baixo interesse dos investidores, a gigante do mundo cervejeiro cancelou a sua tentativa de IPO junho. A ideia inicial era muito mais ambiciosa e tinha como objetivo arrecadar no mínimo US$ 10 bilhões.

A empresa voltou a demonstrar interesse na abertura de capital de sua filial asiática após realizar a venda de sua subsidiária australiana ao grupo japonês Asahi Holdings, pelo valor de US$ 11,3 bilhões.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

fique de olho

Itaú anuncia pagamento de juros sobre capital próprio

Serão R$ 0,05648 por ação, com retenção de 15% de imposto de renda na fonte; pagamento é uma antecipação aos aos dividendos e JPC do resultado de 2021

mudanças na estatal

Conselheiro recém-eleito da Petrobras renuncia

Marcelo Gasparino da Silva foi eleito no último dia 12; executivo indica medida como “irrevogável”

seu dinheiro na sua noite

B3 Fashion Week

A semana de moda da bolsa brasileira está pegando fogo! Flashes por todos os lados, comentários entusiasmados, queixos caídos a cada novo desfile. As grandes marcas não pouparam esforços para a coleção outono/inverno — e, como era de se esperar, um intenso burburinho toma conta dos bastidores. Essa sexta-feira foi particularmente animada, com a Renner […]

Moradia classe A

Pandemia, juros baixos e dólar caro: combo impulsiona o mercado de imóveis de luxo

Uma combinação que prejudicou boa parte das empresas brasileiras acabou beneficiando o segmento imobiliário de alto padrão

fechamento da semana

Brasília impede Ibovespa de decolar, mas saldo da semana ainda é positivo; dólar vai a R$ 5,58

No Brasil, o que garantiu um bom desempenho do Ibovespa foi a alta das commodities e a recuperação econômica de Estados Unidos e China.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies