Menu
2019-12-11T15:44:37-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo

BTG inicia cobertura da C&A com recomendação de compra e otimismo para os papéis

Desde o IPO realizado em 28 de outubro, quando as ações foram vendidas no piso da faixa pretendida, os papéis tiveram uma valorização de 0,11%, mas o BTG vê espaço para mais

3 de dezembro de 2019
11:44 - atualizado às 15:44
Loja da C&A
Loja da C&A - Imagem: Divulgação

Em relatório divulgado nesta terça-feira (03), o BTG informou o início da cobertura da varejista C&A (CEAB3), que estreou na bolsa no dia 28 de outubro. E a primeira análise do banco é extremamente positiva.

Além da recomendação de compra, o banco também traz um preço-alvo de R$ 23 para os próximos 12 meses. Um espaço de valorização de cerca 34% com base na cotação de ontem, que era de R$ 17,15.

No IPO feito em outubro, a C&A captou R$ 1,6 bilhão dos investidores. Na época, a varejista vendeu as suas ações no preço mínimo da faixa indicativa (que variava de R$ 16,50 a R$ 20). E, desde a sua estreia na bolsa, as ações, no geral, não saíram do 0 a 0 e tiveram uma valorização de 0,11%.

Vale lembrar que o BTG Pactual foi um coordenadores da oferta da varejista, então não chega a ser uma surpresa que os analistas iniciem sua cobertura de forma positiva.

Questão de estratégia

De origem holandesa, a companhia chegou ao Brasil em 1976, foi uma das pioneiras no setor de fast-fashion e obteve muito sucesso sabendo se ajustar ao cenário brasileiro onde muitas empresas estrangeiras acabam encontrando entraves burocráticos e regulatórios não tão comuns fora do país.

A C&A é uma das exceções na lista de estrangeiras que se deram bem em terras tupiniquins. Com 283 unidades no país e três centros de distribuição, a C&A é a segunda maior loja de departamentos do Brasil e possui 5% do total do mercado, quase empatada com a Riachuelo.

Mas, nos últimos anos, principalmente motivada pelos problemas econômicos do país a partir de 2015, a sua controladora, Cofra, decidiu focar em atrair uma maior lucratividade. Assim, a companhia desacelerou o seu processo de abertura de novas lojas e procurou renovar a experiência do consumidor e expandir a sua presença on-line. Tudo isso liderado por um time de diretores experientes e que se provou ser um sucesso.

Nesse período, 11 lojas foram fechadas, e a empresa aumentou a sua margem de contribuição e receita de suas lojas. Agora, neste cenário pós-otimização, o foco é outro.

"A companhia quer voltar (e acelerar) sua expansão de novas lojas enquanto investe na implementação do modelo Push&Pull e apresenta um crescimento de suas vendas no e-commerce", cita o relatório assinado por Luiz Guanais e Gabriel Savi. Atualmente, as vendas on-line representam 2% do total da companhia.

Os analistas do BTG lembram que, embora o cenário do e-commerce brasileiro seja dominado por B2W e Maganize Luiza, ainda há muito espaço para companhias de nicho como a C&A.

Já o modelo Push&Pull proposto pela empresa não é uma tarefa fácil de ser concluída. Neste modelo, a companhia busca implementar com menor tempo para design, produção e distribuição.

Os designs modernos a preços acessíveis são uma combinação potente, já que evitariam possíveis remarcações e manteriam os estoques cheios. Se bem sucedido, o plano pode aumentar a margem bruta da companhia e acelerar o seu crescimento orgânico perante o resto do mercado.

Seguindo os líderes

O plano da C&A é investir cerca de R$ 300 milhões até 2024 e implementar sua base de tecnologia on-line e offline. Mas para que tudo isso ocorra, é preciso um DNA inovador, coisa que a companhia já se provou capaz de oferecer.

O relatório destaca alguns projetos da companhia de construir uma plataforma multicanais para impulsionar a experiência, com canais simplificados para compras, integração com lojas físicas e programas de fidelidade.

O BTG vê oportunidades reais para que a companhia se aproxime de outros players líderes do setor ao focar em seu projeto de expansão. A C&A espera abrir 165 novas lojas até 2025: 11 ainda em 2019 e outras 115 outras unidades já mapeadas pela companhia.

"Sim, ainda é preciso se aproximar dos concorrentes, e existem alguns riscos de execução que não podem ser ignorados, mas na avaliação atual, onde os papéis são negociados com grande desconto frente aos concorrentes, a companhia oferece uma vantagem atraente aos investidores", concluem os analistas.

De olho nos números

Embora a visão do BTG seja positiva para a companhia, o primeiro balanço pós-abertura de capital não agradou muito os investidores. Após a divulgação, as ações chegaram a cair 10,71% e ficaram cotadas na faixa dos R$ 15.

Um dos pontos que chamaram a atenção foi a queda de 40,5% no lucro líquido do terceiro trimestre ante o mesmo período do ano anterior, totalizando R$ 19,1 milhões. Se excluído o efeito da norma IFRS16 e equalizada a taxa efetiva de imposto de renda, a queda no lucro líquido no terceiro trimestre teria sido de 2,7%.

A companhia também sofreu uma queda da eficiência, com a diminuição de 1,1 ponto percentual na margem líquida. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado também teve contração de 3,8% e terminou o trimestre em R$ 116,7 milhões.

A receita líquida da companhia teve um crescimento de 2,6% no período e fechou o trimestre em R$ 1,252 bilhão.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements