Menu
2019-04-04T14:18:07-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Varejo

Papéis da Via Varejo têm ressaca pós-Natal com mais uma troca de comando e venda de participação na Bolsa

Papéis do grupo recuaram 5,7%, cotados a R$ 4,30, a maior queda do Ibovespa nesta quarta-feira, 26; grupo vai vender em Bolsa hoje 50 milhões de ações

27 de dezembro de 2018
8:16 - atualizado às 14:18
Fachada de uma loja das Casas Bahia
Casas Bahia é uma das redes de lojas operadas pela Via Varejo - Imagem: Divulgação

A troca de comando da Via Varejo (dona da Casas Bahia e Ponto Frio) - a quarta desde 2014 - e a decisão de seu controlador, o grupo francês Casino, de vender sua participação na companhia na Bolsa, caso não encontre um comprador para o negócio, derrubaram as ações da varejista ontem. Os papéis recuaram 5,7%, cotados a R$ 4,30, a maior queda do Ibovespa.

Na sexta-feira, o conselho do Grupo Pão de Açúcar (GPA), controlado pelo Casino, anunciou ao mercado a venda de parte da participação que detém na rede de eletroeletrônico em Bolsa e o retorno do executivo Paul Estermann à presidência da companhia. Em fevereiro passado, o executivo havia deixado a rede de eletroeletrônicos para presidir o GPA, sendo foi substituído por Flávio Dias.

A empresa vai vender em Bolsa hoje 50 milhões de ações, o equivalente a 3,86% do capital. Os papéis serão oferecidos a R$ 4,42. A operação deve movimentar R$ 221 milhões.

Os controladores da Via Varejo, que detêm 43,3% da companhia, colocaram a varejista à venda há dois anos, mas não receberam nenhuma proposta firme pelo negócio.

A empresa informou, em comunicado, na sexta-feira, que a fatia restante do GPA no capital da varejista de eletroeletrônicos ainda poderá ser vendida para um investidor estratégico, mas o grupo considera se desfazer os papéis da empresa na Bolsa até o fim de 2019.

Em relatório divulgado ontem, o banco Brasil Plural considerou a troca de comando da rede “assertiva” e a venda de papéis da empresa “em linha” com expectativas de mercado.

Reestruturação. A gestão da companhia voltará para as mãos de Estermann, que saiu da presidência da Via Varejo no início de 2019. O executivo vai continuar no conselho do Grupo Pão de Açúcar. Caberá a ele reestruturar novamente a empresa, até a saída definitiva do Casino do negócio.

A dona da Casas Bahia e do Ponto Frio tem passado por dificuldades nos últimos anos. A estratégia dos controladores de separar o negócio de comércio eletrônico na empresa CNova foi vista como um erro. A principal concorrente, a Magazine Luiza, que integrou lojas físicas e e-commerce, é hoje destaque na Bolsa.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

1º TRI

Petrobras reverte prejuízo do ano anterior e lucra R$ 1,6 bilhão no 1º trimestre; Ebitda sobe mais de 30%

O resultado foi beneficiado pela alta do barril de petróleo no mercado internacional, mas sentiu o peso da valorização do dólar.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

A inflação americana na Broadway e outros destaques

O dilema dos Bancos Centrais renderia um musical na Broadway. Um enredo cheio de intrigas e drama; personagens em conflito, cientes de que suas decisões impactam o mundo todo. Subir ou não subir os juros, eis a questão. A inflação americana, afinal, começa a aumentar num ritmo preocupante — e muito por causa da postura […]

Fechamento

Mercado modera reação à inflação americana e bolsa consegue recuperação parcial; dólar sobe a R$ 5,31

Os investidores respiraram fundo, pegaram um copo d’água e digeriram melhor o choque da pressão inflacionária nos Estados Unidos

Caça às pendências

BNDES quer viabilizar privatização da Eletrobras e refazer leilão de bloco da CEDAE ainda este ano

Além disso, o banco de fomento trabalha em outros 120 projetos de desestatização que podem chegar a um investimento total de R$ 243 bilhões em obras

Oferta secundária à vista?

BNDES vai esperar o ‘melhor momento’ para vender ações da Copel

A BNDESPar, empresa de participações do banco, pretende se desfazer da fatia de 24% que possui das ações Copel

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies