O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-02-03T16:31:09-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Saldão na bolsa

Tá barato? Americanas (AMER3) vai recomprar mais de 17 milhões de ações; papéis caíram 65% em um ano

Ao todo, o novo programa de recompra de ações engloba 2,8% dos papéis em circulação da Americanas (AMER3). Saiba mais sobre os planos

29 de janeiro de 2022
12:58 - atualizado às 16:31
Fachada de unidade da rede Lojas Americanas Express (AMER3 LAME3 LAME4), na Avenida Paulista, região central de São Paulo
Fachada de unidade da rede Lojas Americanas Express, na Avenida Paulista, região central de São Paulo - Imagem: Estadão Conteúdo/Itaci Batista

Não é novidade para ninguém que os últimos meses têm sido movimentados na Americanas (AMER3): a empresa passou por uma enorme reestruturação interna, de modo a simplificar sua organização, aumentar a liquidez de seus papéis e destravar valor aos investidores. E, agora que essa etapa foi concluída, a gigante do e-commerce anunciou um novo passo que mexe diretamente com o interesse de seus acionistas.

Como diz o seu slogan, "relaxa, na Americanas você acha" — inclusive ações AMER3. A companhia dará início a mais um programa de recompra de ações envolvendo até 17,5 milhões de papéis; a quantia representa 2,8% do total em circulação no mercado.

"O objetivo da operação é dar continuidade ao plano de aquisição de ações para maximizar a geração de valor para os acionistas, por meio de uma administração eficiente da estrutura de capital", diz a Americanas, em fato relevante enviado à CVM.

Os papéis, no entanto, não poderão ser encontrados num marketplace por aí: segundo a própria Americanas, as ações recompradas poderão ser usadas nos programas de remuneração, mantidas em tesouraria, canceladas ou vendidas posteriormente, em operações no mercado.

AMER3 e o inferno astral do e-commerce na bolsa

O anúncio da Americanas não chega a causar espanto, considerando o mau desempenho de suas ações. Os papéis AMER3 até exibem um ligeiro tom positivo em 2022 mas, em um ano, amargam perdas de mais de 60%.

Ela, no entanto, não está sozinha nesse barco. Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3), outras duas gigantes do e-commerce nacional, acumulam baixas ainda mais intensas no mesmo período de tempo. Tudo por causa da percepção negativa do mercado em relação ao futuro do setor.

Com a reabertura gradual da economia, a demanda pelo e-commerce começou a mostrar uma tendência de desaceleração no país — o comércio online ainda cresce, mas num ritmo bem mais lento que o visto no auge da pandemia. Em paralelo, as lojas físicas dessas empresas não têm tido um desempenho tão forte quanto o imaginado.

A Selic cada vez mais alta também prejudica o segmento, uma vez que juros elevados desestimulam o consumo e diminuem a concessão de crédito. Por fim, a concorrência crescente dos grandes players globais do e-commerce no mercado brasileiro — Mercado Livre, Amazon, Shopee e Aliexpress são alguns dos nomes fortes por aqui — também pressiona as ações da Americanas, Magalu e Via.

Americanas: o que mudou?

A reorganização societária da Americanas foi feita para simplificar a estrutura organizacional da companhia: antes, ela era dividida entre a holding Lojas Americanas (LAME3 e LAME4) e a controlada Americanas S.A. (AMER3), que concentrava as operações das lojas físicas e dos canais digitais.

Ou seja: eram duas companhias de capital aberto, com perfis semelhantes e nomes quase idênticos — uma situação com potencial para gerar enormes confusões na cabeça dos investidores.

Pois bem, agora tudo está mais direto: a Lojas Americanas foi incorporada à Americanas S.A., e suas bases acionárias foram unificadas; os papéis LAME3 e LAME4 foram tirados de circulação, restando apenas AMER3. Cerca de 30% da companhia segue nas mãos dos megainvestidores Jorge Paulo Lemann, Carlos Sicupira e Marcel Telles, com os 70% restantes permanecendo em circulação no mercado.

  • O podcast Touros e Ursos desta semana já está no ar! A equipe do Seu Dinheiro discutiu os próximos passos do banco Central, que deve elevar a Selic para além dos 10% na próxima semana. É só dar play!
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O melhor do Seu Dinheiro

O Nubank estará Nu mais uma vez? Confira a história do dia e outras sete notícias que mexem com os seus investimentos

O Nubank virou rei na competição com os bancões, mas a nudez dos balanços amargou o gosto dos investidores pela fintech; veja o que esperar do resultado do primeiro trimestre

Segredos da Bolsa

Esquenta dos mercados: Desaceleração da China gera mal estar e bolsas amanhecem pressionadas; Ibovespa acompanha tensão na Petrobras (PETR4)

No panorama doméstico, os balanços de Magazine Luiza, Nubank e outros movimentam o dia

Fã ou hater?

O Nubank (NUBR33) vai calar a boca dos críticos? Saiba o que esperar dos resultados do 1T22 do banco digital

Nubank é um daqueles papéis que costumam gerar um comportamento binário dos investidores, a exemplo de Oi (OIBR3) e IRB (IRBR3): ou você é fã, ou é hater.

'PERGUNTA PRO SACHSIDA'

Bolsonaro se pronuncia sobre ‘fritura’ e possível substituição do presidente da Petrobras (PETR4)

Bolsonaro voltou a dizer que “ninguém vai tabelar preço de combustível”, mas afirmou que a “finalidade social” da Petrobras não está sendo cumprida

BAIXOU A PREVISÃO

Magazine Luiza (MGLU3) rebaixado: JP Morgan corta previsão para ações antes do balanço de amanhã, mas projeção ainda é de alta de quase 50%; entenda motivos

O cenário de alta dos juros deve pressionar o varejo, mas o JP Morgan entende que a empresa está bem posicionada no setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies